Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

"Messianismo de toga"

AMB diz que é afronta declaração de Pimentel de que há magistrados justiceiros

As críticas à magistratura feitas pelo governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), não foram bem aceitas pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). O membro do Executivo disse haver “messianismo” de juízes, que muitas vezes seriam “justiceiros travestidos de magistrados”. A entidade afirmou então que as declarações são uma “afronta à magistratura nacional” e que fazem parte de uma série de reclamações surgidas por conta da atuação da Justiça em casos de corrupção envolvendo autoridades.

Pimentel falou do surgimento de "justiceiros travestidos de magistrados". Reprodução 

Fernando Pimentel é alvo de investigação no âmbito da operação acrônimo, que apura irregularidades no BNDES no período que era Ministro do Desenvolvimento e na contabilidade de campanha dele ao governo de Minas. Por decisão do Superior Tribunal de Justiça, caberá aos deputados autorizar a continuidade da denúncia contra ele.

“Na democracia não pode e nem deve haver espaço para messianismos, para o surgimento de super-heróis, de justiceiros travestidos de magistrados. Não. A democracia pressupõe e exige sobriedade e contenção nos procedimentos judiciais, de forma a preservar os direitos individuais de todos e de cada um dos cidadãos”, disse Pimentel na terça-feira (8/11), no discurso de agradecimento ao receber a medalha Santos Dumont.

Em resposta, a AMB disse que a magistratura tem agido com isenção e dentro dos princípios constitucionais. “O avanço das investigações contra a corrupção tem apontado a participação de importantes autoridades, o que explica tamanha pressão sobre a Justiça brasileira. A AMB continuará vigilante para garantir a autonomia necessária ao exercício jurisdicional e não admitirá a desqualificação e nenhum tipo de ataque aos juízes brasileiros”, escreveu a AMB.

Via crucis passa pelo Legislativo
A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça definiu no dia 5 de outubro que cabe à Assembleia Legislativa de Minas Gerais autorizar a abertura de ação penal contra Pimentel.

O entendimento foi que, embora a Constituição estadual não fixe expressamente essa regra, o sentimento de justiça e democracia não pode gerar o risco de um governador ser destituído do cargo sem dar voz ao Legislativo.

Ficou definido então que, por não ter esse procedimento em seu estatuto, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais adotará o rito da Câmara dos Deputados para processar o governador. São necessários dois terços dos votos para instauração do processo contra chefe do Executivo Federal. Assim, por analogia, aplicou-se o mesmo dispositivo ao chefe do Executivo estadual.

Pimentel foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República sob acusação de ter recebido vantagens indevidas, no final de 2013, para gerar benefício tributário à montadora Caoa, quando era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. As acusações fazem parte da chamada operação acrônimo.

Leia a nota da AMB:

A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) repudia as declarações do governador do Estado de Minas Gerais, Fernando Pimentel, que afirmou haver “messianismo” por parte do que chamou de “justiceiros travestidos de magistrados" ao comentar a atuação do Judiciário e da imprensa.

A isenção no trabalho dos juízes é um dos pilares do Estado Democrático e preservar os direitos individuais dos cidadãos é um dos princípios da atuação jurisdicional. A declaração do chefe do executivo daquele Estado insinua que falta “sobriedade e contenção nos procedimentos judiciais”, o que é uma afronta à magistratura nacional.

Não é novidade que o Poder Judiciário tem sido clamado para resolver a crise política brasileira. Seja em operações como Lava Jato, Zelotes ou Acrônimo — esta em que o governador Pimentel é alvo de investigação —, ou no trabalho diário de 18 mil togados nos mais distantes fóruns do Brasil, a magistratura tem agido com isenção e dentro dos princípios constitucionais.

O avanço das investigações contra a corrupção tem apontado a participação de importantes autoridades, o que explica tamanha pressão sobre a Justiça brasileira. A AMB continuará vigilante para garantir a autonomia necessária ao exercício jurisdicional e não admitirá a desqualificação e nenhum tipo de ataque aos juízes brasileiros.

João Ricardo Costa
Presidente da AMB".

Revista Consultor Jurídico, 11 de novembro de 2016, 17h17

Comentários de leitores

2 comentários

Críticas à Magistratura

Célio Parisi (Advogado Assalariado - Criminal)

É necessários ficarmos vigilantes acerca de eventuais abusos infundados por parte de magistrados, mas, para isso, há recursos para se levar até aos tribunais as decisões que devem ser mudadas, podendo, inclusive, em casos mais sensíveis, acionar até o Conselho Nacional de Justiça. O que não pode e não deve, porém, é atacar a Instituição de modo genérico, fora do campo próprio da discussão ou sem indicar caso concreto, sob pena de se ofender indistintamente todos os aplicadores do direito e desestabilizar a Instituição perante a sociedade. Sobriedade e responsabilidade são necessárias!

Fora de controle

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Por esses dias eu ingressei com um procedimento de controle administrativo em face a um juízo federal. Embora eu esteja acostumado à perda de noção por parte da magistratura, que se tornou fanática na busca por inimputabilidade total e supressão a qualquer crítica à função, foi com surpresa que vi a AJUFE ingressar no processo como terceiro interessado aduzindo que a simples interposição do procedimento significava violação às prerrogativas do magistrado responsável pela vara (que sequer foi citado na peça). A magistratura perdeu a noção de mundo, e ao que parece poucos estão dispostos a dizer que eles que ultrapassaram os limites.

Comentários encerrados em 19/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.