Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Inserção no mercado

Para combater trabalho infantil, governo auxilia contratação de aprendizes

A falta de políticas públicas de inserção de deficientes foi, recentemente, apontada pela Justiça do Trabalho para anular a condenação imposta a uma empresa que não cumpriu cotas. O mesmo raciocínio tem sido usado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, que tem oferecido cursos para auxiliar empresários que não estão cumprindo a Lei de Aprendizagem, em vez de puni-los.

123RF

Uma iniciativa recente em São Paulo deverá resultar na contratação de 1,5 mil jovens aprendizes por mais de 340 empresários, que participaram de um curso oferecido pela Gerência Regional do Trabalho da Zona Sul da capital paulista. Depois de uma palestra, os empregadores foram atendidos individualmente, para adequarem suas companhias à norma.

A lei permite a contratação de jovens na condição de aprendizes entre 14 e 24 anos (exceto para aprendizes com deficiência, que não têm limite de idade), desde que permaneçam na escola e façam algum curso técnico-profissionalizante.

A ideia é que a aprendizagem sirva como forma de enfrentar a precariedade do trabalho infantil, permitindo que os jovens tenham garantias trabalhistas, segurança e remuneração justa. Isso vai ao encontro do que pensa o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Ives Gandra Martins Filho, segundo quem o combate ao trabalho infantil passa, necessariamente, pelo estímulo à aprendizagem.

O ministro tem inclusive anunciado uma missa no dia 9 de outubro, em Aparecida do Norte (SP), para a campanha de evitar o trabalho infantil e estimular aprendizagem. O cantor Andrea Bocelli encerrará a cerimônia religiosa, celebrada pelo cardeal Dom Raymundo Damasceno, na qual será lida uma mensagem do Papa Francisco para a campanha.

Revista Consultor Jurídico, 9 de julho de 2016, 9h50

Comentários de leitores

2 comentários

Não conhece a realidade

Nelson Cooper (Engenheiro)

O artigo foi escrito por alguém que não conhece a realidade. As empresas não contratam aprendizes por que eles NÃO aparecem. Elastecer a idade para 24 anos não ajudou em nada. Isto por que o maior de 18 anos opta em entrar no mercado de trabalho diretamente sem passar pela fase de aprendizagem. Ou então entra no processo de aprendizagem até conseguir um emprego, abandonando no meio do curso. Se uma pessoa de bom senso se der ao trabalho de ler a lista de funções que a lei diz que requer processo de aprendizagem, vai ficar chocada. Por exemplo, atendente de call center. Não existe conteúdo de ensino para treinar uma pessoa por 6 meses para o atendimento telefônico! Uma empresa treina um atendente em duas semanas no máximo. É óbvio que um jovem vai optar em trabalhar direto como efetivo do que fazer um curso de 6 meses de pura enrolação(eu vi a grade curricular e é pura enrolação).

Não conhece a realidade

Nelson Cooper (Engenheiro)

O artigo foi escrito por alguém que não conhece a realidade. As empresas não contratam aprendizes por que eles NÃO aparecem. Elastecer a idade para 24 anos não ajudou em nada. Isto por que o maior de 18 anos opta em entrar no mercado de trabalho diretamente sem passar pela fase de aprendizagem. Ou então entra no processo de aprendizagem até conseguir um emprego, abandonando no meio do curso. Se uma pessoa de bom senso se der ao trabalho de ler a lista de funções que a lei diz que requer processo de aprendizagem, vai ficar chocada. Por exemplo, atendente de call center. Não existe conteúdo de ensino para treinar uma pessoa por 6 meses para o atendimento telefônico! Uma empresa treina um atendente em duas semanas no máximo. É óbvio que um jovem vai optar em trabalhar direto como efetivo do que fazer um curso de 6 meses de pura enrolação(eu vi a grade curricular e é pura enrolação).

Comentários encerrados em 17/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.