Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Situações emergenciais

Polícia Civil de MG pode fazer transporte de presos em casos excepcionais

Apesar de a legislação de Minas Gerais determinar expressamente que o transporte de presos seja feito pela Polícia Militar, essa função também pode ser executada, em “casos excepcionais”, pela Polícia Civil, com base no princípio da cooperação entre órgãos de segurança.

A decisão unânime foi tomada pela 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça ao julgar recurso interposto pelo estado de Minas Gerais. Para o relator do caso, ministro Francisco Falcão, a Polícia Civil deve cuidar do transporte quando a PM, por situação emergencial, estiver impedida de cumprir sua atribuição.

Falcão ressaltou a evolução da jurisprudência do STJ. Inicialmente, a corte entendia que o transporte não poderia ser feito pela Polícia Civil, pelo fato de que a Lei estadual 13.054/98 determina, de forma expressa, a competência exclusiva da PM para escolta de presos provisórios ou condenados.

“Ocorre que a jurisprudência mais recente vem admitindo a legitimidade e a razoabilidade do dever de colaboração entre as mencionadas forças, em casos excepcionais”, afirmou o ministro. Para ele, apesar da determinação legal expressa, a Polícia Civil não está isenta da atribuição, desde que a necessidade seja devidamente justificada pelo magistrado requisitante. Falcão assinalou, contudo, que a exceção não pode se tornar regra.

O caso envolveu um recurso interposto pelo Sindicato dos Servidores da Polícia Civil de Minas Gerais (Sindpol) contra decisão do Tribunal de Justiça local. A corte entendeu que a eventual paralisação do transporte de presos pela Polícia Civil na comarca de Prados “implicaria prejuízos à prestação jurisdicional e, por conseguinte, à segurança pública local, que possui contingente limitado de policiais militares e civis”.

Em uma primeira decisão, o ministro do STJ Humberto Martins reformou o acórdão do tribunal local. Contra essa decisão, o estado de Minas Gerais recorreu e teve suas alegações aceitas pela 2ª Turma, que acompanhou o voto do ministro Falcão.

Ilegalidade estatal
Na visão do advogado Hector Ribeiro Freitas, o transporte de presos em “camburões” é inconstitucional e ilegal. Segundo ele, ao levar os detidos no porta-malas algemados e espremidos, o estado viola o Código de Trânsito Brasileiro (que proíbe essa prática) e o princípio da dignidade da pessoa humana. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Clique aqui para ler a íntegra da decisão.
RMS 42.574

Revista Consultor Jurídico, 10 de novembro de 2016, 15h15

Comentários de leitores

2 comentários

Ué a PM não dá conta?

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

A Polícia Militar de Minas se orgulha de instruir TCO e não dá conta de transportar presos? Outro ponto, com o devido respeito a quem comentou racionar o sistema construindo a delegacia ao lado do presidio não tem conhecimento que o número de Delegacias é inúmeras vezes maior do que o de presídios? Mais, que a construção de presídios têm destruído a paz de cidades pequenas como ocorreu no interior de São Paulo.

Cadeias/Foruns

paulo alberto (Administrador)

Não seria mais facil os futuros serem construidos junto as Unidades Prisionais, racionaliza o sistema-

Comentários encerrados em 18/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.