Consultor Jurídico

Comentários de leitores

12 comentários

Pensamento de um brasileiro revoltado.

Brasileiro lesado pelos governos (Advogado Autônomo - Tributária)

Mesmo que seja tão só o STJ e STF. Vejamos: Inamovibilidade. Irredutibilidade salarial. Vitaliciedade. Intocabilidade. 60 dias de férias por ano. 1/3 a mais em cada férias. Recesso no final do ano. Recesso no meio do ano. Se cair um feriado na terça, na segunda não trabalha. Se cair um feriado na quinta, na sexta não trabalha. Salários altíssimos pagos pelo povo brasileiro. Será que esta é a herança que o Império Romano nos deixou? E ainda está escrito na Constituição Federal que o poder emana do povo e em seu nome será exercido, rrsssss............Quem ainda acredita nisto?

Férias escolares?

Bruno César Cunha (Advogado Assalariado - Civil)

Já não basta o recesso do final de ano?
Já não basta o aumento nos salários?
Qual é a lógica disso?
Tribunais agora estão se equiparando aos professores? Bem que poderiam equiparar os salários.

Recesso poder judiciário

Fernando Luna (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

O Consultor Jurídico tem a obrigação de corrigir esta notícia, visto que está induzindo a erro milhares de leitores e o recesso é apenas para o STF e STJ.

Notícia falsa pela omissão intencional

rode (Outros)

Seria interessante esclarecer que é só nos tribunais superiores, pois os leigos e os ignorantes não irão entender. Claro que a intenção é fazer o povo achar que é recesso de todo judiciário, para criar intrigas. Típico da imprensa brasileira, a mais desleal do mundo.

Notícia falsa ?

Kallil Saleh El Kadri Neves (Advogado Assalariado - Administrativa)

Não encontrei ainda respaldo para essa Suspensão de Prazos em JULHO, exceto no âmbito INTERNO do CNJ e servidores, e dos Tribunais SUPERIORES apenas (STJ, STF), não abrangendo Justiça Federal, Estaduais, Trabalhista.

Paira a dúvida

Everson Teles de Cairos (Advogado Autônomo - Administrativa)

Paira a dúvida. O recesso é para todo o Poder Judiciário? Ou somente para o STJ e STF?!? Se é para todo o Judiciário, na Portaria dever-se-ia apontar ao menos a norma que serve de base para esse ato.

Não entendi

Fernando Luna (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Não entendi? Recesso em todo Poder Judiciário ou só no STF e STJ?

Uma vergonha!

Coelho (Advogado Autônomo)

A Justiça no Brasil é lenta e inoperante e ainda tem essa vergonha chamada Recesso Judiciário. Ainda querem soluções para diminuir o número de processos. Solução existe: trabalho, trabalho e trabalho. Acabar com recesso judiciário e férias de sessenta dias. Mas, como são os semideuses, tudo pode.

Recesso

Lumassan (Médico)

Aqueles que não estiverem de plantão que o recesso seja convertido em férias de direito.
Porque apesar do recesso ainda são contemplados com férias anuais.
Direitos iguais para todos.

Assim fica difícil trabalhar!

Leopoldo Luz (Advogado Autônomo - Civil)

Já quando opera não anda.
Agora, o re(tro)cesso oficial!

A sociedade não aguenta mais.

jpo (Vendedor)

São 30 dias agora mais 15 dias em dezembro + 60 dias de férias pra juizes, totalizando mais de 100 dias sem produção do judiciario. Essa semana o judiciário recebeu aumento de 40% e o serviço cada vez pior.

Título Equivocado. Âmbito, apenas, do CNJ

João Alves Feitosa Neto (Advogado Autônomo)

CONJUR, rever a o título que tem causado falsa compreensão e possivelmente algum problema para Advogados que, acreditando na matéria, poderá perder algum prazo na segunda dia 04/07/2016.
Em tempo, o recesso é só no âmbito do CNJ (não é de todo o judiciário). Conforme poder delegado ao Secretário Geral do CNJ (Portaira nº 193/2010 do CNJ): Art. 1º, VIII -expedir ato que antecipe ou prorrogue o horário de expediente no CNJ, ou que determine a ausência de expediente nos casos previstos em lei ou situação excepcional. Daí, a Portaria nº 20/2016 do CNJ, fala sobre as férias juízes (Art. 66,1º LC 35/1979) do CNJ e a consequente suspensão de prazos no âmbito daquele órgão.

Comentar

Comentários encerrados em 8/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.