Consultor Jurídico

Notícias

Abertura de inquérito

Janot pede para PF investigar vazamento de pedidos de prisão de peemedebistas

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou na segunda-feira (13/6) ofício à diretoria da Polícia Federal pedindo a abertura de inquérito para investigar o vazamento de informações dos pedidos ao Supremo Tribunal Federal para prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do senador Romero Jucá (PMDB-RR), do ex-senador José Sarney (PMDB-AP) e do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por tentativa de obstrução das investigações da operação "lava jato".

A informação sobre o pedido de prisão foi divulgada na semana passada pelo jornal O Globo e confirmada pela ConJur. Nesta terça-feira (15/6), o ministro Teori Zavascki negou os pedidos de prisão de Renan Calheiros, Romero Jucá e do ex-presidente José Sarney. Também negou o pedido de diligência de busca e apreensão em endereços dos três e determinou a divulgação dos depoimentos do acordo de delação premiada do ex-presidente da BR Distribuidora Sérgio Machado.

Rodrigo Janot negou que vazamento de informações sobre pedido de prisão de cúpula do PMDB tenha partido do MPF.

Na sexta-feira (10/6), ao participar do encerramento de um encontro com representantes do Ministério Público Federal, em Brasília, Janot negou que o vazamento de informações sobre os pedidos de prisão tenha partido do MPF.

Na ocasião, sem citar nomes, o procurador rebateu críticas sobre o anúncio do vazamento. “Não posso deixar de mencionar insinuações maledicentes que pululam na imprensa desde o início desta semana. Figuras de expressão nacional, que deveriam guardar imparcialidade e manter decoro, tentam disseminar a ideia estapafúrdia de que o procurador-geral da República teria vazado informações sigilosas para, vejam o absurdo, pressionar o Supremo Tribunal Federal e obrigá-lo a decidir em tal ou qual sentido, como se isso fosse verdadeiramente possível.” Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 15 de junho de 2016, 12h21

Comentários de leitores

1 comentário

Como assim?

preocupante (Delegado de Polícia Estadual)

Por que o procurador não determinou a membros do próprio órgão que realizasse essa investigação? Ou a luta deles pela investigação criminal foi apenas mais um pano de fundo pela invasão de atribuição da polícia judiciária apenas para tentar enfraquecer este órgão sem qualquer pretensão, de fato, de fazer o trabalho duro?

Comentários encerrados em 23/06/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.