Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sem provas

Para D'Urso, condenação de Vaccari Neto baseou-se apenas em delação

Advogado do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, Luiz Flávio Borges D’Urso apontou falta de provas na condenação de seu cliente e criticou o fato de a sentença ser baseada apenas em delações premiadas. Vaccari Neto foi condenado nesta segunda-feira (21/9) a 15 anos e quatro meses de prisão e ao pagamento de multa de R$ 4,3 milhões. Ele é acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Por meio de nota, D’Urso afirma que, “em que pese essa respeitável sentença estar lançada em 350 páginas, não se verifica, em nenhuma delas, [nem] sequer uma única indicação de qualquer prova que pudesse dar suporte a tal condenação do Sr. Vaccari”.

Segundo o advogado, apenas as informações obtidas por meio de delação premiada não servem como base para uma condenação. D’Urso ressalta, ainda, que não há crime algum nos pedidos de doação feitos por Vaccari a empresas e que não é papel do tesoureiro verificar a licitude dos montantes recebidos.

“O Sr. Vaccari, enquanto tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, cumprindo a obrigação que o cargo lhe impõe, sempre solicitou doação para seu partido, aliás, conduta esperada de qualquer tesoureiro de todos os partidos políticos, o que é absolutamente legal. Jamais o Sr. Vaccari — e nunca se provou o contrário — solicitou, negociou ou recebeu qualquer recurso de origem ilícita”, alega D’Urso.

Clique aqui para ler a nota.

Revista Consultor Jurídico, 22 de setembro de 2015, 14h38

Comentários de leitores

10 comentários

O Tempo....

Hwidger Lourenço (Professor Universitário - Eleitoral)

...fará justiça a esse herói do povo brasileiro....esse santo homem que sacrificou sua histórica história e sua ilibada moral para preservar o partido no poder, em benefício exclusivo do povo brasileiro....
Por essa e por outras temos a obrigação moral de ANULAR os votos nas próximas eleições da Ordem. Essa gente não nos representa. Enquanto as eleições não forem diretas para todos os níveis na OAB o que continuará a ocorrer serão elegantes acordos nas grandes bancas, enquanto os profissionais que ralam a barriga nos balcões dos fóruns continuarão sem representação.

Ao Nobre Colega Dr. Eduardo

Advocacia Costa Alves (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Concordo, com as vossas palavras, peça licença para replicá-las em outros canais. Sem dúvidas passamos por momentos difíceis, o Dr. D'Urso enrolou-se muito, primeiro utilizou os seus 3 (três) mandatos, eu disse três mandatos, ou seja, pregamos a democracia, a alternância no poder mais somos uma instituição onde não há democracia, não há alternância no poder, pois, além de seus três mandatos, ainda fez de tudo, de tudo mesmo, equiparou-se ao PT para promover a eleição do Dr. Marcos da Costa, quase um quarto mandato, meio sem expressão e sem holofotes, abatido pelo lamentoso acidente de veículo quando supostamente estava a serviço da OAB/SP e no exercício do seu mandato. O Dr. Marcos da Costa deveria ser o primeiro a entender que seria bem melhor não se candidatar a novo mandato a frente da OAB/SP, mim desculpem mais vou ser direto, é quaisquer um constrangimento aos colegadas advogados e advogadas que alguns votaram por motivos de dó, pena, gratidão, é lamentável a situação, eu estimei muito por sua ampla recuperação, mais discordo da grande maioria que defende a reeleição do Dr. Marcos da Costa. Agora voltando ao Dr. D'Urso que andava sumido, após as eleições, pois, resolveu ser politico, nem lembro mais a que cargo? Há foi candidato a Vice-governador de uma chapa, não é isso mesmo, pelo jeito não obteve êxito, aceitou o lugar de outro colega de advogado do PT e de seus figurões, que com sua morte nos deixou. Agora advogado de cidadãos de meios e métodos reprovados por uma boa parte da sociedade, tenta usar os holofotes da mídia para aparecer, só mim faltava lançar a sua candidatura Presidência do Conselho Federal, será essa a intenção, pelos frágeis argumentos apresentados em defesa do seu cliente atualmente, é defender o indefensável.

Sérgio

Sergio Soares dos Reis (Advogado Autônomo - Família)

"Se tivesse sido defendido por mim, NÃO teria sido condenado"

2 - Nunca vi numa CADEIA sequer UM CULPADO, Todos INOCENTES, parece um CONVENTO.

3 - Se eu fosse o advogado do CONDENADO, NÃO me prestaria a vir na MÍDIA, mas tão somente
nos AUTOS, manejaria o recurso cabível.

Já que tem a PROVA de que o MP, JUIZ ERRARAM, (aliás todos estão errados, só ele que esta certo), é SIMPLES - HC, REVISÃO CRIMIAL

4 - Ante próxima vez, que ESCOLHA melhor seu advogado. Puro XORORO.

4 - uma pergunta: Será quando o réu é CONDENADO, é PORQUE o ADVOGADO É RUIM, INCOMPETENTE.?!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/09/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.