Consultor Jurídico

Sociedade unipessoal 

OAB vai à Justiça contra a Receita para incluir advocacia no Supersimples

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil entrou na Justiça contra a Receita Federal para tentar incluir a sociedade unipessoal de advogados no Supersimples. O pedido de liminar foi feito pelo presidente da Ordem, Claudio Lamachia, na quinta-feira (7/4), na 5ª Vara Federal do Distrito Federal.

Segundo Lamachia, a OAB tentou resolver a questão administrativamente com a Receita, que defendeu que a sociedade unipessoal de advocacia não pode optar pelo Simples Nacional em razão da inexistência de previsão legal no artigo 3º da Lei Complementar 123/2006. Portanto, pora o órgão, não poderia estender os benefícios desse regime tributário ao “novo” modelo de organização societária.

O presidente do Conselho Federal argumenta, no entanto, que não foi criada uma nova natureza societária, mas que a sociedade unipessoal de advocacia nada mais é do que uma sociedade simples, figura jurídica já admitida no Código Civil e elencada na Lei Complementar 123/2006.

Diz ainda que não há justificativa na posição da Receita, pois toda sociedade de advogados possui natureza de sociedade simples, especialmente pela ausência do caráter de atividade empresarial.

Segundo Lamachia, a Receita Federal prende-se à nomenclatura “sociedade unipessoal de advocacia” e não reconhece que o referido modelo organizacional tem natureza jurídica de sociedade simples, derivando daí a possibilidade de enquadramento no regime tributário do Simples Nacional. Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 11 de abril de 2016, 16h14

Comentários de leitores

4 comentários

O tempo passa ... E o advogado sofre

JOSÉ MARCOS A. DE OLIVEIRA (Advogado Autônomo - Tributária)

Desde o início, critiquei a expressão "sociedade unipessoal de advocacia". Se é unipessoal (individual) não é sociedade. O melhor complemento à denominação empresarial é "EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA", mesmo porque a adaptação necessária à responsabilidade com o cliente ficou clara na lei de alteração do Estatuto da Advocacia. Assim, melhor do que alterar a Lei Complementar n.º 123/2006 é alterar novamente o Estatuto da Advocacia (Lei n.º 8.906/1994) e adotar o complemento correto (EIRELI), mesmo porque sabemos qual é o temor da OAB (anuidade), que não tem o menor sentido. Evidentemente, a interpretação da Receita Federal é patética, pois o próprio Poder Executivo tinha no seu objetivo a inclusão dos serviços de advocacia no Simples Nacional. Vocês pretendem divulgar algo a respeito e convocar a classe a exigir uma solução rápida (retrocedemos). O tempo passa ... a crise aumenta ... e o advogado sofre.

Leão sonso

Ton (Auditor Fiscal)

É isso mesmo presidente, se deixar a Receita solta, ela vai cobrar tributo até de berro de porco no matadouro e sobre consumo de ar pelo ser humano.

Penso que sejamos bem representados

Leopoldo Luz (Advogado Autônomo - Civil)

A OAB já batalhou e conseguiu o enquadramento para as sociedades pluriprofissionais. Creio que logo teremos boas notícias.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/04/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.