Consultor Jurídico

Prejuízo imediato

Liminar suspende inscrição do RN em cadastro de inadimplentes da União

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, determinou, por meio de liminar, que a União retire o estado do Rio Grande do Norte do cadastro de inadimplência federal devido a convênio firmado com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A decisão monocrática foi proferida no exame de medida cautelar na Ação Cível Originária 2.803.

Segundo o ministro, o litígio entre a União e o estado pode ofender o princípio fundamental que rege o pacto federativo. “É evidente que eventual inscrição no Cadin e no Cauc implicaria prejuízo imediato ao estado, inclusive com possível suspensão de linhas de crédito e transferência de recursos do ente federal”, afirmou.

A decisão ressalta ainda que a jurisprudência do STF tem reconhecido, com base no devido processo legal, a necessidade de instauração de prévio processo de tomada de contas especial como requisito para a inclusão em cadastro de inadimplência. E, no caso, não há notícias de tal procedimento, com apuração de danos ao erário federal e das respectivas responsabilidades.

O convênio com o Incra, firmado em 2007 para diagnóstico das potencialidades hídricas de projetos de assentamento no estado, não teve a prestação de contas aprovada pela superintendência regional da autarquia federal. E, de acordo com a Procuradoria estadual, a inscrição do RN como inadimplente estaria impedindo o repasse de cerca de R$ 27 milhões destinados a políticas públicas de abastecimento de água. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ACO 2.803




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 16 de fevereiro de 2016, 11h13

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 24/02/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.