Consultor Jurídico

Notícias

Equívoco no levantamento

PF se recusa a comentar erro em condução coercitiva de advogado

Comentários de leitores

6 comentários

Reitero a pergunta:

Paulo Moreira (Advogado Autônomo - Civil)

Cadê os colegas que defendem o ''prende primeiro e vai ver se é inocente depois"?

Não obstante, onde está a turma que "se acha o máximo" só porque se deu bem numa "provinha de decoreba"?

Seguindo os holofotes

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Infelizmente o advogado Marco Antonio Biondo Pereira Mattos está vinculado a uma Entidade de Classe fraca e subserviente ao abuso de poder. A OAB/SP nem fez, e nem fará nada de efetivo para resguardo das prerrogativas da classe, pois está mais preocupada em manter alinhamento político com as autoridades violadora das prerrogativas dos advogados. Nesse caso em específico, eventuais medidas figurativas serão adotadas levando por base apenas a repercussão da notícia. Se o caso cair na grande mídia, com o povo falando a todo momento, aí nós veremos alguma providência. Se o caso cair no esquecimento, a OAB/SP nada mais fará.

Quem nunca errou........

Gazoni (Administrador)

O texto mesmo contém um erro de informação. No início diz que o advogado alvo da operação atuou como tributarista e depois menciona que o que foi preso erroneamente nunca trabalhou como previdenciário. Uma das duas informações deve estar errada. Claro que este é totalmente desculpável, já o da PF é lamentável.
ps. : desculpe se houver algum erro no meu texto.

Quem nunca errou........

Gazoni (Administrador)

O texto mesmo contém um erro de informação. No início diz que o advogado alvo da operação atuou como tributarista e depois menciona que o que foi preso erroneamente nunca trabalhou como previdenciário. Uma das duas informações deve estar errada. Claro que este é totalmente desculpável, já o da PF é lamentável.
ps. : desculpe se houver algum erro no meu texto.

Final dos Tempos...

D. Adriano Vargas (Advogado Assalariado)

Após toda a evolução da humanidade, aqui no lado tupiniquim, as regras são outras agora

Primeiro prende depois se vê
Primeiro dá um tiro e depois se vê

A regra agora é a presenuncao de que todos são culpados

E o guardião" da constituição se curva a poderosa mídia, que faz plantão ao lado dos ministros, MPF e PF para filmar pnrpoximo espetáculo!

Só assim se vende jornais!

Viva a Venesuela!!!

Boa oportunidade para desrespeitar o trânsito em julgado

Radar (Bacharel)

Uau... Os infalíveis falharam? E aí, querem condenação e prisão por isso, já com a decisão de segunda instância? Não seria má ideia.

Comentar

Comentários encerrados em 9/03/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.