Consultor Jurídico

Elemento concreto

Excessiva violência justifica prisão de acusada de sequestro, diz Toffoli

É correta ordem de prisão preventiva baseada na periculosidade concreta da ré, evidenciada pela excessiva violência física e psicológica praticada contra a vítima. Esse foi o entendimento do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, ao rejeitar pedido de Habeas Corpus apresentado por uma modelo e produtora de moda acusada de integrar um grupo criminoso para sequestro, extorsão e tortura de um colega de profissão em São Paulo.

A defesa tentava derrubar decisão da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que manteve a prisão preventiva decretada pela Justiça de São Paulo. De acordo com o pedido de HC, não haveria motivação suficiente para a medida, pois a modelo e produtora Agnes Hakamada é ré primária, com bons antecedentes, residência fixa, família constituída e trabalho lícito.

Toffoli manteve preventiva de modelo acusada de sequestrar colega de profissão.
Nelson Jr./SCO/STF 

Toffoli, porém, concluiu que na decisão questionada “não se verifica flagrante ilegalidade, abuso de poder ou teratologia. Pelo contrário, o julgado em questão mostra-se, à primeira vista, devidamente fundamentado, estando justificado o convencimento formado”.

O relator apontou que, segundo o STJ, “restou demonstrada a periculosidade concreta da recorrente, evidenciada pelo modus operandi na empreitada criminosa, perpetrada por vingança ao achar que teria sido enganada pela vítima e para a obtenção de vantagem econômica, mediante concurso de pessoas, uso de arma de fogo, com excessiva violência física e psicológica”.

Assim, ele entendeu que a decisão apresenta elementos concretos para a prisão antecipada. Toffoli apontou ainda que o STJ seguiu jurisprudência do Supremo no sentido da manutenção da prisão para a garantia da ordem pública, “quando da maneira de execução do delito sobressair a extrema periculosidade da conduta debitada ao agente”. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

HC 135.417




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 20 de julho de 2016, 19h11

Comentários de leitores

2 comentários

Contradição interna

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O Supremo Tribunal Federal na época atual deve ser o tribunal com maior número de decisões contraditórias entre si em toda a história da humanidade. Poder-se-ia revogar todas as leis e a própria Constituição que ninguém iria perceber a diferença.

Cúmulo

Professor Edson (Professor)

Seria o cúmulo conceder HC quando há periculosidade concreta, pelo menos isso né ministro, por mais que alguns advogados não concordem com a preventiva (nem se fosse um serial killer )juiz não é advogado, que fique claro.

Comentários encerrados em 28/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.