Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Corrupção passiva

Suprema Corte dos EUA decide que receber presentes não é suborno

Por 

A Suprema Corte dos EUA criou uma confusão jurídica no país – e foi muito criticada – ao decidir por unanimidade, na segunda-feira (4/7), que o fato de autoridades públicas receberem presentes de empresários e, em contrapartida, fazerem favores não pode ser interpretado como suborno, se a ajuda não se der através de um “ato oficial”. Ou seja, não há corrupção nisso.

Na decisão, os atuais oito ministros da corte anularam a condenação por corrupção passiva do ex-governador de Virgínia, Bob McDonnell. O ex-governador foi condenado por um tribunal do júri em setembro de 2014 e sentenciado a dois anos de prisão em janeiro de 2015. A condenação e a sentença foram mantidas por um tribunal de recursos federal. E agora anuladas pela Suprema Corte.

A decisão diz que as instruções dadas ao júri pelo juiz de primeiro grau foram muito vagas. O juiz deveria ter esclarecido os jurados, como pedia a defesa, que o ato de ofício do ex-governador, de pedir que uma universidade pública e órgãos públicos ajudassem a empresa Star Scientific, de seu amigo Jonnie Williams, a promover seu suplemento dietético, chamado Anatabloc — depois de ele e sua mulher receberem presentes luxuosos e dinheiro vivo do empresário — não configura “ato oficial”.

A legislação federal anticorrupção proíbe autoridades públicas de fazer – ou prometer – atos oficiais em troca de alguma coisa de valor. A definição de “ato oficial” é, por si só, complexa: “qualquer decisão ou ação sobre qualquer questão, matéria, causa, processo, procedimento ou controvérsia, que possa, a qualquer tempo, estar pendente ou que possa, por lei, ser trazida perante uma autoridade pública, em tal capacidade de autoridade oficial ou em tal lugar oficial de confiança ou lucro”.

O que quer que isso signifique, a suposta corrupção passiva da qual o ex-governador foi acusado, por supostamente aceitar suborno e exercer um tráfico de influências não se enquadra nessa definição, segundo os ministros da Suprema Corte. Por isso, o processo retorna ao tribunal de primeiro grau para novo julgamento, com a instrução de que o juiz deve instruir corretamente os jurados.

“Autoridades públicas conscientes arranjam encontros para seus constituintes, contatam outras autoridades em seu benefício e os incluem em eventos o tempo todo. Se tais atos constituírem corrupção, as autoridades eleitas podem relutar em realizá-los em favor de contribuintes de campanha e os contribuintes podem relutar em contribuir”, diz a decisão.

Crítica ácida
A decisão só agradou ao ex-governador e a seu círculo. Parte da comunidade jurídica – alguns advogados, professores de Direito e principalmente promotores – ficaram decepcionados.

Os jornais The New York Daily News, The New York Times, The Cavalier Daily e o Oregonian colheram declarações, entre as quais uma crítica ácida à decisão da corte: os ministros da Suprema Corte ganham muitos presentes de empresas e outras organizações durante todo o ano, que eles são obrigados a listar em suas declarações financeiras anuais.

Eles ganham passagens aéreas de primeira classe, domésticas e internacionais, hospedagem em hotéis de luxo, jantares em restaurantes sofisticados, objetos para colecionadores caros, filiações em clubes de golfe, “prêmios” em dinheiro e outros presentes. Assim, condenar autoridades públicas por receber presentes seria uma espécie de "autocondenação", dizem os críticos.

O fato de a decisão ser unânime aumentou a suspeita dos críticos, porque em outra decisão, ainda recente, a corte ficou dividida (5 a 4 nos votos), quando determinou que “empresas são pessoas” e, portanto, podem fazer doações em campanhas eleitorais no valor que quiserem.

Outra crítica é a de que a decisão poderá ser interpretada de uma forma mais ampla, tornando muito difícil o trabalho de promotores/procuradores, quando devem acusar políticos de corrupção. De fato, é um desestímulo considerável, dizem os jornais.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 7 de julho de 2016, 11h52

Comentários de leitores

7 comentários

Jaboticaba americana

amigo de Voltaire (Advogado Autônomo - Civil)

Nossa, é o Brasil fazendo escola, era tudo que o ex presidento precisava para sair ileso. Teria porém que admitir ter recebido as benesses , é um sacrifício eleitoral, mas na terra da verdadeira jaboticaba talvez isso até termine bem para ele.

caramba pensei que só nossos TRIBUNAIS SUPERIORES RECEBIAM

Jackso Oliveira (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Caros não se enganem. É notório que o STF, TST, STJ etc. os Ministros, os Desembargadores recebe benesses como para dar uma palestra de 30 minutos para uma grande empresa, viajam com a família, ficam resort de alto luxo, recebem vinhos de R$ 6 mil e outros, e recebem cerca do salario do mês para cada palestra. Porém, sabemos que nos E.U.A não existe uma gama de assessores para fazer os acórdãos. Não Brasil é só lobby. Lá (E.U.A) o dano moral funciona. compre um produto lá com defeito para vê o que acontece. Aqui, como o Ministério Público Federal fala: "a corrupção é sistêmica na Politica". Com a devida venia, não é só na politica, e no judiciário PRINCIPALMENTE. Vejam quantos Ministros e Desembargadores se aposentam e vão fazer lobbys para grandes empresas nacionais e internacionais. (folha de São Paulo sobre palestras dos Ministros do TST e Imposto de Renda????resultado 00000?????

Excrescência /Lula/Construtoras

FERREIRANETOCONSULT (Estagiário - Eleitoral)

Esta decisão da Suprema Corte favorece a defesa de Lula em relação aos PRESENTES que ele recebeu e o dinheiro do contribuinte dado através do BNDES as empresas OAS e ODEBRECHT .

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.