Consultor Jurídico

Fraudes em licitações

STJ mantém julgamento que condenou ex-prefeito de Mangaratiba (RJ)

O julgamento que condenou o ex-prefeito de Mangaratiba (RJ) Evandro Bertino Jorge (PSD) a 52 anos de prisão por supostas fraudes milionárias em licitações foi mantido pela 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. O político, que está preso desde abril de 2015, apresentou dois Habeas Corpus para anular a sessão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que o condenou.

O ex-prefeito, segundo denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro, era o principal articulador de um esquema que promovia procedimentos licitatórios fraudados ou frustrados em favor de algumas empresas. Nos HCs, a defesa de Jorge afirmou que o julgamento conduzido pelo TJ-RJ foi marcado por ilegalidades e que não passou de um jogo de cena para legitimar uma decisão já tomada antes da audiência.

Uma das ilegalidades seria a ausência de participação de um procurador de Justiça em ação penal originária do tribunal, que foi acompanhada apenas por promotor. Um dos HCs também citava a violação ao direito de defesa do ex-prefeito.

Segundo o advogado de Jorge, Rodrigo Martins, do escritório Bergher & Mattos Advogados Associados, o TJ-RJ a fixação, pelo TJ-RJ, de prazo máximo de 15 minutos para sustentação oral de cada um dos defensores dos 44 réus da ação penal contraria o artigo 12, inciso I, da Lei 8.038/1990.

Ex-prefeito disse em sua defesa que seu julgamento foi cercado de ilegalidades.
Reprodução

O dispositivo determina que, durante o julgamento, “a acusação e a defesa terão, sucessivamente, nessa ordem, prazo de uma hora para sustentação oral, assegurado ao assistente um quarto do tempo da acusação”.

Para o relator, ministro Rogerio Schietti Cruz, não há ofensa ao princípio do promotor natural. Ele entendeu que a designação de promotor para acompanhar a instrução processual, ato de competência do procurador-geral de Justiça, foi validamente realizada com base na Lei Complementar 106/03 e no artigo 29, inciso IX, da Lei Orgânica Nacional do Ministério Público.

Os normativos, continuou o ministro, “estabelecem, sem fazer nenhuma distinção entre procurador e promotor de Justiça, a possibilidade de o procurador-geral de Justiça delegar ‘a membro do Ministério Público’ suas funções de órgão de execução”.

Sobre o prazo para sustentações orais, Schietti Cruz ressaltou que, apesar de o artigo 12 da Lei 8.038/1990 fixar prazo sucessivo de uma hora para acusação e defesa em ações penais originárias, não há na legislação previsão para o caso de vários corréus defendidos por advogados diferentes, solução que cabe aos regimentos internos dos tribunais.

Destacou que o regimento do TJ-RJ, em seu artigo 181, prevê que os defensores devem combinar entre si a distribuição do tempo para sustentação. No caso concreto, o acordo foi firmado antes do início do julgamento da ação penal, mas a defesa do ex-prefeito se atrasou para o começo da sessão.

“A complexidade do processo instaurado contra o paciente – inerente a todas as ações penais originárias – não confere a ele o privilégio de escolher tempo maior do que o conferido aos corréus para sustentação oral. Cumpre assinalar que o colegiado cumpriu o rito procedimental e deu a devida ênfase à ampla defesa. Elasteceu o prazo previsto na legislação e o dividiu igualitariamente entre os procuradores dos acusados, justamente em razão da complexidade do feito”, concluiu o relator ao negar os pedidos dos HCs.

A defesa do ex-prefeito afirmou em nota que recorrerá da decisão por meio de Embargos. Disse ainda que "confia que a Justiça apreciará com maior atenção os argumentos que comprovam que o julgamento do ex-prefeito de Mangaratiba foi irregular”. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

HC 340.586
HC 364.512




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 26 de dezembro de 2016, 11h54

Comentários de leitores

2 comentários

É isso aí professor

Ricardo (Outros)

1- plantar nulidades;
2- atacar acusadores e julgadores;
3- influenciar a opinião pública por meio de veículos de comunicação patrocinados.
São as estratégias mais comuns nessa situação!

Brasil

Professor Edson (Professor)

Quando o conjunto probatório não permite absolvição, só resta buscar nulidades, mesmo que não exista qualquer fundamento para isso, mas, basta aparecer um juiz corrupto ou garantista para anular tudo, é sempre no fio da navalha , justiça e impunidade se separam por uma linha tênue.

Comentários encerrados em 03/01/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.