Consultor Jurídico

Manifesto de uma centena

Carta de advogados acusa "lava jato" de desrespeitar garantias fundamentais

Retornar ao texto

Comentários de leitores

27 comentários

Vergonha e desespero

Eliseu Belo (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Esses juristas e advogados tinham que se envergonhar de assinar uma carta como essa que pretende desmerecer o trabalho sério e bem conduzido pela PF, MPF e magistratura. Quando os pequenos e medíocres não conseguem vencer os grandes na arena apropriada - jurídica - passam a adotar esse tipo de postura! Lamentável e ridículo! Há pouco, o ex-ministro Gilson Dipp afirmou que sua assinatura foi forjada nessa carta... Acho que nada mais precisa ser dito para se concluir que ela não vale nada! Viva a Justiça brasileira! Chega de corrupção e impunidade!

Comentário sobre a Carta dos Advogados.

Roque Z Roberto Vieira (Advogado Autônomo - Civil)

Comentários sobre a Carta dos Advogados.
Nos meus primeiros dias de aula de direito, aprendi com um velho professor quando citou o brocardo latino, quod non est in actis non est in mundo (“o que não está nos autos não está no mundo”), de Pierro Calamandrei, que teve a intenção de apontar o valor e os limites da prova dentro do certame. No caso da operação Lava Jato, o julgador cautelosamente vem limitando suas decisões fundamentadas na documentação que encontra-se dentro do mundo do processo, cabendo aos advogados de defesa, usar da mesma força para combater e defender seus clientes com a juntando de novas provas, confirmando-se o que disse Calamandrei. Assim, a publicação da Carta dos Advogados, sem querer entrar no mérito de seu conteúdo, foi um ato que já acarretou repercussão negativa, o que presta unicamente para colocar em risco o pleno exercício da advocacia, que não deve carregar sua defesa para fora do mundo do processo, pois as consequências sempre desastrosas, podendo atingir não só ao advogado , bem como ao próprio processado.(Roque Z Advogado).

Efeitos da carta dos advogados.

Roque Z Roberto Vieira (Advogado Autônomo - Civil)

Comentários sobre a Carta dos Advogados.
Nos meus primeiros dias de aula de direito, aprendi com um velho professor quando citou o brocardo latino, quod non est in actis non est in mundo (“o que não está nos autos não está no mundo”), de Pierro Calamandrei, que teve a intenção de apontar o valor e os limites da prova dentro do certame. No caso da operação Lava Jato, o julgador cautelosamente vem limitando suas decisões fundamentadas na documentação que encontra-se dentro do mundo do processo, cabendo aos advogados de defesa, usar da mesma força para combater e defender seus clientes com a juntando de novas provas, confirmando-se o que disse Calamandrei. Assim, a publicação da Carta dos Advogados, sem querer entrar no mérito de seu conteúdo, foi um ato que já acarretou repercussão negativa, o que presta unicamente para colocar em risco o pleno exercício da advocacia, que não deve carregar sua defesa para fora do mundo do processo, pois as consequências sempre desastrosas, podendo atingir não só ao advogado , bem como ao próprio processado.(Roque Z Advogado).

Repugnante

squeiroz (Assessor Técnico)

Digno seria se tivessem todo este espírito de união na crítica ao crime ambiental que soterrou uma cidade inteira, matou um rio, assassinou pessoas e animais. "Porém, mas porém,...!!!"

Como é bom servir ao poder

squeiroz (Assessor Técnico)

Gostaria de ver se juntarem, todas estas mentes privilegiadas pelo conhecimento, visando combater a negligência da Vale do Rio Doce no catastrófico crime ambiental de sua represa da região de Mariana (MG). É fácil, e muito rentável, defender poderosos, enquanto o Brasil inteiro está pagando caríssimo para ficar mergulhado em um imenso mar de esgoto.

Advogar é mais que uma Arte

Wander Barbosa & Carini Advogados (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

É fato que o advogado não deve se eximir de lançar mão de todos os instrumentos disponíveis em favor do seu constituinte!
Quando advogamos para réus confessos, a tarefa me parece um pouco menos tortuosa, afinal, a sentença foi escrita pelo próprio, cabendo ao advogado tão somente zelar pela "indesejável" formalidade e, eventualmente, anular a equivocada manifestação proferida quando da confissão.
No entanto, advogar para réus acostumadíssimos com o poder judiciário e com o poder outrora exercido, torna a tarefa extremamente desgastante, exigindo, como vemos, lançar um apelo público e desesperador para ver cada tese admitida, em detrimento da própria capacidade postulatória.
Talvez a questão não se resuma a um único juiz, mas eventualmente à passividade de grande número de advogados criminalistas que se limitam a defender aos ataques do MP e tornam seu armamento, mero instrumento de colecionador!

Advocacia Epistolar

Mestre Braga (Escrivão)

Isso para mim é Advocacia Epistolar, é mais uma chincana desses advogados que estão ganhando milhões defendendo os réus desse processo que mudará o paradigma no combate à corrupção deste país. Estão querendo provocar impedimentos e suspeições no processo para poder anulá-lo lá na frente, mas não vão conseguir. Discordo desses meus colegas, não é assim que se faz advocacia. Isso é típico de quem usa gravata de tricô!

Nefelibatismo.

Immanuel Kant (Advogado Sócio de Escritório)

Vivemos em uma época extremamente nefasta para a vida dos direitos deste país. O caldo de cultura processual penal de países civilizados certamente passa longe de nossas fronteiras. Neoinquisição é eufemismo para os fenômenos da área, eu diria que estaria mais para uma protoinquisição digna da época dos australopitecus.

Dia triste para a advocacia de caráter.

Luciano L. Almeida (Procurador do Município)

Admiro de longe, doutrinariamente, muitos que subscrevem esse "manifesto"....mas, concordando com alguns comentários, mormente o que questiona a "seletividade" que denunciam e o que diz que o lugar pra se falar é nos autos, essse "manifesto" é triste. Criticam a exposição midiática e dela se utilizam. Não discordo que as garantias constitucionais dos réus devem ser respeitadas; são as regras do jogo. Mas também não acredito nesse nível de desrespeito que essa turma de peso sustena existir. Me parece faltar caráter a alguns, ao assumir em alma a inocência do seu cliente! Paciência! O papel do advogado não é esse. Está faltando é vergonha na cara e caráter pra muita gente.

Chicana, protelação e impunidade

LeandroRoth (Oficial de Justiça)

Li todo o manifesto e todos os argumentos jurídicos e políticos complexos aduzidos, mas tudo que consegui entender foi:
.
"Queremos de volta o sucesso da chicana processual!"
.
"Queremos de volta o êxito das manobras protelatórias!"
.
"Volta impunidade!"
.
Entendam de uma vez que chicana e impunidade não são direitos adquiridos. Os corruptos estão sendo processados e punidos, como tem que ser em qualquer país civilizado, e se isso torna a vida dos advogados de defesa mais difícil, paciência, é o preço que se paga por se viver em um Estado de Direito!

Penso que

Neli (Procurador do Município)

Penso que se as prisões forem feitas apenas com base na "fala de alguém", despida de um quadro probatório maior, aí ,de fato, têm razão.Todavia, pelo que acompanho de longe, não vislumbrei nenhuma mácula nesse caso. Diferentemente do Mensalão em que um dos ministros, da Augusta Corte, fundamentou " a literatura o permitia"(ou coisa que o valha! )Oras,o que não está no processo(doutrina por exemplo), não pode servir de supedâneo para a condenação de alguém.A fundamentação, numa sentença, é de capital importância, e se o julgador diz que a literatura permite condenar alguém, aí sim, constitui uma mácula .No caso lava jato, até o presente, olhando de longe, não vislumbrei nada que pudesse pairar ,em minha mente, uma sombra de dúvida.

Eficiência - ii

O IDEÓLOGO (Cartorário)

informação). Aplicam-se em finanças e contabilidade. As consequências para a advocacia são várias. Plantar nulidades para colher prescrição –o juiz não seria competente, a defesa foi cerceada, o delegado extrapolou poder investigatório etc.– é estratégia agora arriscada. Tribunais superiores não suportam mais serem "engavetadores" de casos que chegam quase prescritos. Diminuem-se diante do olhar da opinião pública..."

Eficiência

O IDEÓLOGO (Cartorário)

O professor Joaquim Falcão, professor titular de Direito da FGV, com mestrado pela Universidade de Harvard, ao contrário dos articulistas realça a figura dos juízes na condução dos processos criminais. E na Folha de São Paulo de 31 de julho de 2015, com o título "Lava Jato muda a Justiça e Advocacia, disse: "A Justiça penal não será a mesma depois do mensalão e da Operação Lava Jato. Tanto a prática de juízes, delegados, procuradores e advogados como nas doutrinas e tribunais. Tudo começa a mudar. Que mudanças são essas?
Mudança geracional. Juízes, procuradores, delegados são mais jovens. Fizeram concurso mais cedo. Vivem na liberdade de imprensa, na decadência dos partidos e na indignante apropriação privada dos bens públicos. E não têm passado a proteger ou a temer.
Dão mais prioridade aos fatos que às doutrinas. Mais pragmatismo e menos bacharelismo. Mais a evidência dos autos –documentos, e-mails, planilhas, testemunhos, registros– do que a lições de manuais estrangeiros ou relacionamento de advogados com tribunais.
Erram aqui e acolá. Às vezes, extrapolam, mas passaram por duro aprendizado institucional com Banestado, Castelo de Areia, Furacão e outras operações. Atentos, buscam evitar nulidades processuais. O juiz, e não mais os advogados, conduz o processo.
Usam de múltiplas estratégias. Jurídica, política e comunicativa. Valorizam a força das imagens, que entram, via internet, televisão, lares e ruas, nos autos e tribunais.
São informados e cosmopolitas. Organizam cooperação internacional com Suíça, Holanda e Estados Unidos. É difícil para a tradicional advocacia individual enfrentar essa complexa articulação entre instituições. Usam com desenvoltura a tecnologia. Extraem-se inteligência de "big
data" (análises de grandes volumes de...

Retórica [neo] jurídica

Rivadávia Rosa (Advogado Autônomo)

A historicamente a Polícia sempre é apedrejada, mesmo quando age dentro da lei e no estrito cumprimento do dever legal. Basta ir ‘além das sandálias’ [do velho Apeles.]
Agora ressurge uma impiedosa retórica [neo] jurídica que é de espantar justamente quando a Justiça retoma sua singela função de julgar com retidão e celeridade.
Afinal nesses tempos não custa lembrar:
“A compaixão para com o criminos é crime para com o inocente”. William Shakespeare.

Opinião contrária

Roberto Fernandes Rocha Barra Dias Moreira (Advogado Associado a Escritório - Criminal)

Será que os meus colegas que nanifestaram estão vendo o repúdio constantes dos comentários nesta coluna? Viram....vcs estão sozinhos..falando aos ventos...e os corruptos continuarão presos...e serão condenados....lamento o insucesso de vcs....a sociedade não se comovera...quer ver todos na cadeia e para sempre....

Uma vergonha

Roberto Fernandes Rocha Barra Dias Moreira (Advogado Associado a Escritório - Criminal)

Discordo dos meus colegas que nanifestaram...concordo com as manifestações dos magistrados e promotores federais....uma vergonha..querer que pessoss que assaltaram e roubaram o nosso país terem regalias....na verdade esses colegas estão defendendo seus honorários....poupudos...mas a PF....o MPF...o Dr. Moro....estão firmes....bandidos se trata como bandidos....a carta é por causa do insucesso diante de uma verdade...corrupção institucionslizada e com provas robustas e incontestes....quando a fruta está muito alta a raposa fala que ela está podre....conformem...o Brasil está sendo passado a limpo....é real....

Nos autos !!!

Le Roy Soleil (Outros)

Operador do direito sério manifesta-se nos autos, pois é ali (e não na mídia) que dá-se o embate entre argumentos e teses acusatórios e defensivos, o contraditório em sua plenitude. Esse tipo de "carta" ou manifestação é simplesmente risível e sequer deve ser levada a sério.

Bom sinal

syd (Consultor)

Se os advogados dos poderosos estão recorrendo a tal expediente, boas notícias!!! É sinal que as artimanhas e outros expedientes proessuais não estão funcionando. Inclusive falhou a tentativa aguardar o recesso para interpor HC no STF e driblar o Juiz Natural. Que o Judiciário continue firme e forte !!!!

Hipócritas, não passarão!

Winfried (Outros)

Os signatários da infundada missiva são uns verdadeiros hipócritas. Vários deles, em seus escritos doutrinários, sustentam que, no Brasil, a criminalização e sua efetivação pelos órgãos de persecução penal é seletiva, dirigida à população marginalizada, o que não acontece em relação aos autores de crimes do colarinho branco. No entanto, agora, estes mesmos hipócritas expelem críticas severas ao Moro por conta justamente de seu brilhante trabalho à frente da lava-jato. Quando o andar de cima de fato é atingido - rigorosamente dentro da lei, conforme reconhecido pelo STF e STJ em várias oportunidades -, novas teorias são forjadas para criticar os responsáveis pela benfazeja mudança! Pintar o Brasil, o país da impunidade, em todas as classes, como um exemplo de Estado onde impera totalitarismo penal, é o cúmulo da vigarice. Não terão sucesso, não passarão!

Normal...

N.S.M (Assessor Técnico)

Quando a defesa dos acusados disser que seus dure estão sendo respeitados é porque já não há mais advogados criminalistas.

Comentar

Comentários encerrados em 23/01/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.