Consultor Jurídico

Comentários de leitores

5 comentários

Declínio da Imparcialidade por todos os lados

Ademir Coelho da Silva (Defensor Público Estadual)

Ao ler título, pensei que o texto iria retratar do Declínio da Imparcialidade de forma ampla. Infelizmente, limitou -se apenas, na área política.
Pior: os autores teceram comentários apenas de uma eventual falta de imparcialidade contra um partido político.
Enfim, com devida venia, é lamentável que professores de universidades federais (que não tenham procuração para atuar como Advogados de uma das partes) venham até este importante website para apresentar uma "tese" de defesa.
Penso que, se os ilustres autores utilizassem de seus conhecimentos e experiências para explanar, por exemplo, de como o Brasil poderia avançar em matéria de Direito Penal seria bem mais profícuo.
Fica a dica.

Sem mídia era pior....

Menslex (Advogado Assalariado - Administrativa)

Acho melhor o aspecto midiático do que fazer julgados não midiáticos, afinal, se o julgamento do mensalão não tivesse sido feito pela televisão o povo não saberia que o Ministro Lewandowski parecia mais advogado da defesa do que julgador.
Alguém discorda?

Instabilidade

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Enquanto se criticam os funcionários públicos qualificados, como Juízes, com destaque para o demolidor Sérgio Moro, que não hesitou em colocar na cadeia poderosos corruptos, os advogados o criticam, porque se associam aos criminosos. Isso ocorre por causa da Constituição.
Com a Constituição de 1988 foram enaltecidos os direitos em detrimento das obrigações.
Os "rebeldes primitivos", expressão emprestada do historiador marxista Erick Hobsbawm e adaptada ao contexto brasileiro, sufragados por intelectuais que abraçaram o pensamento do italiano "Luigi Ferrajoli, expresso na obra "Direito e Razão", passaram a atuar em "terrae brasilis" em agressão à ordem estabelecida, ofendendo os membros da comunidade.
Aqueles despossuídos de prata, ouro, títulos e educação especial, agredidos pelos rebeldes, passaram a preconizar a aplicação draconiana das normas penais, com sustentação no pensamento do germânico Gunther Jabobs, resumido no livro "Direito Penal do Inimigo". Acrescente-se, ainda, a aplicação das Teorias Econômicas Neoliberais no Brasil, sem qualquer meditação crítica, formando uma massa instável e violenta de perdedores, fato previsto pelo economista norte-americano, Edward Luttwak no livro denominado "Turbocapitalismo".
Diante desse "inferno social" o Estado punitivo se enfraqueceu. A situação atingiu nível tão elevado de instabilidade, que obrigou o STF em sua missão de interpretação da Constituição e de pacificação social, lançar às masmorras, de forma mais expedita, os criminosos. Diante do atrito entre o pensamento do intelectual, preocupado com questões abstratas, e a dura realidade enfrentada pelo povo, principal vítima dos rebeldes, a Democracia soçobra.

Descaso

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O problema, a meu ver, é que existe no meio jurídico nacional muito pouca preocupação com a verdadeira Justiça, inclusive na própria advocacia, o que leva muitos a negligenciar a questão da crescente parcialidade entre os julgadores da terra da bananeira. Imparcialidade jurisdicional, infelizmente, não é algo que se situa entre as principais preocupações do jurista pátrio.

tentando vender um parecer?

afixa (Administrador)

Vejamos. Quando houve o vazamento de Perillo não teve nenhum artigo reclamando. Quando houve encontro da EX com Ricardo na Europa, não teve nenhum artigo sobre isso. Quando Romero foi convidado a se demitir, ninguém bateu panelas.

Comentar

Comentários encerrados em 29/06/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.