Consultor Jurídico

Recurso repetitivo

STJ decidirá se alteração unilateral em contrato de telefonia fixa gera dano

A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça vai decidir, em julgamento sob o rito dos recursos repetitivos, se existe dano moral no caso da cobrança de valores referentes à alteração de planos de franquia ou de serviços nos contratos de telefonia fixa, quando as mudanças não foram pedidas ou autorizadas pelo consumidor. Definida a existência do dano, o colegiado também analisará se deve ser aplicado o reconhecimento presumido (in re ipsa) ou se é necessária a comprovação do prejuízo no processo.

A afetação tinha sido inicialmente determinada pelo ministro Luis Felipe Salomão para exame do recurso pela 2ª Seção. Porém, no julgamento do Conflito de Competência 138.405, a Corte Especial reconheceu a competência da 1ª Seção para a análise de matérias relativas ao tema e, dessa forma, o Recurso Especial que discute o tema foi redistribuído para o colegiado de Direito Público. O processo tem agora como relatora a ministra Assusete Magalhães.

O último andamento processual do caso foi a confirmação da afetação do recurso para ser julgado sob o rito dos repetitivos. Ao afetar um processo, ou seja, encaminhá-lo para julgamento sob o rito dos recursos repetitivos, os ministros facilitam a solução de demandas que se repetem nos tribunais brasileiros. Por causa da afetação, foram suspensos, em todo o território nacional, processos com temas análogos. Atualmente, de acordo com o sistema de recursos repetitivos do STJ, pelo menos 21 mil ações aguardam a definição da tese pelo tribunal.

Para a relatora, a grande quantidade de feitos sobrestados, além do fato de a questão atingir milhões de consumidores, em todo o país, demonstra a importância da submissão do recurso ao rito dos recursos repetitivos, “instrumento de pacificação social” para racionalizar e minimizar as contendas entre os consumidores e as empresas de telefonia. Segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações, em setembro de 2016, o Brasil registrou 42,3 milhões de linhas ativas de telefonia fixa.

No mesmo julgamento, outras teses importantes serão definidas, como o prazo de prescrição em caso de pretensão de cobrança dos valores supostamente pagos a mais ou daqueles indevidamente cobrados (se de dez anos, conforme artigo 205 do Código Civil, ou de três anos, consoante artigo 206 da mesma legislação).

O colegiado também deve decidir se a repetição de indébito (direito à devolução de quantia paga indevidamente) deve ocorrer de forma simples ou em dobro. Caso seja em dobro, definirá se é necessária a comprovação da má-fé do credor ou da sua culpa.

Sobre o mesmo tema, a seção julgará a abrangência dos valores discutidos na repetição — se limitados aos pagamentos comprovados pelo autor na fase de instrução do processo (quando ocorre, por exemplo, a coleta de provas) ou se incluída a quantia a ser apurada na fase de liquidação da sentença. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ

REsp 1.525.174




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 29 de dezembro de 2016, 12h00

Comentários de leitores

2 comentários

Iludido Advogado autônomo

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

Bom, para estes casos clássicos repetitivos de antanho, a resposta é esta que você já sabe:

DEPENDENDO DAS PARTE, é claro - " mero aborrecimento" PT saudações.

Esta se tornando repetitivo demais e inutil.

PEREIRA (Advogado Autônomo)

Todas as matérias enfocadas são questões que devem ser decididas caso a caso. O uso do recurso repetitivo esta se tornando útil aos fornecedores de serviço, e prejudicial ao consumidor. Parece que sempre que o consumidor consegue vencer seguidas matérias, o Tribunal afeta para restringir os direitos do consumidor e diminuir o número de processo.

Comentários encerrados em 06/01/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.