Consultor Jurídico

Informativo de Jurisprudência

Plano de saúde com obstetrícia precisa atender recém-nascido, afirma STJ

Nos contratos em que o plano de saúde incluir atendimento obstétrico, a operadora tem o dever de prestar assistência ao recém-nascido durante os primeiros 30 dias após o parto. Esse entendimento da 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça é o destaque da edição 584 do Informativo de Jurisprudência.

A obrigação ocorre independentemente de a operadora ter autorizado a efetivação da cobertura, custeado o parto ou realizado a inscrição do neonato como dependente nos 30 dias seguintes ao nascimento.

A publicação também destacou julgamento da 5ª Turma sobre reconversão, retorno da pena originalmente imposta na condenação. Em decisão unânime, os ministros da turma estabeleceram que não é possível, em razão de pedido feito por condenado que nem sequer iniciou o cumprimento da sentença, a modificação da pena de prestação de serviços à comunidade e de prestação pecuniária (restritivas de direitos) por privativa de liberdade a ser cumprida em regime aberto. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

REsp 1.269.757

REsp 1.524.484




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 10 de julho de 2016, 17h46

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 18/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.