Consultor Jurídico

Notícias

Prerrogativa de foro

"STF não sabe julgar processos penais", diz procurador da "lava jato"

Comentários de leitores

11 comentários

Concordo com o procurador....

João B. G. dos Santos (Advogado Autônomo - Criminal)

O título é o comentário.

STF e os comissionados....

Pek Cop (Outros)

Não tem jeito, a escolha dos ministros tem que ser pelo próprio judiciário e não por nomeação presidencial, senão isto continuará sendo desleal com a população!!!!deveria ser proposta uma mudança na admissão dos ministros. Cadê os deputados com seus advogados para propor e salvar o país das escolhas de figurinhas marcadas....

A “limpeza” tem que ser geral, sem seletividade.

Marcelo-ADV (Outros)

Citação: “Antes do mensalão, tivemos um único político condenado”.

Não seria por causa do engavetador-geral da república, do Governo FHC? O engavetador-geral, dos 626 inquéritos criminais que recebeu, engavetou 242 e arquivou outros 217. É coisa demais, não é?

Por outro lado, não há como negar a eficácia da tortura “branca”. Decretando prisão preventiva para forçar a delação (para o passarinho cantar), não há dúvida que o processo anda mais rápido. Uma vez feita à delação, nesse jogo de trocas, já pode sair da prisão e ir à prisão domiciliar.

Vale lembrar que há várias delações contra o Aécio, e o Cerveró citou uma propina de US$ 100 milhões ao governo FHC, então está na hora de começar a investigar o PSDB, não é? E se Dilma recebeu muitos milhões das empreiteiras para sua campanha, Aécio também recebeu mais de 40 milhões das empreiteiras. De onde veio esses R$ 40 milhões? FHC admitiu a compra de deputados para aprovar a emenda constitucional para reeleição;

Enfim, seletividade não agrada a ninguém (ou menos não deveria agradar). A “limpeza” tem que ser geral.

Pegando um gancho em comentário

Ramiro. (Advogado Autônomo)

Pegando um gancho no comentário de Philosophiae Doctor (Outros), em tempos passados quando cogitaram o nome do Professor Nilo Batista para o STF, foi aquela resistência. Não há de se esquecer que Zaffaroni foi durante anos Presidente da Suprema Corte da Argentina e hoje é Juiz da Corte Interamericana de Direitos Humanos, e é notório criminalista. Evitar-se-ia, talvez, situações como a de Claus Roxin afirmar que o STF interpretou mal a sua teoria do domínio do fato. Neste sentido, na Folha especialistas, hoje um dos autores Professor de Direito Penal na Alemanha, discorre sobre isso.
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/134367-fatos-e-mitos-sobre-a-teoria-do-dominio-do-fato.shtml
Enfim, faz falta não um, mas pelo menos dois ou três grandes criminalistas, especialistas em direito penal no STF.

Um pouco mais discernimento iria bem

Ramiro. (Advogado Autônomo)

A situação vai evoluindo de tal maneira que grande parte das pessoas parece ter substituído o cérebro não pelo coração, mas, metaforicamente, pelo fígado. Convém confrontar dados de outros veículos.
http://oglobo.globo.com/brasil/procurador-da-lava-jato-defende-independencia-de-investigacao-em-eventual-governo-temer-18981536#ixzz44Q53iqr0
"Procurador da Lava-Jato defende independência de investigação em eventual governo Temer
(...)
...Boa parte da independência atual do Ministério Público decorre de uma não intervenção do poder político. Isso foi importante e é fato que tem que ser reconhecido como algo deste governo. Governos anteriores realmente mantinham controle sobre as instituições. Mas esperamos que isso esteja superado — afirmou, em referência ao governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002)."
Um ululante óbvio mais ululante que todos os óbvios ululantes de Nelson Rodrigues... Uma autoridade enfim reconhece que governos anteriores traziam as instituições MPF e Judiciário como no cabresto... Mas seria um mérito do PT?
"é mal o que tu ofereces, bebe tu mesmo dos teus próprios venenos". Não querendo desvirtuar a frase de São Bento, mas no contexto, quando o MPF e Judiciário iam atrás dos "inimigos", era tudo lindo e maravilhoso, até que o vento virou...
Não sou vidente, não sou profeta do apocalipse, não tenho pretensões a expert em ciência política, mas é de um óbvio tremendo, 2018 pode começar a ser um ano péssimo para Ministério Público e Magistratura. Quem teria força de fato para impedir que o Congresso aprove uma Nova Assembleia Nacional Constituinte? É regra base de uma Constituinte, de uma Nova Constituição a inexistência de direitos adquiridos em relação a Constituição anterior, se assim a nova Constituição determinar.

è crime ser servidor do banestado?

daniel (Outros - Administrativa)

Nao sabia que ser servidor do banestado é crime,,,,

Mais pura verdade...

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

Não a toa que o STF é o sonho de consumo de todo o corrupto, em brasília ser julgado pelo STF é visto como um alivio. Pois todos sabem que o STF não tem vocação para julgamento de processos criminais, exemplo disso foi o caso do mensalão que só foi julgado porque iria prescrever, e ainda assim tiveram que trancar o plenário para qualquer outro julgamento por um semestre.

10% de aprovação do governo

afixa (Administrador)

quem são eles? como se alimentam (pão com mortadela) onde moram? do que vivem (30,00 por piquete)
Alguns são facilmente encontrados aqui no conjur e em outros sites.
Esta mamata vai acabar. O impeachment é inevitável.
Já é hora de pensar no próximo ministério.

Concordo e discordo

Professor Edson (Professor)

A morosidade é um problema no supremo, claro, isso incentiva o crime, mas na AP470 eles fizeram bem o trabalho.

Direito penal

O IDEÓLOGO (Outros)

É necessário verificar a resistência velada da comunidade jurídica contra a nomeação de doutores em Direito Penal para assunção ao cargo de Ministro do STF.
A qualidade dos julgamentos, apesar da existência de assessores aos Ministros, seria elevada exponencialmente.

A mulher do procurador não era do Banestado?

ju2 (Funcionário público)

Como ficou a história da mulher do procurador Carlos Fernando, no caso do Banestado? O Sérgio Moro julgou como?

Comentar

Comentários encerrados em 7/04/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.