Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Chance perdida

Advogado é condenado a indenizar clientes por perda de prazo processual

Por 

A frustração de não ter o seu processo apreciado pela Justiça por desídia do advogado viola direitos de personalidade da parte, garantidos no artigo 5º da Constituição, dando margem à reparação na esfera moral. Por isso, a 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul manteve, na íntegra, sentença que condenou um advogado a pagar R$ 3 mil a cada um dos três agricultores que tiveram suas ações extintas no primeiro grau. Como não foram avisados de deveriam comprovar sua hipossuficiência, eles perderam os prazos processuais, o que acarretou a extinção das ações.

No primeiro grau, o juiz Jairo Cardoso Soares, da Vara Judicial da Comarca de São Sepé, afirmou que o procurador das partes não conseguiu explicar a sua inércia processual. Disse não ser razoável aceitar o argumento de que, decorrido mais de um ano do ajuizamento das ações, não tenha conseguido manter contato com seus constituintes, para cientificá-los a cerca da documentação necessária. Ainda mais que o advogado exercia atividade no sindicato rural, onde comparecia semanalmente.

Soares destacou, com base em prova testemunhal, que o sinal de telefone celular é bom na localidade — o que afasta dificuldades de contato com clientes que residem na zona rural. Por outro lado, observou que o próprio réu admitiu que trocou o número de seu telefone celular um mês após firmar o contrato de prestação de serviço com os autores, dificultando a comunicação. ‘‘Tais fatos demonstram que efetivamente houve desídia do procurador contratado pelos autores, sendo injustificável a sua inércia’’, emendou.

Embora reconhecesse a necessidade de reparação moral, arbitrando o valor de R$ 3 mil para cada autor, o juiz negou o pedido de indenização material. É que não há como garantir que as ações extintas seriam julgadas procedentes. Em outras palavras: não ficou caracterizada a probabilidade concreta de obtenção do direito postulado.

Para o relator do recurso na corte, desembargador Eduardo Kraemer, que manteve o quantum indenizatório, os danos morais decorrem da desídia do procurador. Afinal, embora a obrigação do advogado seja de meio, sua obrigação implica o dever de ser zeloso e diligente na atividade que desenvolve frente ao cliente. O acórdão foi lavrado na sessão do dia 6 de outubro.

O caso
Três pequenos agricultores de um município vizinho a São Sepé (região central do RS) contrataram o advogado réu para ajuizar ações de cobrança contra a Companhia Estadual de Energia Elétrica (Ceee), com o objetivo de se ressarcirem dos valores gastos com a instalação da rede de eletrificação rural na sua zona. As ações, no entanto, foram extintas pela Justiça, porque o advogado deixou de anexar documentos que comprovariam a hipossuficiência dos autores, para obtenção da assistência judiciária gratuita (AJG). Segundo os autos, as ações foram distribuídas em dezembro de 2007; o despacho pedindo a juntada de documentos, proferido em fevereiro de 2008; e a decisão determinando o cancelamento da distribuição, em março de 2009. Em função do desfecho, os três ajuizaram ação indenizatória por danos morais e materiais contra o advogado, pela perda de uma chance.

Citado pela Vara Judicial da Comarca de São Sepé, o advogado alegou que os demandantes deixaram de fornecer todas as informações e documentos necessários para o sucesso da ação, como era de sua responsabilidade. Afirmou, também, que estes deixaram de entrar em contato com o escritório nem procuraram o sindicato rural, para se inteirar do andamento da ação, como acordado. Garantiu que tentou de todas as formas levar ao conhecimento deles a necessidade de apresentação dos documentos. Por fim, lembrou que moram em zona rural, de difícil acesso aos meios de comunicação.

Clique aqui para ler a sentença modificada.
Clique aqui para ler o acórdão modificado.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio Grande do Sul.

Revista Consultor Jurídico, 15 de novembro de 2016, 17h48

Comentários de leitores

7 comentários

Estimo melhoras..

incredulidade (Assessor Técnico)

MAP é como Dom Quixote em sua cruzada contra os moinhos de vento.
Ele vem e fala sobre "raciocínios emocionais" (contradição evidente), mas ele é o primeiro a condenar imediatamente juízes, promotores e servidores, de forma totalmente "racional emocional".
Estimo melhoras...

A chave

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O comentário do Prætor (Outros), embora singelo, é a chave para se compreender os problemas que acometem o sistema de Justiça brasileiro, e também boa parte dos problemas da República. Veja-se a tônica do raciocínio do citado Comentarista: "lágrimas"; "mauzinhos"; "bonzinhos causídicos"; "solidariedade". Trata-se de raciocínio puramente emocional, que se aproxima ao do cidadão comum e à "novela das oito" da Rede Globo (fonte principal de "cultura" do cidadão comum brasileiro). O raciocínio não leva em consideração de nenhuma forma a necessidade de se pensar o sistema de uma forma a que todos possam executar de forma ordenada e segura o seu trabalho, aprofundando o universo de insegurança jurídica que simplesmente destruíram o Brasil nos últimos anos. Enquanto outros povos buscam de forma científica aprimoramentos, aqui se torna tudo uma relação entre o "bem e o mal". Para agravar, esse é o raciocínio feito por 99,9% dos brasileiros, ou seja, nós vivemos em uma República na qual a IRRACIONALIDADE domina o cenário. Enquanto isso, nós temos um Judiciário consumindo 82 bilhões de reais, juízes recendo 45 ou 50 mil mensais (muito acima do teto constitucional), e a pior tutela jurisdicional do mundo, justamente porque quase tudo nessa área foi traduzido em raciocínios PURAMENTE EMOCIONAIS, ou de ordem moral. Veja-se, para citar um único exemplo, que ninguém está processando o juiz da causa, ou qualquer outro magistrado por ter decidido errado. E o povo paga o preço com desemprego, subdesenvolvimento, etc., etc.

O MAP é muito cômico...

Johnny1 (Outros)

...em toda notícia na qual advogado é "acusado", ele sempre tem argumento pra defender, inclusive alegando que a "parte contrária" não foi ouvida...quando a "acusação" é contra juiz ou promotor, são sempre culpados, sem nenhuma chance de defesa...Bela coerência

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.