Consultor Jurídico

Prisões em excesso

Para Guilherme Nucci, não há nada a comemorar nos 10 anos da Lei de Drogas

Retornar ao texto

Comentários de leitores

6 comentários

Melhor nem discutir II

Ademir Coelho da Silva (Defensor Público Estadual)

Concordo plenamente com o colega Dr. Marcelo Alves Pintar.
Em se tratando de legislação da área penal, o Brasil caminha na contramão. Vivemos na era do "Populismo Penal Midiático". Não basta o país ter a terceira ou quarta maior população carcerária do mundo (sem que diminua a criminalidade, aliás, muito pelo contrário), para a mídia e legisladores o que importa é estar em sintonia com o chamado "clamor público", ou seja, Aumentar Penas, ainda que na prática, se mostre totalmente ineficaz.

Perigo

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Em um país da América do Sul foi feita a distinção entre usuários de drogas e traficantes. Os primeiros são convidados a manterem os vícios; os segundos são criminosos.

O usuário anda na rua e precisa de dinheiro para manter o seu vício. Então, furta celulares. Depois, passa a agredir transeuntes para sustentar o seu vício. E chega ao artigo 121 do Código Penal.

Sensatez

ponderado (Funcionário público)

Com todo respeito e sem apologia alguma ao tema drogas, é provável que a forma mais sagaz de se conceder imunidade tributária uma mercadoria ou segmento econômico seja via proibicionismo. Por isso entendo ser prudente rever-se a lista "F" da portaria 344 ANVISA..

Fora da realidade

Professor Edson (Professor)

Não existe um país civilizado no mundo que abrandou a lei para o tráfico, pelo contrário, em alguns lugares legalizaram o uso, uma discussão completamente diferente, também penso que algo tem que ser feito, mas essa discussão é profunda e tem que se debatida com quem realmente entende o problema, não com generalistas de botequim.

Grande mestre!

Vander (Outros)

Meu desembargador favorito!

Melhor nem discutir

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Como se sabe, o mundo civilizado está hoje discutindo o fim dos encarceramentos por tráfico de drogas. Como o Brasil caminha no sentido contrário ao restante do mundo, creio que seja bom manter a questão da Lei de Drogas debaixo do tapete, pois se começar a discutir o tema irão surgir várias propostas visando aumentar ainda mais as penas e impor maiores rigores aos acusados. Lamentavelmente, a insanidade vem dominando oficialmente o discurso criminal no Brasil, e até que esse problema grave seja solucionado melhor sequer trazer à discussão novas questões.

Comentar

Comentários encerrados em 12/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.