Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Artigo na Folha

Juízes e advogados reagem a reprimenda pública de procuradores a Toffoli

A iniciativa inédita de procuradores passarem reprimenda pública em ministro do Supremo Tribunal Federal sacudiu as conversas informais entre juízes e advogados neste final de semana. A bronca foi publicada neste domingo (3/7) no jornal Folha de S. Paulo, na forma de artigo, assinado por Carlos Fernando dos Santos Lima e Diogo Castor de Mattos, que atuam na “lava jato”.

Os dois procuradores criticaram a decisão do ministro Dias Toffoli que determinou a soltura do ex-ministro Paulo Bernardo. Ele, que é marido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), havia sido preso preventivamente por determinação do juiz Paulo Bueno de Azevedo.

O juiz baseou o decreto de prisão preventiva na acusação do recebimento de cerca de R$ 7 milhões em propina. Embora o dinheiro não tenha sido encontrado, segundo o juiz, "o risco de realização de novos esquemas de lavagem desses valores não localizados é expressivo”. 

No Supremo, o ministro Dias Toffoli, ao analisar Reclamação apresentada pela defesa (algo que foi negado), entendeu que a prisão preventiva foi ilegal e concedeu o Habeas Corpus de ofício. "O fato, isoladamente considerado, de não haver sido localizado o produto do crime não constitui fundamento idôneo para a decretação da prisão preventiva", escreveu o ministro.

Os procuradores não gostaram da decisão de Toffoli. Eles escreveram que o ministro aplicou “salto duplo twist carpado” (em referência à ginástica olímpica) nas duas instâncias inferiores, os juízes naturais competentes, e em outros Habeas Corpus das chamadas pessoas "comuns".

“Uma verdadeira ginástica jurídica, digna da medalha de ouro que nossa Daiane dos Santos não conseguiu obter. Em outras palavras, criou-se o foro privilegiado para marido de senadora”, ironizaram.

"Esperneio e ousadia"
Nas conversas entre os juízes e advogados, segundo a ConJur apurou, foi criticada o que classificam de “militância política” do Ministério Público Federal — o artigo dos dois procuradores foi considerado "ousado" por um ministro; há quem considere o artigo "esperneio puro".

Um outro ministro afirmou que "esse tipo de piada e deboche" não pode ser tolerado, muito menos vindo de autoridades estatais, que devem ter o direito de criticar, mas com respeito institucional.

Outros profissionais ainda avaliaram que a “mecânica de mobilizar e constranger” não pode ser a diretriz dos agentes públicos. Na avaliação deles, “a jurisprudência de que deve observar as instâncias anteriores é defensiva, mas afasta a flagrante ilegalidade” — como ocorreu no caso, segundo o entendimento do ministro do Supremo.

A decisão do juiz federal da 6ª Vara Criminal Especializada em Crimes Contra o Sistema Financeiro Nacional e em Lavagem de Valores em São Paulo também foi duramente criticada. Porém, o entendimento aplicado por Toffoli foi visto como uma forma de evitar que se repetisse o tipo de conduta que notabilizou o juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Outra análise aponta que a pressão popular é componente novo no penalismo atual e que o “mundo jurídico desconhecia ou resistia a aceitar sua influência”. Porém, na persistência de dúvida, “preferível aplicar e cumprir o que for decidido na secular garantia constitucional do Habeas Corpus, que serve à segurança jurídica das liberdades individuais”.

Também pesam críticas sobre a fundamentação para a prisão do advogado Guilherme Gonçalves, acusado de repassar a Bernardo dinheiro de contratos fraudulentos: "Guilherme, em dado momento, parece ter admitido que, às vezes, o Fundo Consist pagava algumas despesas para "PB", que seria Paulo Bernardo. Na sua alegação, isto não seria algo ilícito, porém prática comum de seu escritório, que seria especializado em questões eleitorais", escreveu o juiz no despacho.

Originais
A comparação da decisão de Toffoli com esse movimento da ginástica olímpica não é ideia original. É do ministro Ayres Britto, ex-presidente do Supremo. Em setembro de 2010, quando o tribunal discutia se a Lei da Ficha Limpa poderia ser aplicada às eleições daquele ano, Britto e o ministro Ricardo Lewandowski se desentenderam com o então presidente da corte, o ministro Cezar Peluso.

Peluso acreditava que a tramitação do texto era "um arremedo de lei".  O projeto, de origem popular, depois que saiu da Câmara, sofreu uma emenda de redação do então senador Francisco Dornelles (PP-RJ). Ele mudou a redação uma alínea para tratar dos políticos "que tenham sido" condenados para os que "forem" condenados.

O então presidente entendia que essa emenda não fora apenas redacional, e por isso o texto deveria ter voltado à Câmara antes de ser aprovado, o que tornava a lei inconstitucional. Só que o recurso discutia apenas a validade da lei no tempo, e não vícios de origem.

“Está me parecendo um salto triplo carpado hermenêutico”, ironizou Britto. E Peluso rebateu: “Isso me parece muito interessante do ponto de vista publicitário, mas não do jurídico”.

*Texto editado às 21h do dia 3/7/2016 para acréscimo de informação

Revista Consultor Jurídico, 3 de julho de 2016, 17h29

Comentários de leitores

22 comentários

Juízes e advogados reagem?

Serpico Viscardi (Professor)

Quantos reagem? Meia dúzia. Que piada!

A exposição dos procuradores reflete o inconformismo de toda a sociedade. Se a crítica não é ofensiva, é sempre bem-vinda.

Esperneio é tentar impedir o exercício do direito de opinião.

Que a conduta dos procuradores seja cada vez mais comum! É isso que a sociedade espera!

Libelo contra o juiz Fernando Cabeda

rodolpho (Advogado Autônomo)

Cabeda, ao invés de aborrecer os leitores com esse seu ridículo exibicionismo literário-filosófico, citando Machado de Assis, Sócrates e Aristófanes, prepare-se para ser processado por ter violado a LOMAN, que diz:

Art.36 É vedado ao magistrado:
III – manifestar, por qualquer meio de comunicação, opinião sobre processo pendente de julgamento, seu ou de outrem, ou juízo depreciativo sobre despachos, votos ou sentenças, de órgãos judiciais, ..

Por esta violação, o inevitável tombo está destinando a você, Cabeda, e não ao Ministro Tófolli.

Brasil, país da hipocrisia!

Samuel Nascimento. (Outros - Tributária)

É muito engraçado quando o STF faz alguma coisa que desagrada os moralistas jurídicos de plantão neste país!

É engraçado, pois a reclamação é geral e ainda querem desqualificar e desrespeitar os Ministros do STF.

No entanto, não se pode apresentar salários de juízes em jornal, como meio transparente para que o povo que paga tudo isso possa tomar conhecimento.

Não se pode dar publicidade nos processos quando existe um membro do Judiciário ou do MP. Mas podem fazer a maior desmoralização com as pessoas a partir de divulgação de conversas telefônicas e etc.

Não se pode prender membros do Judiciário e MP que praticaram crimes e o processo e no total sigilo e respeito às leis. Mas em relação ao povo, a conduta é diferente, pois pode ser fotografado, filmado, desmoralizado, pode ter escutas telefônicas divulgadas para toda a população ficar rindo e brincando com a vida alheia.

Quantos policiais federais, delegados, juízes e membros do MP são presos e desmoralizados diante das câmeras, da TV, e de redes sociais?

Outro dia prenderam uma pessoa que furtou um celular, e os policias militares e civis coloram o sujeito em pé, com aparelho no ouvido, a fim de ser filmado e apresentado ao povo! Isso não é ridículo e imoral?

Veja que nem mesmo o japonês da federal pode ficar preso, pois seria uma desmoralização para a tropa. Mas quanto ao povo tudo pode!

O corporativismo entre os policias ainda é grande, mas querem ser os moralistas com um pobre que ainda não pagou o IPVA. O sigilo no processo de membros do Judiciário, do MP e de delegados é muito eficaz, pois nem mesmo o povo fica sabendo dos crimes praticados por estas pessoas.

Por que o devido processo legal é respeitado para uns e desrespeitado para outros?

É muita hipocrisia!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 11/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.