Consultor Jurídico

Artigos

Opinião

O Estado Democrático de Direito foi assaltado, e a constituição, violentada

Comentários de leitores

19 comentários

Estado policial?

João B. G. dos Santos (Advogado Autônomo - Criminal)

Se o Estado fosse policial como assinala o ilustre articulista a quadrilha petistas não teria devastado o país. Ou não?

belíssimo texto.

Octavio Pires (Advogado Autônomo - Civil)

Belíssimo texto. Não obstante, deixou de vir acompanhado de desenhos, para ser interpretado corretamente por aqueles que não sabem ler e tampouco escrever.

Parabéns dr. Rivadávia rosa

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Brilhante comentário. Permita-me modestamente compactuar do seu escrito. Quando se começa a 'engatinhar' rumo a um novo Brasil (que ao fim e ao cabo é o que todos querem) aparecem os fisiologistas de plantão se insurgindo contra as mais cristalinas evidências.

Excelente texto

Gian Roso (Estudante de Direito)

Muito embora algumas pessoas defendam a interceptação, dizendo que "se deu por ordem judicial" e imputando diversos crimes ao investigado, esses argumentos não se sustentam.
Muito diferente do texto (que é excelente, parabenizo o professor Yarochewsky mais uma vez), esses argumentos sempre vêm desacompanhados de qualquer fundamento jurídico.
Por fim, aceitar que a Constituição seja violada da forma como está sendo na "lava jato" em nome da "justiça" é um tremendo erro. A violação que hoje está ocorrendo contra os que estão sendo ali investigados pode ocorrer com qualquer cidadão, até mesmo com quem aceita e concorda hoje com essas violações.
Parabéns pelo excelente texto, professor Yarochewsky.

Dissimulação

Rivadávia Rosa (Advogado Autônomo)

Curioso: um juiz que decide no pleno exercício de sua jurisdição é atacado impiedosamente.

Mas o modus operandi do experimento segue sua marcha:

- reiteração dos episódios de violência – demonstrativos da vigência de situações que vão do grotesco, do degradante até a extrema barbárie, com o medo e intimidação diária que parecem não ter limites;
- a democracia transformada em lenocínio eleitoreiro;
- o princípio da amoralidade mafiosa – prevalece com a assimilação indiferente dos delitos de corrupção e corrupção eleitoral, com radicais e descarados “defensores” dessa conduta criminosa;
- os novos vândalos pisoteiam cotidianamente a Constituição, as leis e o Estado de Direito – rumo à barbárie e exclusão do País da ordem civilizada;
O Estado – detentor do monopólio legítimo da força – como manda a Constituição e a lei – não se impõe. A anarquia impera, o Estado ou melhor a sociedade fica à deriva – enquanto a criminalidade – desenvolve a violência impune e cotidiana; a comunidade indefesa, com a defesa da ordem pública ‘interditada’ e, a Polícia quando se atreve a agir, mesmo dentro dos estritos parâmetros legais, contra essas condutas é criticada impiedosamente.
Há um reclamo de justiça, mas não se respeitam as leis e os juízes; fala-se muito de ética, mas não se a exige de si mesmo. A POLÍCIA sempre é apedrejada, mesmo quando age dentro da lei e no estrito cumprimento do dever legal.
Enfim, quando há justa reação dos CIDADÃOS que estavam resignados diante da violência incontida dos bárbaros que dissimulavam a realidade – clamando nos foros por igualdade, justiça, redistribuição de renda, direitos humanos, os juristas orgânicos, despertam.

Estão cuspindo na Constituição...

Daniel das Neves Francisco Lopez (Outros)

Esse magistrado de primeiro grau está cuspindo na Constituição sobre a qual jurou.
Tenho a forte impressão de que ele realmente começa a se achar Deus...

Texto falacioso

Heleno Jr. (Serventuário)

A interceptação se deu por decisão judicial, o investigado não detinha e ainda não detém foro especial por prerrogativa de função. Foi flagrado tentando obstruir à Justiça e as conversas interceptadas são provas de seu beneficiamento particular por construtoras comprometidas no maior esquema de corrupção da História do país. A própria Presidente da República grita aos quatro cantos que não falou nada que a vinculasse aos crimes imputados ao ainda investigado e sua "conversa" foi gravada por captação feita no telefone deste e não da digníssima Senhora. O Conjur tem reiteradamente prestado um desserviço à sociedade. Mais uma vez, lamentável.

Pobre da nossa Constituição!

Júlio Candal (Advogado Autônomo - Civil)

Nenhuma análise minimamente honesta do quadro atual pode passar ao largo do reconhecimento de que estamos vivenciando situação excepcionalíssima, outrora inimaginável, em que assistimos, atônitos, um gigantesto assalto aos cofres públicos perpetrado por agentes do estado que têm como primeiro dever, indeclinável, a defesa do interesse público. À medida em que tais agentes constituem um grupo político declaradamente organizado e articulado para tal fim, e que este mesmo grupo detém extraordinários poderes que lhe são constitucionalmente garantidos pela própria Constituição, evidentemente que a estrita observância às garantias fundamentais nela inscritas, se adotada nos procedimentos investigatórios destinados a desbaratar a "quadrilha" instalada no poder, não importa se de forma legítima ou não, só tendem a perpetuar a flagrante ilicitude e a imoralidade que pautam a atuação de tais agentes, já fartamente comprovadas! É, portanto, situação excepcional, que só pode ser combatida por medidas judiciais também excepcionais, bastando, para tanto, levar-se em conta que os princípios constitucionais visam, em primeiríssimo lugar, a proteção do Estado e da sociedade, razão pela qual revela-se totalmente descabida a pretensão de deles se fazer uso para proteger "quadrilheiros no poder"!

Uma pena

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

É uma grande pena que nossas esperanças de combate à corrupção estejam sendo minadas por erros tão comezinhos de um juiz que se acha um imperador, e seus asseclas, inclusive, a mídia manipuladora e outros setores obscuros.

E também...

preocupante (Delegado de Polícia Estadual)

E estamos também em um Estado onde a quebra da tradição da completa impunidade dos criminosos que detiveram e detém o poder político e financeiro representa grave afronta à ordem, para espanto e irá de muitos.

E a matéria...

Flávio Marques (Advogado Autônomo)

Como esse argumento pífio, assassinou meu intelecto jurídico!

Rasgaram nossa Constituição Federal

LEONARDO AUTRAN (Procurador do Estado)

Ao grampear todo e qualquer cidadão neste país, inclusive, a Presidenta da República, o juiz Sérgio Moro "consolidou" o direito de violar a intimidade de qualquer um, ao seu bel prazer, sem contudo observar a letra da nossa Constituição Federal e, claro, com apoio da mídia nitidamente tendenciosa. As garantias constitucionais antes conquistadas foram atropeladas. É triste mas voltamos à era da ditadura militar, onde se instauram grampos, acusações e prisões infundadas. A OAB por sua vez, queda-se inerte, até mesmo diante do grampo de 25 advogados que integram o escritório que assistem o ex-presidente Lula. As atuações do MPF, com o crivo do juiz Sérgio Moro, revelam grave risco de retorno do Estado policialesco, onde o pensamento "é que os fins justificam os meios."

Jornal de ontem

Srgricardo (Advogado Autônomo - Civil)

A Constituição a muito vem sendo estuprada. Ver: http://www.conjur.com.br/2015-nov-13/direitos-fundamentais-decisao-stf-violacao-domicilio-indica-posicao-prudencial . O doutor como um militante do direito criminal como bem sabe os abusos diuturnamente praticados por policiais em todos os estados da federação. O link acima so exemplifica como a sede de justiça transformou o nosso judiciário em uma fabrica de condenações. O fato de o juiz Moro ter dado publicidade as eacutas telefonicas so tem repercussão por envolver a alta cupula de um governo corrupto e medíocre, e que num ato de desespero, ao ver todo seu empenho sucumbir diante de uma nomeação infame, resolveu retirar o segredo de justiça e divulgar. No dito popular " jogou m#rda no ventilador. Ou fazia isso ou ficava com a certeza da impunidade. Aliás, a fundada suspeita tem servido de batuta pra muito pai de família humilde ser acordado com o pé na porta e a abordagem violenta da policia. E ninguém vem a mídia reclamar por tal estupro da constituição.

Não adianta.

Diogo Duarte Valverde (Advogado Associado a Escritório)

Não adianta, o articulista pode escrever duzentos artigos como este e aquele que publicou anteriormente. Os dias de Dilma, de Lula e do PT estão contados, com ou sem esse berreiro.

Quanta bobagem...

Johnny1 (Outros)

Quem assalta o Estado e violenta a Constituição são as pessoas que o articulista costuma defender...

Estado Policial

George Rumiatto Santos (Procurador Federal)

Grampo ilegal em Lula e divulgação ilegal e política para a mídia;
-
Grampo ilegal no escritório da defesa de Lula. Ilegalidade reconhecida pelos membros do MPF envolvidos, com justificativa estapafúrdia de que acharam o número num site da internet;
-
Juízes ideologicamente contrários ao PT - com participações em atos anti-Dilma e manifestações grosseiras contra o Governo nas redes sociais - decidindo sobre suspensão de nomeação do Lula para Ministro;
-
OAB que, em vez de se indignar contra a arbitrariedade judicial, junta-se ao coro golpista prestando um desserviço à democracia e à Constituição.
-
A pretexto de remover um governo impopular, estão abrindo as portas para a instauração de um Estado Policial no Brasil.

Título errado e texto equivocado

José Cuty (Auditor Fiscal)

Na verdade, o Estado é que foi violentado pelo PT e a sociedade é que está sendo foi assaltada por uma organização criminosa.

advocacia brilhante

gassen (Professor)

Com exemplar isenção, Dr. Leonardo Isaac Yarochewsky tem feito excelente trabalho nesse campo do direito penal, desde os tempos do mensalão, quando patrocinou a defesa de Simone Vasconcelos, secretária de Marcos Valério. gassen gebara - professor

advocacia brilhante

gassen (Professor)

Com exemplar isenção, Dr. Leonardo Isaac Yarochewsky tem feito excelente trabalho nesse campo do direito penal, desde os tempos do mensalão, quando patrocinou a defesa de Simone Vasconcelos, secretária de Marcos Valério. gassen gebara - professor

Comentar

Comentários encerrados em 25/03/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.