Consultor Jurídico

Notícias

Execução provisória

STJ determina prisão do desembargador Evandro Stábile, do TJ-MT

Comentários de leitores

7 comentários

Caça as bruxas ?

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

NÃO ! Apenas assepsia ética em todos os 'cômodos' da República. Parabéns ao Judiciário. É assim que se dá o exemplo e é assim que se solidificam as próprias instituições quando elas mesmas não permitem que mazelas sejam perpetradas impunemente em seu seio.

O crime neste país parece que ainda vale a pena

J. Ribeiro (Advogado Autônomo - Empresarial)

Lamentável a pratica desses crimes pelo Judiciário, que poderia sim ter sustada essa mazela se houvesse de fato corregedorias de verdade e com transparência.
Pena muito branda para um crime de corrupção praticada por um juiz (certamente não foi apenas corrupção, mas extorsão).
O mal que fez a diversas pessoas e a sociedade com seus crimes deve ser reparado também economicamente, com indenizações exemplares de sorte a inibir tais práticas.

Uma correção.

Izaque Fernandes (Advogado Autônomo - Internacional)

Esse desembargador é de Mato Grosso- MT.

Imagem do judiciário

José R (Advogado Autônomo)

Não é nada bom para o conceito do Judiciário uma condenação de desembargador ao cumprimento de seis anos de reclusão, em regime fechado, por corrupção.
As corregedorias, órgãos especiais e CNJ precisam entender que, quando surgem as primeiras queixas de advogados e partes sobre a parcialidade e suspeição de juízes, não pode haver proteção corporativista porque, ao fim, o que acaba se revelando é essa tragédia. Melhor agir no início: quando surgem os primeiros sintomas, nada de corporativismo mas ação disciplinar rápida e certeira. Se não, se acaba por propiciar o triste desfecho...

Erro no título

BRUNO POLI (Outro)

Caros editores, há um erro no título da notícia veiculada. O desembargador Evandro Stábile, conforme a notícia, é (ou era) membro de TJMT, não do TJMS.

TJMT

Ricardo Edgard da Silva (Advogado Associado a Escritório - Trabalhista)

A notícia está errada, pois o desembargador é do TJMT e não do TJMS como constou.

Errata

Tathiany Parron (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

O juiz Evandro Stábile é do TJ do Mato Grosso (MT).

Comentar

Comentários encerrados em 14/04/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.