Consultor Jurídico

Passo atrás

Waldir Maranhão revoga decisão de anular aprovação do impeachment na Câmara

O presidente em exercício da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA) revogou, na madrugada desta terça-feira (10/5), sua própria decisão de anular as sessões plenárias da Câmara em que foi aprovada a admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

"Revogo a decisão por mim proferida em 9 de maio de 2016 por meio da qual foram anuladas as sessões do plenário da Câmara dos Deputados ocorridas dias 15, 16 e 17 de abril de 2016, nas quais se deliberou sobre a Denúncia por Crime de Responsabilidade nº 1/2015", diz o texto do ofício assinado por Maranhão. 

A secretaria-geral da Mesa da Câmara recebeu a decisão da revogação logo depois da meia-noite. O deputado havia considerado nula as sessões porque os partidos fecharam questão a favor ou contra o impeachment, e muitos deles adiantaram seus votos.

Em outro ofício, Waldir Maranhão comunicou a decisão ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Nessa segunda-feira (9/5), Renan decidiu ignorar a decisão do presidente em exercício da Câmara e determinou que o relator do processo na Comissão Especial do Impeachment do Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG), fizesse a leitura do parecer, favorável à admissibilidade do processo no plenário da Casa. Com isso, começou a contar o prazo de 48 horas para que os senadores votem a admissibilidade e o afastamento da presidente por 180 dias, o que deve ocorrer nesta quarta-feira (11/5).

Revogação questionada
O ato do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão, de que anular a sessão que aprovou o impeachment foi prontamente questionada nesta segunda-feira, inclusive com ações no Supremo Tribunal Federal.

O presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, disse que o ato de Maranhão é preocupante uma vez que, segundo a OAB, "atende a interesses momentâneos de alguns grupos políticos, mas ignora as decisões legítimas já tomadas”, disse, em nota.

A seccional paulista da OAB também se manifestou contrária à decisão do deputado Waldir Maranhão, afirmando que "constitui um ato de menosprezo ao rito definido pelo STF e ao voto de 367 parlamentares que se declararam favoráveis ao impeachment". 

O advogado Rafael Evandro Fachinello, de Joinville (SC), chegou a protocolar no Supremo Tribunal Federal um mandado de segurança contra a decisão do presidente em exercício da Câmara. O Partido Humanista da Solidariedade (PHS) também foi ao Supremo pedir a cassação do ato. Além disso, pediu o afastamento do deputado Waldir Maranhão (PP-MA) da Presidência da Câmara dos Deputados.

Interna corporis
Nesta segunda-feira, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux negou um mandado de segurança que questionava a sessão da Câmara que aprovou a continuidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Ao analisar a ação impetrada pelo deputado Teixeira (PT-SP), Fux concluiu que os atos classificados como questão interna da Câmara não estão sujeitos ao controle judicial, porque sua apreciação está restrita ao âmbito do Legislativo. 

Para o deputado, o presidente da Câmara afastado, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), interferiu na imparcialidade dos parlamentares como julgadores do pedido de autorização para abertura do processo de impeachment, no dia 17 de abril, ao permitir o encaminhamento das bancadas pelos líderes dos partidos, desrespeitando o Regimento Interno da casa.

Contudo, para Fux, a decisão de Cunha envolveu a interpretação de dispositivos regimental e legal, restringindo-se a matéria ao âmbito de discussão da Câmara. O ministro diz ainda que o impetrante não comprovou a violação a direito subjetivo, nem mesmo fundamento jurídico suficiente para impetração do MS. Com informações da Agência Brasil.

Texto alterado às 8h25 do dia 10/5 para acréscimos.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 10 de maio de 2016, 8h05

Comentários de leitores

12 comentários

Reformas já

Luiz Fernando Vieira Caldas (Contabilista)

Pelo nivel de nosso congresso é facil concluir que precisamos de reformas urgentes. Face as "prechas" propiciadas por essa constituição comunista de 1988, dos 513 Deputados mais de 90% foram eleitos pela legenda, ou seja, indiretamente. Forma tão criticada no regime militar. O resultado é isso que estamos assitindo. Essa vergonha a nivel internacional.

Banana's papers

Oficial da PMESP (Oficial da Polícia Militar)

Depois de que o filho perdeu a boquinha no TCE/MA, o fantoche percebeu a fria em que o JEC o enfiou...

Que figura

Professor Edson (Professor)

Assinou o papel bêbado no avião, quando passou o efeito veio a bomba.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 18/05/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.