Consultor Jurídico

Notícias

Conduta questionada

AGU diz que sua crítica a Cardozo não se refere à advocacia

O advogado-geral da União, Fábio Medina Osório, disse que não criticou a conduta do ex-AGU José Eduardo Cardozo como advogado, mas como “agente político cujo cliente era a República Federativa do Brasil". 

Nessa terça-feira (31), Cardozo entrou com uma representação no Conselho de Ética da Presidência da República contra Osório, por ter determinado abertura de sindicância para apurar a sua atuação na defesa da presidente Dilma Rousseff. Osório questiona o fato de Cardozo afirmar que o atual processo de impeachment é um golpe de Estado.

“A União Federal era ou deveria ser a cliente do advogado geral da União e o tema referente aos limites da atuação do anterior AGU frente aos interesses da União Federal é objeto de apuração na corregedoria. Não se trata de pretender punir alguém, mas sim de aperfeiçoar as instituições”, disse Osório.

Para Cardozo, a ação de Osório é uma tentativa de intimidação do livre exercício da atuação de um advogado e da defesa da presidente da República, violando o Estatuto da Advocacia, da Ordem dos Advogados do Brasil. Na representação, o ex-AGU afirma que vai continuar a afirmar, no exercício da advocacia, que o impeachment de Dilma está sendo processado sem base constitucional e que seria um “golpe”.

Cardozo (ex-AGU) e Medina Osório (AGU) se enfrentam em sindicâncias e representações.
Reprodução

 

Revista Consultor Jurídico, 1 de junho de 2016, 18h22

Comentários de leitores

3 comentários

rolando lero rosnando e tentando assustar

hammer eduardo (Consultor)

As colocações do Dr.Citoyen são impecáveis em seu conteúdo . Na realidade não vejo motivo para o novo AGU ficar preocupado com seu antecessor que apesar de muito bem falante com sua conversinha barata de vendedor da Jequiti , mostrou-se um patético mentiroso e enrolador que inclusive extrapolou as funções de AGU para se travestir única e exclusivamente em "divogadio" particular do dilmão , função que AGORA exerce as escancaras . Também pudera pois num passado nem tão longinquamente situado , foi "carinhosamente rotulado" por ela mesmo como sendo um de seus "3 porquinhos". ( Atenção CONJUR que adora o Rolando Lero , não censurem de maneira gratuita pois este apelido não foi INVENTADO por Mim , procurem no google para comprovarem antes de saírem cortando , podem sentar que o ex-leão é manso e esta acabado para a vida publica!).
zeduardo tentou por todas as maneiras se manter fiel aos ditames de seu partido e devo reconhecer , apesar de enojado com sua postura servil e enroladora, que seguiu a cartilha vermelha na risca mentindo sem medo de ser feliz e tentando enrolar os incautos de plantão.
O que se viu nesta quinta feira ( 2 de Junho de 2016) foi a repetição da receita digna de Josef Goebells de mentir a exaustão e torcer as palavras para ver se "o selo finalmente cola". A saída teatral da reunião com os Senadores vermelhoides foi o gran-finale da opera bufa e barata que tão bem conhecemos. Agora dizem que "irão ao supremo" que alias virou a versão moderna do pó de pirlimpimpin que tudo resolve. O Pais esta destruído por esta corja vermelha e ainda sonham em voltar ! Certamente para tentarem esconder a maioria dos absurdos que ainda não vieram a tona , e segue o baile ......

É óbvio que não é à advocacia, mas à atitude do agu !

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Sim, questionar a agu perante o conselho de ética é brincadeira. Há muito tempo eu venho dizendo que a elite do poder TINHA iniciado uma demolição, uma desconstituição da ética. ELA CAIU. E a verdade é que eu tinha e tenho razão. A incompatibilidade entre as advocacias da união e do governo é total. E a prova foi a própria natureza das defesas que o advogado do governo apresentava, perante as casas do legislativo. Inicialmente, o GOLPE ! Depois, negou a existência de contratos de empréstimo, apelidando-os de prestação de serviço, contra todos os conceitos, primeiro, da lei civil, depois, da própria doutrina jurídica. Certamente, dando-se conta do primarismo da defesa, s. Sa. A modificou. Aí, o advogado da união, iniciou a defesa do fulcro central da acusação com a tese da negativa de vigência não só de disposições constitucionais, como da lei de responsabilidade fiscal. Ora, um advogado da união, ainda que no exercício da advocacia do governo, não pode ignorar a constituição e a lei vigente! Se o fizer, como poderia enfrentar um ex-adversus que sustentasse a mesma tese que ele sustentou em defesa do governo? Estaria certamente desmoralizado! Há incompatibilidades, sim. E, se a doutrina sustentava essa possibilidade, como alguns doutrinadores o fizeram, certamente se comportando como doutrinadores, mais uma vez demonstraram que a teorização pura à prática do direito não resiste ! Assim, parafraseando o poeta Cruz e Souza, em "ultimos sonetos", pergunto: essa representação "é para ironizar as próprias dores..?", que surgiram quando parou para refletir sobre a atuação que teve? O único consolo é que seu desempenho foi heróico. Fez jus à sua condição de advogado. Mas jogou por terra a Ética, sim ! E, agora, pretende que a falta ÉTICA é da AGU!

Livre Exercício de Atuação e seus limites....

Pek Cop (Outros)

Livre exercício de atuação de um advogado deve ser sagrado porém limitado, não se faz Justiça sem um Advogado!, o que o Cardozo fez foi estrapolar seus parâmetros à ampla defesa da presidente que para ele continua no exercício da função!!!!

Comentários encerrados em 09/06/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.