Consultor Jurídico

Risco extinto

STF converte prisão preventiva de ex-advogado de Cerveró em medidas cautelares

Se as razões que motivaram a prisão preventiva deixarem de estar presentes, o juiz deve substituir a detenção por medidas cautelares alternativas. Com esse entendimento, o ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki acolheu parcialmente manifestação do Ministério Público Federal e substituiu o encarceramento do advogado Edson de Siqueira Ribeiro Filho por obrigações de prestar esclarecimentos periódicos à Justiça.

O advogado foi preso em novembro junto com o senador Delcídio do Amaral (PT-MS), o chefe de gabinete dele, Diogo Rodrigues, e o banqueiro André Esteves. Eles foram acusados de tentar obstruir as investigações da operação “lava jato” e impedir que o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró (ex-cliente de Ribeiro) revelasse novos crimes por meio de acordo de delação premiada.

De acordo com o ministro, na decisão que determinou a prisão preventiva, ficou comprovada a existência de indícios mínimos de autoria e materialidade contra o acusado. Entendeu-se, na ocasião, que havia riscos à instrução criminal e à ordem pública. Mas, de acordo com o próprio MPF, a restrição da liberdade não é mais a única medida adequada para tutelar a ordem pública e o interesse da investigação criminal. Os procuradores entendem que o risco que autorizou a decretação da prisão preventiva foi reduzido, também, pela suspensão do direito de o profissional exercer a advocacia.

Uma vez demonstrado nos autos que a prisão preventiva não é mais indispensável nesta fase processual, sendo obrigatória sua substituição, por força do artigo 282, parágrafo 6º, do Código de Processo Penal, Teori acolheu parcialmente medidas cautelares sugeridas pelo MPF e determinou que o acusado compareça quinzenalmente em juízo, com proibição de mudar de endereço sem autorização; compareça a todos os atos do processo, sempre que intimado; não mantenha contato com os demais investigados, por qualquer meio e não deixe o país, entregando em até 48 horas seu passaporte.

Por fim, o ministro salientou que o descumprimento injustificado de qualquer das medidas levará ao restabelecimento da ordem de prisão preventiva, conforme determina o mesmo artigo 282 (parágrafo 4º) do Código de Processo Penal. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de fevereiro de 2016, 12h26

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/03/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.