Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Hora marcada

OAB pede que ministro mude portaria que limita defesa em presídio federal

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil pediu ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que altere a portaria que está limitando o acesso de advogados em presídios federais para defender seus clientes.

A Portaria 4/2016, do Sistema Penitenciário Federal, exige do advogado um agendamento prévio para visitação de seu cliente e determina os dias e o tempo de atendimento. A legislação também condiciona a entrada dos profissionais nos presídios federais à apresentação de procuração que indique o número do processo de atuação.

O presidente da OAB, Claudio Lamachia, afirma no ofício enviado ao ministro que essas regras provocam o cerceamento do regular exercício profissional e violam o Estatuto da Advocacia. E que a portaria não pode revogar dispositivos de uma lei federal, como é o caso do estatuto, que garante ao advogado o direito de se comunicar com seu cliente, mesmo sem procuração nos autos.

“A restrição aos direitos dos advogados não afeta somente a classe, mas toda a sociedade e o próprio equilíbrio do estado democrático de direito, considerando ser este o responsável pelo desenvolvimento de papel essencial na defesa dos direitos e liberdades fundamentais de seus representados”, diz o ofício, assinado também por Roberto Charles de Menezes Dias, procurador nacional de defesa das prerrogativas da OAB.

Já há relatos de que a regra está sendo aplicada, atrapalhando o trabalho dos advogados e ferindo o direito à ampla defesa. Advogados dos suspeitos de preparar atos terroristas durante os Jogos Olímpicos — presos recentemente na operação hashtag — afirmaram que foram impedidos de ver seus clientes na sexta-feira (22/7), no Presídio Federal de Campo Grande. A base legal para o impedimento, segundo os advogados, foi a portaria do órgão do Ministério da Justiça.

Clique aqui para ler o ofício.

Revista Consultor Jurídico, 27 de julho de 2016, 16h21

Comentários de leitores

6 comentários

ele quer ser governador de são paulo

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

para aparecer as pessoas fazem cada papel !; esse senhor ministro agora está até falando grosso ... acha que será governador de são paulo, quando não tem cacife nem para ser síndico de prédio de dois andares; e mesmo assim é cortejado pelos pelegos dirigentes da OAB; lamentável !

Omissão da oab

tude (Advogado Sócio de Escritório)

A Portaria ora questionada pela OAB, como bem já se posicionaram nossos colegas, deveria ser atacada no dia de sua vigência. É inegável que trata-se não só apenas de uma violação de Lei Federal, mas de Direitos HUMANOS, fere a dignidade humana, portanto, fere direitos e garantias constitucionais, por tais razões, que o caso deve ser tratado por este quilate legal. A Portaria é totalmente inconstitucional, direitos e garantias são a dignidade do humano e não do tipo de crime que o cidadão praticou. Isso é retrocesso, mas não aos tempos da ditadura, pois na época de "ferro" os presos políticos recebiam seus advogados por imposição da OAB daqueles tempos.

Moleza!

Florencio (Advogado Autônomo)

A OAB quer moleza!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/08/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.