Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Trabalho de casa

CNJ recebe 185 sugestões para regular home office no Poder Judiciário

O Conselho Nacional de Justiça recebeu, em pouco mais de um mês, 185 sugestões para regulamentar o teletrabalho no Poder Judiciário, também conhecido como home office. Esse foi o saldo da consulta pública aberta durante o mês de agosto pela Comissão Permanente de Eficiência Operacional e Gestão de Pessoas para ampliar o debate sobre a criação de regras para uma prática que já é adotada por alguns tribunais no país. O processo está sob relatoria do conselheiro Carlos Eduardo Dias, que assumiu no início do mês o gabinete que era ocupado pelo conselheiro Rubens Curado, relator original do processo.

“O trabalho realizado a distância é, sem dúvida, um notável avanço na prestação dos serviços voltados à jurisdição, mas temos de ter o cuidado de propor uma regulamentação transparente, para que não haja dúvidas quanto à efetiva realização dos serviços e que, ao mesmo tempo, garanta aos servidores do Judiciário o seu indispensável direito à desconexão do trabalho”, afirmou o conselheiro Carlos Eduardo Dias.

De acordo com informações da Secretaria de Gestão de Pessoas, que está compilando as recomendações enviadas, muitas delas se referiram à proibição do teletrabalho por servidores em estágio probatório e à possibilidade de executar o trabalho em outra cidade ou país. Segundo a secretária de Gestão de Pessoas, Aline Ribeiro de Mendonça, também foram recebidas mensagens com dúvidas sobre os critérios de seleção dos servidores e sobre a execução do teletrabalho. Agora, as sugestões serão discutidas pela Comissão Permanente de Eficiência Operacional e Gestão de Pessoas.

Metas maiores
Sete dessas sugestões dizem respeito ao controle das metas de produtividade exigidas dos servidores que realizam o teletrabalho, também conhecido como home office ou trabalho remoto. Em alguns tribunais, quem é autorizado a trabalhar em casa tem de produzir mais que os demais colegas. No Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, o percentual é de 15%. Na Justiça do Trabalho, a produção tem de ser 20% superior à do trabalho presencial, de acordo com a Resolução 109 do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, de 2012.

Outro tema que motivou contribuições foi a possibilidade ou não de estender a cargos de chefia o direito ao teletrabalho. No Tribunal Regional Federal da 3ª Região, parte da equipe do gabinete do desembargador federal Fausto de Sanctis adotou o home office no início do ano, mas o diretor e os assessores do magistrado têm de trabalhar presencialmente. Os servidores autorizados não são obrigados a se deslocar até a sede do tribunal, na movimentada Avenida Paulista, três vezes por semana. Desde 2013 utilizando o trabalho remoto, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região permite que 30% da equipe de uma unidade judiciária trabalhem de casa. Em junho deste ano, cerca de 200 servidores optavam pela modalidade.

Economia de recursos
A modalidade não presencial de trabalho surgiu na iniciativa privada, mas também já conquistou adeptos no setor público. Entre as vantagens de adotar a prática estão a qualidade de vida proporcionada para os trabalhadores, a economia de recursos naturais (papel, energia elétrica e água) gerada pela redução de consumo nos locais de trabalho, e a melhoria da mobilidade urbana, devido ao esvaziamento das vias públicas e do transporte coletivo. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.

Revista Consultor Jurídico, 24 de setembro de 2015, 16h21

Comentários de leitores

4 comentários

velhacaria

paulão (Advogado Autônomo)

Desde que eu era menino (office boy)até hoje, cincoentão, vejo que juízes e outros "servidores" públicos, que NADA produzem, tentando se livrar do trabalho. Tem dois meses de férias, um mundo de feriados, não cumprem horários (onde o ponto com controle biométrico?), nem dão satisfação a ninguém. Não possuo piscina em meu quintal mas imagino que seria muito produtivo redigindo e estudando e aguentando aporrinhação de clientes - para quem a justiça nunca chega, ou chega tarde - à beira dela, tal qual dono de empreiteira em prisão domiciliar (hahahahahahahahahahah), sem tornozeleira, pois é constrangedor,a final tenho diproma (sic) superiô!!!!

Home Office vs Teletrabalho

Fernando Angelieri (Consultor)

Complementando o comentário da Lúcida, quando se define o termo de trabalho fora das dependências da empresa como HOME OFFICE, estamos limitando o local de trabalho.
Usando-se TELETRABALHO, funcionário/servidor pode estar trabalhando de sua casa ou mesmo de um escritório virtual/alugado, dado a impossibilidade de algumas pessoas em ter um espaço adequado em sua residência.
Maiores informações na SOBRATT (http://www.sobratt.org.br/).

Foco do trabalho

Urpiano (Outros)

Minha sugestão seria que o CNJ deveria liberar À VONTADE para quem conseguisse aumentar a produtividade jurisdicional em 50%.
Porém, que limitasse a 30% do pessoal da vara caso não conseguissem a meta de 50% de aumento de produtividade em relação ao presencial.

Na verdade, apesar da ilusão de que presencialmente as pessoas confinadas em um local estejam trabalhando, o que é real, o que deveria interessar à sociedade não é o testemunho visual das pessoas trabalhando presencialmente, e , sim, a produtividade. Contabilizada pelas, sentenças, despachos, decisões interlocutórias e liminares, além dos expedientes.

Aumentou a produtividade em 50%?=Teletrabalho.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/10/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.