Consultor Jurídico

Liberdade aniquilada

Fux reconhece censura, mas nega recurso de condenado por texto fictício

Retornar ao texto

Comentários de leitores

8 comentários

É o fim

Hamilton Magalhães (Advogado Associado a Escritório - Trabalhista)

Definitivamente não existe liberdade de expressão. Nem mesmo para os jornalistas, mesmo que estes denunciem os abusos e descalabros do poder vigente.

Credibilidade do STF em cheque (corporativismo exacerbado)

J. Ribeiro (Advogado Autônomo - Empresarial)

Não foi feliz, se não contraditória, a decisão do Min. Fux. Poderia o ilustre ministro liquidar essas mazelas de certas autoridades brasileiras de abusar das leis e das prerrogativas que a sociedade confiou. Interpretações de conveniências ainda é um ranço de peleguismo judiciário. Essas cabeças tem que ser trocadas (mudança de mentalidade) urgentemente para o bem da sociedade e credibilidade do Judiciário.

A ficção tornada realidade

Cirval Correia de Almeida (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Se o Desembargador vestiu a carapuça e tornou real a ficção, isso não é problema para o Judiciário resolver. Pior. O Judiciário foi envolvido em duas ações que tomaram tempo desnecessário, enquanto casos mais urgentes ficam parados. Além do mais, a censura apareceu de mansinho desnudando o abominável corporativismo que coloca o país no tempo das caravelas.

Não se pode falar de juízes no brasil

Hélder Alves da Costa (Advogado Autônomo - Comercial)

Essa decisão traduz o que pensa a Magistratura Nacional sobre a liberdade de imprensa: "NÃO FALEM MAL DE NENHUM JUIZ NESTE PAÍS!"
É uma pena que a Advocacia tenha um organismo de representação na esfera nacional, que não está muito disposta a lutar contra mais essa injustiça.
Esse é mais um sintoma da DITADURA DO JUDICIÁRIO que estamos vivendo.
Se nós membros da Advocacia não tomarmos as rédeas dessa situação, a Nação como um todo estará perdida !

Pobre brasil

Trunfim (Escrivão)

Acabou a democracia, que nunca se teve em sua totalidade. Os piores Congresso e STF da história desse pobre país e pobre povo.
Nós temos muito corporativismo, poder só temo um: O poder econômico, com toda a sua força de destruição.

Onde estás MBL? onde estás REVOLTADOS ON LINE?

Gryphon (Advogado Autônomo - Civil)

Agora que o PT saiu do poder tudo ficou bem! Está tudo certo! Aumentinho para a cúpula do funcionalismo federal, rombinho MUITO MAIOR DO QUE O DA DILMA, mas... THATS ALL RIGHT, MAMA! I'M ONLY BLEEDING!

Criticável

O IDEÓLOGO (Cartorário)

A decisão do Ministro Luiz Fux não merece aplausos, mas severas críticas.

O objetivo do STF foi impedir qualquer declaração, em tom crítico, contra os membros do Judiciário, salvaguardando-os.

Shalom!!!

O céu é o limite

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Apesar dos longos anos de advocacia vendo de tudo aqui na terra da bananeira, ainda me espanto em verificar como que as palavras são distorcidas e os conceitos jurídicos subjugados para que o julgador chegue ao objetivo que deseja, sem se importar com o que diz a lei ou a própria Constituição. Ora, vimos há algumas semanas o Supremo barrar ações contra jornalistas que corriam em primeira instância. Neste caso em especial envolvendo o jornalista José Cristian Góes, amplamente discutido inclusive no plano internacional, é notória a afronta à Constituição e aos próprios entendimentos do Supremo. Fux, amplamente criticado por suas decisões, seguiu a linha dos magistrados que condenaram o Jornalista, rasgando a Constituição em busca do ideal maior de impedir as pessoas comuns e particularmente os jornalistas de criticarem os juízes e a magistratura, tudo isso com a total conivência da moribunda comunidade jurídica nacional, hoje inteiramente centrada em obter proveito pessoal com os cargos e funções sem nenhuma preocupação concreta com a implementação das regras constitucionais e com a aplicação correta do direito em cada caso.

Comentar

Comentários encerrados em 18/08/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.