Consultor Jurídico

Notícias

Ajuste fiscal

Reforma da Previdência exige 49 anos de contribuição para obter teto

Comentários de leitores

7 comentários

O tiro sairá pela culatra.

Paulo Roberto Cabral (Contabilista)

O remédio é muito forte e o paciente vai desistir do tratamento.
O fato é que o governo não esta pensando em administrar corretamente os contribuições e impostos e igualar o direito. A intenção é clara de que ele quer manter os privilégios tirando direitos dos empregados da iniciativa privada. As pessoas morrerão antes da aposentadoria e as mais jovens procurarão a previdência privada. Se o governo não têm caixa ele poderia propor o aumento compulsório da alíquota de 11% para 12%. Uma pessoa que contribui durante 30 anos ou 360 meses, e acumula R$ 100.000,00 em depósitos, se aplicado em poupança poderia acumular R$ 1.200.000,00 ao final poderia viver tranquilamente. Isso dá uma idéia de como o governo administra mal as contribuições.

AQMaciel

Kodama (Funcionário público)

Caro,

pelo que entendi, quem não terá 50 anos na data da promulgação dessa emenda, independentemente de ter sido admitido antes ou depois de 2004, só poderá aposentar-se com 65 anos e terá a aposentadoria calculada pela regra geral isto é a média de todos salários de contribuição corrigidos pela inflação e aplicando o percentual de 51 mais o tempo de contribuição, limitado a 100.
Já o limite do valor da aposentadoria ao máximo pago pelo Regime Geral da Previdência Social só se aplica àqueles que ingressaram no serviço público após a instituição do fundo de previdência complementar (Funpresp, no nível federal).

Previdência exige 49 anos de contribuição para obter teto

Renato Adv. (Advogado Autônomo - Civil)

Previdência exige 49 anos de contribuição para obter teto.
= = = = = = = = = = = = = = = Mais uma vez, o Infeliz do cidadão que trabalha duro, no pesado e chamado para pagar a conta em vista dos desmandos do Parasitas e Sanguessugas Políticos que levaram o Brasil a falência.
Existe uma ferramenta fácil de resolver isso:
1º - Demitir todos aqueles que estão pendurados no governos através de cargos apadrinhados,
2º - Demitir por justa causa, aquele funcionário público mal educado e que não produz o que é de sua obrigação,
3º - Teto máximo de salário em qualquer serviço com cargos públicos (Dolarizar para parâmetro) no valor de R$ 10.000,00 por mês. (Seja qual for o cargo, o funcionário público que não se sentir satisfeito, peça sua conta e vá montar seu negócio ou vá para iniciativa privada),
4º - O mais importante, Paredão de Fuzilamento e Forca para funcionário público desonesto (seja qual cargo ou posição for).
Com absoluta certeza o trabalhador que banca esse tipo de parasita, não seria chamado mais uma vez a ter que pagar a conta dos desmandos de nossos políticos e altos funcionários públicos.

A maior mentira da nossa história, A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Rogério Maestri (Engenheiro)

Na ânsia de prejudicar o povo Aécio Neves negociou determinados apoios sobre algo que está longe da capacidade de manipulação da grande imprensa, e num arrojado ato deu o que se chama “um passo maior do que as pernas”, a reforma da aposentadoria, por conta de uma falsa previdência deficitária.
Vamos detalhar melhor, cai com uma bomba que transcende em muito PECs e outras malandragens a Reforma da Previdência, qual a diferença desta reforma para a famigerada PEC e outros ardis, a facilidade que o homem normal pode ver que as elites capitalistas estão tentando em transformá-lo em ESCRAVO.
O governo tem a petulância de propor uma reforma em que para se aposentar com valor integral (limitado a R$5.189,82) terá que ter uma idade mínima de 65 anos e um tempo de contribuição de 49 anos! A idade mínima subirá junto com expectativa de vida do brasileiro, ou seja, uma verdadeira corrida contra a morte.
O que fica claro, e será entendido por qualquer trabalhador mesmo com baixo índice de alfabetização, é que a nova regra para a aposentadoria será uma regra para não aposentadoria. Tomando a expectativa de vida de pessoas que moram no nordeste, praticamente algo em torno de 30% a 40% (teria que fazer o cálculo exato) dos brasileiros vão MORRER antes de se aposentar, e os 70% ou 60% restantes viverão de 5 a 10 anos aposentados. Ou seja, o trabalhador contribuirá por 50 anos para em média (os que ficarão vivos e os que morrerem) receberem por aproximadamente 5 anos a aposentadoria.
O que estão propondo é simplesmente uma bolsa ASILO, pois a maioria dos que se aposentarem em poucos anos estarão em casas de repouso ou alguns em estado vegetativo sobre um leito.

em tempo...

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Michel Temer se aposentou com 55 anos e, por óbvio, recebe muito mais que o teto máximo do INSS (http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/certas-palavras/temer-se-aposentou-com-55-anos-e-ganha-mais-de-r-30-mil/).
Sem se considerar que há muitos anos vive às custas do povo brasileiro e assim vai continuar vivendo para o resto da vida.

Ajuste fiscal?

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

As previsões do INSS para pagamento de benefícios no ano de 2016 é de R$ 500 bilhões e arrecadação líquida de R$ 356 bilhões.
O INSS paga R$ 500 bilhões e tão somente através de Impostos, de forma simples e direta, R$ 200 bilhões retornam para o Governo através de Impostos (média de 40%).
Somando-se arrecadação líquida do INSS (R$ 356 bilhões) com o retorno em Impostos (R$ 200 bilhões) temos um total de R$ 556 bilhões.
Não se trata de AJUSTE FISCAL. SE TRATA DE AJUSTE MORAL!
É a interminável máxima de ficar repetindo a mentira para se tornar verdade.

Situação de quem não se submete às regras de transição

AQMaciel (Serventuário)

Li as perguntas e respostas do link e não vi tratamento direto da situação de quem não é alcançado pelas regras de transição.

Exemplo: servidor que ingressou antes de 2004 e que não conte com idade suficiente para ser alcançado pela regra de transição, mesmo estando resguardado, no texto da PEC, pela integralidade, deverá contribuir por 49 anos para ter direito aos 100%?

Em caso afirmativo, como essa regra se compatibiliza com a nova redação que se dará ao art. 40, § 3º, da CF/88, que trata exatamente da contagem de 1% para cada ano de contribuição para que servidores atinjam 100% da média?

Em caso negativo, a PEC cria distinção entre servidores não alcançados pelas regras de transição e penaliza aqueles que não receberão proventos de aposentadoria integrais, visto que entraram a partir de 2004, exigindo dos mesmos que contribuam por 49 anos para auferir direito a 100% da média enquanto que, de outra parte, a parcela não alcançada pelas normas de transição que ingressaram até dezembro de 2003 poderá se aposentar com a integralidade resguardada e com tempo de contribuição consoante à regra atual, anterior à mudança?

Fico grato se puder obter esclarecimentos.

Comentar

Comentários encerrados em 14/12/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.