Consultor Jurídico

Comentários de leitores

5 comentários

Basta padronizar pelo melhor sistema, que é o do STJ

Candido Lobo (Advogado Assalariado)

Prezados todos, boa tarde.
Voltamos ao velho debate, retornamos ao mesmo ponto de partida. Não evoluímos. Continuamos a retroceder. Parece que advogados e jurisdicionados não importam para o Estado-Juiz que, ao que tudo indica, faz questão de complicar ainda mais o acesso ao Poder Judiciário, ao peticionamento eletrônico, ao exame do processo eletrônico. A solução do problema é de uma simplicidade franciscana. Todos conhecem e aprovam o sistema utilizado pelo STJ, que se mostra o melhor e o de mais fácil acesso e manuseio do País. Se querem continuar a complicar o envio de petições, se querem continuar a dificultar exame de autos, peticionamento eletrônico, exame de peças e identificação precisa das folhas onde se encontram, continuem sim a inventar a roda. O Estado-Juiz agradece: afinal, pra que ler petição, ver prova documental, conhecer manifestação do MP, esclarecimento do perito e assistentes técnicos, não é verdade? Abraço em todos e desculpem o desabafo irônico. Candido Ferreira da Cunha Lobo (Candido Lobo, advogado autônomo(.

Sistemas processuais

Cirval Correia de Almeida (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Já está na hora do CNJ montar uma equipe para verificar qual é o sistema mais acessível e que tenha mais facilidade para o usuário entre os existentes no Judiciário e unificar os sistemas. É incrível como o SISDOC, talvez precursor do PJe, é mais acessível ao usuário do que o próprio PJe. Para mim o SAJ, do Tribunal de Justiça de São Paulo é muito mais acessível ao usuário do que o PJe e notem que surgiu depois deste.

Basta substituir o pje pelo sistema do trf4

Cristiano Conte (Advogado Associado a Escritório)

O PJe é o pior sistema disponível nos Tribunais do Brasil, parece programa feito na época do Windows 98, funcionalidade zero e facilidade de uso -5.
O sistema ePROC do TRF4 é impecável e infinitamente superior. Após cadastrar-se no portal o advogado recebe nome de usuário e senha de acesso.
Ao fazer log in primeira vez usando nome de usuário senha o advogado pode inserir o certificado digital e escolher para que seja vinculado ao seu usuário e senha.
A partir daí nunca mais precisará inserir o certificado digital para peticionar eletronicamente ou praticar qualquer ato, basta acessar o portal fazer login com usuário e senha a partir de qualquer computador sem depender de drivers de leitora, versão de java ou permissões de segurança nos navegadores.
Além disso, o sistema ePROC transita automaticamente entre primeira e segunda instância sem precisar abrir nenhuma janela ou aba porque ao lado de todas as informações relativas aos autos de outra instância o sistema disponibiliza link para acesso direto aos autos no sistema da respectiva instância.
Outra vantagem é que o ePROC libera automaticamente o acesso aos autos para qualquer advogado mediante simples protocolo da petição denominada "Pedido de vista sem procuração", o acesso é liberado no ato do protocolo independente de ter havido despacho deferindo a vista caso não haja segredo de justiça ou sigilo.

Estamos condenados ao atraso

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Por outro lado, veja a estratégia dos desenvolvedores do PJe. A versão inicial do sistema era todo baseado na utilização do famigerado plugin java, cujo banimento já foi declarado há muito tempo. Os caras fizeram um sistema do zero baseado em uma tecnologia defasada, coisa típica de brasileiro. Como o plugin do java está chegando ao fim e os navegadores estão finalizando o processo de exclusão total do plugin, o pessoal do PJe criou uma solução miraculosa para continuar a entregar lixo aos usuários. Criaram com toda pompa o "navegador PJe", que nada mais é do que uma versão customizada do navegador Firefox, sem dar nenhum crédito à Fundação Mozilla, como de praxe no Brasil (país dos sanguessugas). Através desse mecanismo, eles vão induzir o pessoal a ficar usando essa versão customizada do Firefox por anos, permitindo assim a utilização do plugin java quando esse já estiver definitivamente banido do mundo do software. Enquanto o mundo civilizado trabalha em busca de soluções, modernização, segurança e agilidade, nós aqui no Brasil fazemos de tudo para continuar no atraso, nesse caso fazendo perpetuar uma tecnologia defasada, insegura e desatualizada. Não tem jeito mesmo. Estamos eternamente condenados ao atraso.

Melhorias

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A nova versão do PJe melhorou bastante, embora pelo que sei somente o CNJ esteja usando. Mas ainda há muito o que melhorar. A boa notícia é que agora estão empenhados em fazer algo que presta, lembrando que a primeira versão do PJe era (e talvez ainda seja) um dos maiores fracassos que o mundo do software já viu.

Comentar

Comentários encerrados em 31/08/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.