Consultor Jurídico

Desvio de finalidade

PDT pede no STF nulidade de atos do processo de impeachment

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) ajuizou no Supremo Tribunal Federal uma ação pedindo que se reconheça a possibilidade de desvio de poder ou de finalidade praticado pelo presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), como responsável pelo recebimento de denúncia por crime de responsabilidade contra a presidente da República.

O partido alega a inconstitucionalidade da interpretação dada por Cunha a diversos dispositivos do Regimento Interno da Câmara e pede a decretação da nulidade do recebimento da denúncia que deu origem ao procedimento de impeachment. O relator da arguição de descumprimento de preceito fundamental é o ministro Marco Aurélio.

Segundo o PDT, Cunha vem praticando “uma sucessão de atos maculados por desvio de finalidade, em explícita violação a preceitos fundamentais da República”, como os princípios republicano, da legalidade, do devido processo legal, da moralidade e da impessoalidade, com “a nítida intenção de atingir fim não previsto ou em lei”. Conforme a argumentação, “tudo tem sido permitido mediante uma compreensão estreita dos dispositivos regimentais, que dariam competência exclusivamente políticas, imunes ao controle jurisdicional”.

A ação fundamenta-se na tese de que o presidente da Câmara estaria aplicando uma “compreensão excessiva” do entendimento do STF na ADPF 378, que considerou inadmissível a alegação de impedimento ou de suspeição de parlamentares durante o processo de impeachment. Com isso, estaria admitindo uma compreensão dos artigos 17, inciso I, 187, parágrafo 4º, e 218, caput e parágrafos 1º e 2º, do Regimento Interno da Casa, “como um verdadeiro ‘passe livre’ para a prática de abusos”.

Entre outros atos que configurariam o desvio de poder, o partido aponta o envio de ofícios aos autores da denúncia sugerindo seu aditamento, a utilização da Assessoria de Imprensa da Câmara “para veicular notas com ofensa ao procurador-geral da República” e a abertura do processo de impeachment “horas depois de os representantes do PT no Conselho de Ética terem declarado que votariam pelo seguimento da representação contra Eduardo Cunha”.

Liminarmente, o PDT pede que o STF decrete a nulidade do recebimento da denúncia e, no mérito, que se declare inconstitucional a interpretação do Regimento Interno no sentido de que a atribuição de competência discricionária (política) ao presidente da Câmara lhe confere prerrogativas imunes ao controle jurisdicional, admitindo-se a prática de desvio ou abuso de poder. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ADPF 397

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de abril de 2016, 19h20

Comentários de leitores

2 comentários

fora dilma! cadeia lula!

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

É isso aí bandidagem: "perdeu, perdeu".

De novo!?

alvarojr (Advogado Autônomo - Consumidor)

Não se cansam? Essa questão já foi julgada há menos de 24 (vinte e quatro) horas!
Inclusive, se é que há qualquer ofensa à Constituição no caso, essa suposta ofensa seria meramente reflexa uma vez que se exige a análise do Regimento Interno da Câmara:
"AGRAVO REGIMENTAL NA ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO FUNDAMENTAL. ALEGADA OFENSA AO TEXTO CONSTITUCIONAL QUE, SE EXISTENTE, APENAS SE MOSTRARIA DE FORMA REFLEXA E INDIRETA. IMPOSSIBILIDADE DE SUA ANÁLISE NO CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE. NECESSÁRIA ANÁLISE DA LEGISLAÇÃO ESTADUAL ATINENTE À MATÉRIA. PROVIDÊNCIA DESCABIDA NESTE MOMENTO PROCESSUAL. PRECEDENTES. AGRAVO REGIMENTAL A QUE SE NEGA PROVIMENTO. 1. Os atos que consubstanciem mera ofensa reflexa à Constituição não ensejam o cabimento das ações de controle concentrado de constitucionalidade. Precedentes: ADPF 169-AgR, rel. Min. Ricardo Lewandowski, Pleno, DJe de 14/10/2013; ADPF-210 AgR, rel. Min. Teori Zavascki, Pleno, DJe de 21/6/2013; ADPF-93 AgR, rel. Min. Ricardo Lewandowski, Pleno, DJe de 7/8/2009. 2. In casu, o cotejo entre as decisões judiciais impugnadas e os preceitos fundamentais tidos por violados implicariam a análise da legislação estadual atinente, providência descabida nesta via processual. 3. Agravo regimental a que se nega provimento" (ADPF-192 Agr/RN, rel. Min. Luiz Fux, Pleno, DJe de 17/9/2015).
Logo, além de se tratar de matéria interna corporis, a suposta ofensa à Constituição seria meramente reflexa o que inviabiliza o manejo de ADPF.
Essa agremiação partidária auxiliar do PT quer apenas tumultuar o processo de impeachment!
Álvaro Paulino César Júnior
OAB/MG 123.168

Comentários encerrados em 23/04/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.