Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Norma específica

Comissão do CNJ é contra cotas raciais em concurso para cartório

A Comissão Permanente de Eficiência Operacional e Gestão de Pessoas do Conselho Nacional de Justiça aprovou terça-feira (17/5) parecer contra a inclusão de cotas raciais em concursos para cartório. O parecer da comissão foi solicitado pelo conselheiro Fernando Mattos, relator de uma consulta encaminhada ao CNJ pela Assembleia Legislativa do Mato Grosso do Sul.

A consulta questiona se o tribunal responsável pelo concurso para ingresso na atividade notarial e de registro seria obrigado a observar a regra prevista na Resolução 203/2015 do CNJ, que reserva aos negros 20% das vagas oferecidas em concursos para magistrados e servidores do Judiciário.

No parecer que subsidiará a resposta à consulta, o conselheiro Norberto Campelo, presidente da comissão, considerou ser imprudente estender, “sem um estudo específico e prévio”, os efeitos da Resolução a outras categorias não previstas na norma, restrita a magistrados e servidores do Judiciário.

Citando informações do Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ/CNJ), o conselheiro ressaltou ainda que a edição do ato normativo que criou as cotas nos concursos da Justiça foi baseada principalmente pelo Censo do Poder Judiciário, realizado em 2013.

O conselheiro Norberto informou, por outro lado, que a comissão de eficiência e gestão estuda aprimorar a Resolução CNJ 81/2009 do CNJ, que trata especificamente dos concursos para cartórios. Segundo o conselheiro, uma das alterações sob análise seria justamente incluir cotas raciais nesses concursos.

Mas, como uma mudança de resolução do CNJ depende de aprovação do Plenário, o conselheiro afirmou ser impossível determinar a reserva de cotas raciais em concurso cujas regras são regulamentadas por outro ato normativo.

“O tema ainda está em análise na comissão e, caso exista deliberação no sentido de se redigir dispositivo que reserve cotas para negros nos concursos para provimento de serventias extrajudiciais, essa somente se tornará obrigatória após deliberação do Plenário deste Conselho e respectiva publicação para vigência”, disse. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.

Revista Consultor Jurídico, 22 de maio de 2016, 16h24

Comentários de leitores

1 comentário

Pelo mérito é mais saudável

O Trovador (Outros)

Essa política de cotas é inconstitucional, pois é a mesma coisa de dizer ao negro ou pardo escuro médio que ele conseguiu atingir o objetivo pela cor (coitadinho) e não pelo próprio mérito!! O que o governo tinha que fazer era melhorar a educação, ao invés de fomentar políticas engessadas pelo sistema, pois a política de cotas de alguma forma conformiza a triste história do negro no Brasil!! Esse papo de falta de oportunidade é balela, pois nos momentos difíceis o cidadão pode escolher não se conformar com a situação e lutar até conseguir!!! E mais, o pobre de cor branca não tem vez!!! Infelizmente, vemos a maioria dos negros aplaudirem essa atitude discriminatória!!!

Comentários encerrados em 30/05/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.