Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prova segura

TJ-DF libera quebra de sigilo de celular em caso de violência doméstica

É possível quebrar o sigilo do registro de ligações e de mensagens de texto quando alguém é investigado sob suspeita de crime grave, como violência doméstica, e a prova é imprescindível para elucidar o fato criminoso. Assim entendeu a 2ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal ao permitir a coleta de provas em celular de um homem acusado de enviar mensagens e fazer ligações constantes para ameaçar uma familiar, em Brasília.

Embora ele tenha admitido à polícia o envio de mensagens e a insistência nos telefonemas para cobrar dívidas, o Ministério Público alegava que o acesso às informações pessoais era necessário caso o investigado mudasse a versão na hora do depoimento em juízo.

O juízo de primeiro grau negou o pedido, por considerar a medida desnecessária. Já o TJ-DF concordou com a quebra de sigilo, por entender que, “se a confissão extrajudicial não for corroborada por outro elemento, poderá ser de nenhuma valia para a conclusão acerca da autoria dos fatos”.

“A medida pleiteada se mostra necessária, pertinente e imprescindível para a elucidação do fato criminoso, bem como à coleta de provas, sendo a quebra do sigilo o meio eficaz para se alcançar esse objetivo”, disse em seu voto o desembargador Souza e Ávila, relator do caso. Ele afirmou que a proteção ao sigilo das comunicações telefônicas não consiste em direito absoluto, podendo ser afastado quando há interesse público relevante. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-DF.

Processo 0026530-50.2015.8.07.0000

Revista Consultor Jurídico, 24 de março de 2016, 8h28

Comentários de leitores

2 comentários

E a equidistância, onde fica...

Raul Faust (Advogado Assalariado)

Estranho o argumento do TJDF; ora, o fato da pouca valia da isolada confissão extrajudicial do réu, no que concerne a valor probatório, deveria preocupar apenas as partes do processo, e não o órgão do Poder Judiciário. Aliás, vale ressaltar que no processo penal o juiz deve se manter equidistante das partes, de modo que a suposta dificuldade na coleta de provas não deveria lhe interessar. Pensar o contrário, isto é, pensar que o órgão judicial deve se preocupar com o êxito na produção de prova de algumas das partes é, a meu ver, atribuir um ônus ao juiz que não lhe compete (ou não deveria lhe competir).

Correto

Professor Edson (Professor)

Quem ameaça pessoas não pode ser blindado.

Comentários encerrados em 01/04/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.