Consultor Jurídico

Comentários de leitores

11 comentários

E gargalham as hienas chicaneiras.

hammer eduardo (Consultor)

O Dr. J.Ribeiro encerrou o assunto com lucidez destacando-se da malta seletiva que prefere a boa e velha chicana que garante polpudos honorários aos catadores de pelo em ovo. O " elemento" tristemente lembrado como sendo " sócio fundador" da infame gangue dos guardanapos de Paris e certamente no conforto do lar , dificilmente este canario " vai cantar". No Rio de Janeiro ja existe uma certeza de que quando cavendish cantar, o patetico ex- governador sergio Cabral vai estar enroladissimo para explicar o que se suspeita a muito tempo. E uma pena que " divogadios" ditos medalhões ainda batam palmas para o chicanismo. Isso e Brasil.

A dúvida é: Quando ele será preso novamente?

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

Todos sabem que esse Carlinhos Cachoeira é "figurinha carimbada", a justiça já conhece muito bem essa figura porque não é a primeira nem será a ultima vez que ele se mete em esquemas pra lá de duvidosos.

E agora com essa determinação do STJ fica a pergunta, quanto tempo levará para ele ser preso novamente e, posteriormente, solto mais uma vez pelo judiciário?

Parabéns ao Min. Néfi Cordeiro

DTebet (Advogado Autônomo - Criminal)

Será que no "Fantástico" desse domingo vai ter algum recurso à essa decisão??

Realmente

Professor Edson (Professor)

Proporcionalmente existem mais corruptos dentro do judiciário do que na classe política, isso responde tudo.

Novidade alguma

Professor Edson (Professor)

Judiciário conivente com o crime é isso mesmo, parabéns.

Seria permitido a hipocrisia à advocacia?

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

Com todo máximo respeito... mas há algumas manifestações de advogados que têm formação em área fora do direito penal, que não atuam na área, mas que são tão veementes, que me fazem perguntar se não é caso para se repensar os limites da hipocrisia.
Há alguns anos, numa das minhas raríssimas passagens pela Justiça Laboral, não tenho estômago para o esquema de peixaria do direito, estava assistindo, cético, uma audiência. O advogado do obreiro descascando a empresa, dizendo que o "obreiro obrou" tantas horas extras, que a empresa não tinha provas, não tinha registros de ponto... A magistrada trabalhista perguntou ao obreiro sobre provas, ele sacou de uma pasta um maço de folhas de ponto da empresa, e na cara dura afirmou que ele retirou as tais folhas de ponto do departamento pessoal da empresa sem autorização, foi lá e tirou e levou para casa... Configurou o dolo específico... Era para se chamar na hora o MPT e dar voz de prisão em flagrante... mas não... na Justiça Laboral as coisas não funcionam assim... São os mesmos advogados que por vezes querem cinquenta anos de prisão em regime fechado para quem rouba um celular.
Na minha modesta opinião o problema do direito penal é que ainda serve como instrumento de contenção política, inclusive, mais que social. Através de peripécias no direito penal é possível, com estardalhaço da imprensa, conseguir se justificar a execração e linchamento de "inimigos". Aos amigos tudo, aos inimigos a lei. Quando é empresário, é obstrução da justiça, quando é peão e "testemunhas de viveiro", é defender o trabalhador da opressão capitalista... A propósito, está aí a conta sendo cobrada... estão pedindo a jornada de trabalho de 80 horas semanais...

A decisão lava a alma do Des. Athiê

toron (Advogado Sócio de Escritório)

Parabéns em primeiro lugar para o grande advogado Cleber Lopes, impetrante do HC. Depois ao min. Néfi Cordeiro pela coragem em fazer justiça depois de tanto barulho. Assim dá até vontade de advogar, rsrs.
Toron

Cumprindo apenas a lei...

Silvanio D.de Abreu (Advogado Assalariado - Comercial)

A decisão do desembargador foi embasada em nosso direito, então, que mudemos a lei. Entretanto, é necessário que antes mudemos nossos políticos, pois o que temos hoje é um bando de corruptos criando suas próprias leis. As benesses perpetuam ao longo dos tempos. Lembremos da máxima de Frei Gavião - "O povo é soberano, quando age com inteligência". A persistir esta grande maioria de eleitores mal informados, que não postulam nada, que votam segundo o que dizem terceiros, não poderemos almejar e acreditar em dias melhores.

Tabuleiro de Cassino

J. Ribeiro (Advogado Autônomo - Empresarial)

Estão abusando da capacidade e paciência da sociedade.
Essa insegurança jurídica, ou melhor essa balbúrdia judicial, solta-prende, prende-solta, apenas reforça o descrédito do Poder Judiciario perante a sociedade civil.
Percebe-se um jogo de interesses e medidas de forças e o STJ, tudo indica, entrou nesse jogo sem ficha.

A questão é a tal presunção de inocência. Segundo os seus adeptos, somente após o trânsito em julgado poderá ser preso o criminoso.
O STF já decidiu que uma vez confirmada a sentença condenatória pelo tribunal, o enjaulamento é a consequência natural, ou seja, o cumprimento da pena.
Todos sabem que no mundo ocidental, poucos são os paises que adotam o trânsito em julgado como pressuposto para o enjaulamento ou cumprimento da pena.

E crucificaram o Desembargador Ivan Athié...

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

Não é a primeira vez que crucificam o Desembargador Federal Ivan Athié... Houve outros casos, envolvendo outros desembargadores federais, quando a absolvição ou arquivamento dos processos vieram, já havia quem morreu com o nome em desgraça antes de ser limpo.
O que farão agora? Irão esculachar o STJ?

fazendo serem

Patricia Ribeiro Imóveis (Corretor de Imóveis)

assim constou da decisão:

“Concedida a medida liminar de Carlos Augusto de Almeida Ramos. Tratando-se de situação objetivamente igual aos corréus, a eles fazendo também por esta liminar serem beneficiados”

E o mais esquisito da decisão não é o texto "fazendo serem"...

Comentar

Comentários encerrados em 16/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.