Consultor Jurídico

Campanha aberta

Candidato Pedro Juliotti diz que é preciso reavaliar rumos do MP de São Paulo

O procurador de Justiça Pedro Juliotti é um dos três candidatos que já demonstraram interesse em chefiar o Ministério Público de São Paulo no biênio 2016-2018. O atual procurador-geral, Márcio Elias Rosa, deve deixar o posto em abril, depois de dois mandatos consecutivos.

Há 28 anos no MP, Pedro Juliotti promete aumentar transparência da instituição e melhorar estrutura de trabalho.
Reprodução

“Acredito que os atuais rumos da instituição precisam ser reavaliados e aprumados, inclusive para racionalizar procedimentos internos e economizar recursos”, afirmou Juliotti, por e-mail, apontando ter propostas para os seguintes temas: estrutura de trabalho, eficiência, desburocratização, independência, transparência e democratização.

“O Ministério Público de São Paulo é o maior do Brasil, responsável por uma população com mais de 40 milhões de pessoas. Nosso programa de gestão é extremamente criterioso, detalhado e consequente, propondo soluções responsáveis desde pequenas incongruências até os maiores entraves existentes hoje”, disse ele.

O procurador tem feito visitas a promotorias e procuradorias e afirma sentir o apoio de vários colegas e segmentos da sociedade civil. “Não se trata de empreitada individual, mas verdadeira convergência coletiva de ideais democráticos em prol de um Ministério Público dotado de suficiente estrutura e autonomia para produzir resultados expressivos e socialmente relevantes no combate à corrupção, na repressão da criminalidade, na defesa do meio ambiente e na realização de outras importantes funções conferidas pela Constituição Federal.”

Perfil
Juliotti é bacharel em Direito pela PUC-SP, mestre e doutorando pela Faculdade de Direito da USP e professor da Academia de Polícia Militar do Barro Branco. Está há 28 anos no Ministério Público e, anteriormente, foi oficial da PM durante dez anos. Integrou o Conselho Superior do Ministério Público, no biênio 2014-2015, e foi eleito para o Órgão Especial (biênio 2016-2017).

Atuou no Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) e no Centro de Apoio Operacional à Execução (CAEx), ambos do MP. É autor dos livros Lei de Execução Penal Anotada e Direito Intertemporal Processual Penal.

Os procuradores Eloisa Arruda e Gianpaolo Smanio também são candidatos à Procuradoria-Geral de Justiça. Eles devem passar por consulta dos membros da instituição. O poder de escolha é do governador de São Paulo, com base em lista tríplice. Na última disputa, só dois procuradores disputaram o cargo: o atual chefe do MP, Márcio Elias Rosa, e o ex-procurador-geral Luiz Antônio Guimarães Marrey.

Clique aqui para ler carta de Pedro Juliotti aos leitores da ConJur.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 29 de janeiro de 2016, 16h50

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 06/02/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.