Consultor Jurídico

Notícias

Menos subjetividade

Concursos da Justiça Federal terão de se ater à jurisprudência dominante

Por 

Preocupado com o grau de subjetividade das provas de seleção de juízes, o Conselho da Justiça Federal aprovou norma para tentar limitá-lo. Hoje, os editais de concurso não trazem bibliografia, não indicam autores e livros em que os candidatos às vagas devem basear os seus estudos. Por unanimidade, definiu-se que as questões devem se basear na “doutrina e jurisprudência dominantes”. A decisão se deu nesta segunda-feira (6/6), em sessão que aconteceu no Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em Recife.

Para justificar a mudança na Resolução 67/2009 do CJF, o ministro Og Fernandes, corregedor-geral da Justiça Federal, deu um exemplo do que pode acontecer nas provas. “Explique a teoria do difícil equilíbrio do ciclista”, pedia uma das questões. “É uma tese doutrinária que tenta justificar o equilíbrio entre a segurança da decisão e a duração razoável do processo”, explicou o corregedor-geral da Justiça Federal.

O autor da expressão é o criminalista e professor da PUC-RS Aury Lopes Jr. Segundo ele, o difícil equilíbrio do ciclista na discussão sobre a duração razoável do processo penal é: “Não correr demais, para não cair; não ir excessivamente devagar, porque senão, igualmente caímos. Esse é o equilíbrio que se busca, através da recusa aos dois extremos”.

Justiça precisa de bons juízes, não de doutrinadores, diz Og Fernandes.
Gustavo Lima/STJ

Um dos problemas encontrados nos concursos, exemplificou o corregedor-geral da Justiça Federal, é que “fica-se às vezes ao sabor da comissão de concurso que tem simpatia por determinada teoria que acaba de sair na doutrina australiana”. Um bom professor de Direito, afirmou, pode não ser um bom juiz.

Segundo Og Fernandes, a preocupação de que a Justiça tenha bons juízes, e não necessariamente doutrinadores, também foi demonstrada pelo ministro Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça — que deve encaminhar a questão ao CNJ.

A proposta para alterar a resolução levada pelo corregedor-geral ao Plenário do CJF previa que as questões nos concursos deveriam se basear “em doutrina nacional e jurisprudência dominante”. Mas o presidente do TRF da 5ª Região, desembargador Rogério Fialho, propôs uma alteração. Afirmou que existem doutrinas internacionais que “já estão nacionalizadas”, são interessantes e devem ser estudadas no Brasil também. A proposta foi aceita por unanimidade.

Ao artigo 6º, da Resolução 67/2009 do CJF, será acrescentado o parágrafo: “As questões integrantes da fase seletiva devem ter por princípio, a verificação objetiva das habilidades essenciais às funções do cargo com base em doutrina e jurisprudência dominantes, além dos aspectos legais que envolvem as finalidades específicas da avaliação”.

Processo CJF-PPN-2013/00026

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 11 de junho de 2016, 6h55

Comentários de leitores

6 comentários

chega de inventar

ALEXANDRE (Advogado Autônomo)

É impressionante como alguns juízes de 1 instância gostam de inventar pricipios e teorias que são dissociadas da realidade dos autos.
apenas produzem impecilhos que prejudicam a celeridade processual.
quer dar uma de erudito que já escrever um livro...

Já era tempo

Maria Rita Melo (Oficial de Justiça)

Concordo, pois a sociedade quer celeridade e julgamentos justos. Há teses que só interessam aos mestrandos e doutorandos.

Positivismo

O IDEÓLOGO (Outros)

É o acolhimento do positivismo e jurisprudência dominantes. Aceitável, também, a adoção de teorias estrangeiras, porque se depender do caráter brasileiro, nunca atingiremos um patamar mínimo de civilização. Afinal, foi com norte-americano Ronald Dworkin que os juristas brasileiros entenderam que as minorias possuem direitos mínimos

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/06/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.