Consultor Jurídico

Notícias

Censura escolar

Proibir professor de abordar temas em sala de aula contraria Constituição

Comentários de leitores

10 comentários

Direito meu

IsabelCS (Estudante de Direito - Comercial)

Eu q devo me preocupar com a ideologia que meu filho seguirá. Quais valores morais. Professor está lá para passar conteúdo científico e só. Dos valores morais, eu tomo conta. Não quero professores esquerdopatas cuspindo mentiras comunistas para meus parentes. Dá trabalho mostrar a eles, depois, q é tudo mentira daquele professor idiota.

Liberdade de Expressão ou Imposição?

Sidarta Cabral (Assessor Técnico)

É só consultar as últimas provas do MEC ...

Não se iludam com notícias...

Pragmatista (Outros)

Não deveria estar, mas estou impressionado com o forte enviesamento contido nesta "notícia". Quem se der ao trabalho de ler o texto publicado hoje neste mesmo Conjur verá que o projeto em questão passo longe, mas MUITO LONGE de qualquer forma de controle ideológico, de totalitarismo.
Pelo benefício da dúvida, devo imaginar que o constitucionalistas convidados a se manifestar sobre a matéria devem ter analisado uma verdadeira caricatura do que o projeto realmente pretende.
Antes de partirem para o ataque, vejam o que diz o outro lado desta discussão:
http://www.conjur.com.br/2016-jun-24/miguel-nagib-liberdade-ensinar-nao-confunde-expressao

Isso aqui é uma reportagem ou um artigo de opinião?!

Samuel Cremasco Pavan de Oliveira (Advogado Autônomo)

Se o Sr. Marcos de Vasconcellos, ou a ConJur, querem emitir suas opiniões sobre o tema, me parece mais ético que escrevam um artigo de opinião ou um editorial. Disfarçar suas opiniões particulares de reportagem não é muito honesto. No topo: "Censura escolar". No título, uma sentença (ou seria um acórdão?): "Proibir professor de abordar temas em sala de aula contraria Constituição". No corpo da "reportagem", apenas afirmativas e opiniões de terceiros críticas ao assunto.
É preciso não subestimar a inteligência alheia.

Quanto ao assunto do texto: liberdade de expressão também não é absoluta! Algum jurista de verdade ignora isso?!
Uma coisa é emitir uma opinião conforme suas convicções pessoais, suas ideologias (legítimo), outra coisa é se valer da sua posição privilegiada para doutrinar jovens naturalmente hipossuficientes intelectualmente, indefesos intelectualmente (indecente, imoral, e, por conseguinte, inconstitucional; e tem de se tornar também ilegal, para não deixar margem dúvidas).
Algum jurista de verdade ignora a distinção entre as duas coisas? Algum jurista de verdade ignora que o objetivo desse projeto é combater a doutrinação, não a simples emissão de opiniões?!
Algum jurista de verdade ignora que existe enorme doutrinação nas escolas e universidades brasileiras nos cursos das chamadas Ciências Humanas?! Ou acreditam que são quase 100% socialistas/comunistas nesses cursos porque o socialismo/comunismo é realmente a única ideologia decente, a despeito de todas as muitas experiências de fracasso e desgraças na história recente e hodierna?!

Por fim, não se olvide que o mesmo artigo constitucional que assegura a liberdade de cátedra também garante a liberdade de aprender e o PLURALISMO de ideias.

A esquerda não é dona do mundo.

A liberdade de expressão é para todos

Simone Andrea (Procurador do Município)

Ess "escola sem partido" e todos esses projetos que amordaçam professores violam a liberdade de manifestação de pensamento assegurada pela Constituição. Desde 2001 tenho insistido que a Constituição não permite restringir tal direito fundamental de nenhuma categoria, nem mesmo de servidores públicos (RPGE-SP n. 54). Os que não aceitam a liberdade de expressão dos professores não aceitam, na verdade, de ninguém. E pior: são PESSIMOS pais, pois não suportam que possam seus filhos pensarem diferente do que pensam e enxergar suas falhas. Não tenho e não devo nenhum respeito a esses autoritários sem luz.

Funny!

Fabio Nola (Administrador)

Então, juristas agora falam sobre o que pode/deve ou não ser dado em sala de aula? POR FAVOR!? O que sabe um jurista sobre conhecimento humano? Vejo cada comentário TOSCO sobre método científico e conhecimento acadêmico neste sítio e por aí que chego a sentir vergonha alheia, mas agora os "normatizadores" estão querendo dizer para a sociedade sobre as escolhas que ela faz quanto ao que deve ou não ser dado em sala.
PAREM com essa mania audaciosa e BURRA de acharem que sabem de tudo só pq estudam leis e mecanismos legais. VOCES NÃO SABEM NADA! Toda vez que um jurista fala sobre economia, sinto vontade de me matar! Toda vez que um jurista fala de artes, parece um bêbado vomitando. Toda vez que um jurista fala sobre escolha pública, parece um esquerdista defecando na cara do Bolsonaro.

CHEGA DE PEDANTISMO! Se quiserem opinião sobre como o conhecimento humano pode ser modelado, PERGUNTEM A QUEM ENTENDE DO ASSUNTO, não a um idiota que passou numa porcaria de concurso para juiz/desembargador e acha que, por isso, tornou-se dono da verdade. NÃO, meu jovem, você não sabe de merda nenhuma. Nenhum jurista sabe daquilo que nunca estudou. PEDANTISMO BARATO NÃO CABE NO SÉCULO XXI (coisa de curandeiro!)!

Texto sem valor

Villela (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Gosto do site Conjur. Leio todos os dias. Entretanto, o site tem pecado, e muito, no que diz respeito à opiniões.
Na matéria, vocês só mencionaram esses camaradas da esquerda mais que ultrapassada. Desse jeito tá difícil.
A verdade é totalmente contrária à matéria. Todos os operadores do direito que eu conversei são a favor do projeto.
Professor só tem uma obrigação: transferir conhecimentos para a formação de bons profissionais. O resto ele aprende no boteco da esquina, jamais com a esquerda que acomete a Academia.

Mentira

O Libertário (Outros)

Os professores só contam um lado da história.
Exemplifico:
1- "a crise de 1929 é a crise do capitalismo e da liberdade econômica". Mas esquecem de citar quem pensa o contrário, como Murray N. Rothbard;
2 - falam apenas de garantismo penal de viés quase abolicionista esquerdista, mas pouco debatem teorias conservadores, como a americana e a britânica;
3 - falam em liberdade de expressão como sendo algo lindo, mas criticam quem a usa e querem regulamentá-la, impondo censura legal sob o argumento de "democratizar", tal qual o Marx Civil da Internet;
4 - falam da crise de 2008 como sendo mais uma das "crises cíclicas do capitalismo", mas esquecem de citar o excesso de intervenção do FED no mercado;
5 - falam bem de países com alto índice de liberdade econômica, como a Suíça, como se eles fossem um potência pelo excesso de intervenção do estado.
Esses são apenas alguns exemplos.

Visão Míope

Flizi (Outros)

É lamentável que o artigo e os especialistas consultados tenham essa visão, que de pluralista não tem nada, a começar pelo próprio espaço, que não consultou juristas favoráveis ao projeto.
Não se trata de proibir o ensino de marxismo, afirmar isso é desonestidade intelectual. Trata-se de ensinar Marx, Focault, Bourdieu, Keynes, mas também ensinar Adam Smith, Mises, Hayek, todos de forma não enviesada, é dizer, "segundo esses doutrinadores/estudiosos, as coisas são assim", e não atual "o mundo é assim", sempre apresentando as principais perspectivas concorrentes, ao invés do monopólio "científico/intelectual" que existe hoje, tornando os futuros estudiosos completos alienados. O professor também não estará proibido de fomentar o pensamento crítico, mas não deve fazê-lo impondo, mesmo que de forma indireta, a sua cosmovisão. O direito dos pais de que seus filhos recebam a educação religiosa e moral que esteja de acordo com suas próprias convicções já é norma positivada em nosso país, prevista no art. 14, IV, do Pacto de San Jose da Costa Rica (na visão do STF, norma supralegal), garantia fundamental para que o Estado não atente contra direitos fundamentais como a liberdade de consciência e de crença (art. 5º, VI, CF).
Onde está o pluralismo quando as grades curriculares e os livros didáticos adotam expressamente uma visão política/ideológica? Como um professor poderá contrabalencear, cientificamente, as informações curriculares com outras, importantes, excluídas da avaliação pelo Ministério da Educação?
Esse projeto do Escola sem Partido é revolucionário para a educação, e proporcionaria um debate acadêmico nunca antes visto neste país, e vacinaria nossos jovens estudantes de visões de mundo reducionistas e extremistas.

comunistas invadiram escolas

daniel (Outros - Administrativa)

E obrigam alunos lerem as bobagens de marx e nada ensinam sobre mises e hayek

Comentar

Comentários encerrados em 1/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.