Consultor Jurídico

Notícias

Valor excessivo

TST reduz de R$ 289 mil para R$ 100 mil indenização por lesão de trabalho

Por considerar a penalidade desproporcional, a 3ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho reduziu de R$ 289 mil para R$ 100 mil o valor da indenização por danos morais a ser paga por um banco a um analista contábil tributário que teve lesões no ombro e braço esquerdos (LER/Dort) em decorrência do trabalho. Com uma deficiência física no braço direito provocada por uma paralisia infantil, ele usava somente o braço esquerdo para exercer suas funções. Sem condições de trabalho adequadas, houve sobrecarga nesse membro, incapacitando-o totalmente para a atividade profissional.

Todos os procedimentos dependiam de uso constante de dois computadores simultaneamente — um para uso interno e outro conectado com o sistema do Banco Central. Na petição que deu início à ação, o analista alegou que fazia jornada de oito horas, quando deveria ser de seis, horas extras e que não tinha intervalo de dez minutos a cada 50 trabalhados, apesar de exercer função de digitação.

Ao julgar o caso, o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) considerou que houve culpa do banco. Para a corte, a sobrecarga exigida exclusivamente sobre o braço esquerdo decorreu "de desequilíbrio da organização do ambiente de trabalho, da rotina dos serviços e, especialmente, da ausência de posto de trabalho adaptado, descurando a empresa de seu dever de reduzir os riscos inerentes ao trabalho, sobretudo diante de empregado com deficiência no membro direito".

A última remuneração do analista foi R$ 1.784, ao ser aposentado por invalidez aos 40 anos em 2001, após prestar serviços para o banco por 14 anos. O TRT-2, então, arbitrou o valor da indenização correspondente a 13 anos de trabalho, totalizando R$ 289 mil, salientando que o analista foi admitido com capacidade de trabalho plena.

A instituição financeira recorreu ao TST contra o valor da indenização, afirmando ser excessivo. O ministro Alberto Bresciani, relator do recurso, explicou que o dano moral, diferentemente do dano patrimonial, está relacionado ao grau de culpa do autor do ato ilícito. Nesse sentido, entendeu que, ainda que o banco, à primeira vista, tenha capacidade econômica elevada, a indenização arbitrada em 13 anos de trabalho é "flagrantemente desproporcional e configura enriquecimento ilícito do ofendido".

Por isso, propôs a fixação do valor em R$ 100 mil, que, a seu ver, é suficiente para coibir a reincidência da prática do ato pelo empregador e observa o princípio da restauração justa e proporcional, "nos exatos limites da existência e da extensão do dano sofrido e do grau de culpa, sem abandono da perspectiva econômica de ambas as partes". A decisão foi por maioria. Ficou vencido o ministro Mauricio Godinho Delgado, que fixava a indenização em R$ 150 mil diante da gravidade do fato. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

RR 56900-23.2005.5.02.0074

Revista Consultor Jurídico, 6 de junho de 2016, 19h40

Comentários de leitores

2 comentários

Vergonha, vergonha, vergonha

Zelmir Foscarini Faraon (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Como disse o ex - ministro do STF Direito: Vivemos tempos estranhos. O TST tem tomado umas decisões absurdas. Os bancos, assim como os frigoríficos e as montadoras de automóveis, estão gerando um enorme contingente de incapacitados para o trabalho, jogando para a sociedade a dívida social de sua perniciosa atuação econômica.
Julgar que uma indenização nos moldes que o TRT impôs é enriquecimento sem causa do trabalhador é um acinte.
Por isso que a justiça, em minúsculo, está desacreditada, R$ 100.000,00 para um banco que lucra bilhões é irrisório e mostra que é muito mais barato destruir a capacidade laborativa do trabalhador do que proporcionar melhoras nos postos de trabalho.
O que fará esse trabalhador incapacitado no auge da capacidade laboral? Como sobreviverá com um salário de aposentado por todos os anos que ainda lhe restam?
O TST até parece órgão de defesa de empregador relapso. É alegar enriquecimento sem causa e reforma a decisão.
Coisa vergonhosa.

No dos outros é refresco

Eududu (Advogado Autônomo)

Os juízes, agora que são atores conhecidos e assumem um grande protagonismo na mídia nacional, deveriam ser cobrados por mancadas como essa e receber uma enxurrada de críticas dos cidadãos e dos meios de comunicação. Chega de reduzir multas e indenizações devidas por bancos e grandes empresas ao pobre coitado que espera que o Judiciário apenas cumpra seu papel, que é fazer Justiça.

Ora, o autor está totalmente incapaz para o trabalho aos quarenta anos de idade!!! A indenização é uma piada. Cem mil reais é o que ganha cada um dos julgadores em (no máximo) 2 meses de árduo trabalho... Como o indenizado irá sobreviver?

Comentários encerrados em 14/06/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.