Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Perfil incompatível

CNMP afasta promotor do Ceará acusado de ter comportamento esdrúxulo

Por 

O Conselho Nacional do Ministério Público decidiu nesta quarta-feira (27/7) afastar cautelarmente do cargo um promotor do MP do Ceará até a conclusão de procedimento para verificar se ele tem aptidão para continuar na carreira. 

A decisão, unânime, foi tomada em um procedimento de controle administrativo relatado pelo conselheiro Esdras Dantas de Souza. O órgão de correição estadual, durante o acompanhamento do estágio probatório do promotor de Justiça, constatou a incapacidade dele de permanecer na carreira.

Caso o procedimento que será feito pela corregedoria do MP cearense conclua que o promotor não tem condições de ser membro vitalício do órgão, ele poderá ser demitido, conforme prevê a Lei Orgânica do Ministério Público do Ceará.

Em um outro processo que tramita no colegiado, este administrativo disciplinar e ainda não concluído, o promotor é acusado de ter comportamentos incompatíveis com a de membros do órgão, como dirigir um carro usando capacete, pedir que outras pessoas provassem sua comida e bebida com medo de ser envenenado e fazer gesto de coração com as mãos para jurados. Este caso é relatado pelo conselheiro Gustavo do Vale Rocha.

O promotor é também acusado nesse processo disciplinar de retirar as calças na cozinha do Fórum para que uma servidora consertasse a vestimenta, atender população pelo portão da sede da promotoria, pegar refrigerantes que caíram de um caminhão tombado na rodovia e usar colete a prova de balas de forma “desnecessária e ostensiva”. O promotor teria agido dessa maneira quando ainda estava em estágio probatório.

Há também diversas acusações em relação ao trabalho técnico do profissional. Segundo o processo, “atraso e morosidade em processos judiciais e procedimentos extrajudiciais, dificuldade em dar impulso aos procedimentos extrajudiciais, inassiduidade em audiências e atos judiciais e extrajudiciais, desobediência à taxonomia e resoluções que tratam sobre procedimentos extrajudiciais do CNMP e baixa qualidade das peças produzidas”.

1.00450/2015-50

* Texto atualizado às 20h16 do dia 29/7/2016 para correções e acréscimo de informações.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 28 de julho de 2016, 14h41

Comentários de leitores

6 comentários

Pegaram um iniciante

Manuel Santiago (Jornalista)

Se levarmos em conta a natureza da suposta ilicitude, concluiremos que não há casos mais sérios que reclamem apuração do órgão. Isso, sim, que é um exemplo de instituição.

Estranho

O IDEÓLOGO (Outros)

O CNMP deveria apenas analisar situações de ilicitude e não de excentricidade. Neste último, apenas convocar o Promotor e o orientá-lo.

Aposentadoria

JB (Outros)

Aposentadoria já para esse promotor.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/08/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.