Consultor Jurídico

Notícias

Sem formalidades

Antônio Palocci tem direitos políticos cassados por improbidade administrativa

Comentários de leitores

9 comentários

Ódio

Contrariado (Auditor Fiscal)

Alguns comentaristas precisam tomar muito cuidado para não morrerem envenenados pelo ódio se acaso morderem a própria língua.

Ribeirão + Preto

Almanakut Brasil (Jornalista)

Política e Justiça é um problema que confunde até Berdinazzis e Mezengas, em Ribeirão, o PRETO!

Correção 2

André Petri (Advogado Autônomo - Civil)

CONJUR já foi melhor em termos de precisão terminológica. Como a colega Iane mencionou, direitos políticos jamais podem ser cassados. O que aconteceu no caso foi a "suspensão" dos direitos políticos do demandado (Lei de Improbidade, art. 12, I). Embora a expressão "cassar", do âmbito jornalístico, prenda mais o olhar do leitor do que a correlata "suspender", deve-se ter cuidado para não descambar para o jornalismo estilo "revista contigo", em que mais vale a manchete do que a matéria, sobretudo quando a manchete não é direcionada ao público de novelas, mas a operadores do direito.

Acabaram com o sonho petista

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

A verdade é que já lá atrás o mensalão acabou com o sonho petista, os próximos na sucessão do Molusco eram o Dirceu ou o Palocci, mas com o estouro do mensalão e do caso francenildo acabou sobrando apenas a Rainha da Mandioca, que apesar de incompetente "era oque tinha".

Justiça que tarda, falha!!

J. Henrique (Funcionário público)

Mais de 12 anos do fato para termos a decisão de 1ª instância.

Triste Fim!

Estrupício Hermenêutico (Outros)

No primeiro mandato do Presidente Lula eu cheguei a admirar o trabalho do Ministro Palocci. Depois veio a decepção.

Agora o Levy vai poder respirar um pouco

hammer eduardo (Consultor)

O famoso czar da economia lullista agora vai para a geladeira politica por um bom tempo , afinal lembremos que era sonho do molusco nojento trocar Joaquim Levy pelo antigo prefeito de Ribeirão Preto que tem uma extensa folha de coisas mal explicadas que começa pelos famosos contratos de coleta de lixo em Ribeirão ( especialidade de modelo corruptor do PT) ate a famosa "casa de Ribeirão" que chegou a ser montada em Brasilia e que certamente não era destinada ao atendimento medico de carentes).Dentro da sua postura repugnante de "presidente de fato" do Brasil , eleito automaticamente na esteira de incompetência descontrolada de Dilmão , o molusco sonhava em mandar para escanteio Joaquim Levy , aquele que "faz o que deixam" e botar de volta seu eterno escudeiro de Ribeirão Preto , com essa decisão de agora da Justiça ,a coisa certamente embaçou e muito!
Infelizmente a velocidade quelonica do inquérito esta impedindo que este verme sem dedo seja "gentilmente convidado" a participar de um cha com torradas na companhia do eficiente Juiz Sergio Moro la em Curitiba . O mundo perfeito mostraria o demiurgo descendo algemado da caçapa do " Uber " preto da Policia Federal la em Curitiba devidamente escoltado por aquele japa coroa que esta em todas. So sera desmontado em definitivo este modelo ladrão e incompetente no dia em que definitivamente o molusco tocar piano e for devidamente enquadrado igual a qualquer Cidadão normal do Pais , Me parece que nossas ditas "otoridades" estão com medinho de enjaular o vagabundo-mor , garanto para eles que podem faze-lo sem medo pois os seguidores robotizados e bandidos serão facilmente corriveis com gás lacrimogêneo e balas de borracha , vai ser uma correria digna das Olimpiadas de 2016.

Correção

Iane L N C Reis (Advogado Autônomo - Criminal)

É vedada a cassação de direitos políticos. Neste caso, os direitos políticos foram suspensos por três anos. Nos termos do art. 15, V, da CF.

Pelo menos um braço

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A estratégia de dominação do PT ainda não foi contida, mas pelo menos a autoproclamada "República de Ribeirão Preto" está tendo seus pilares abalados.

Comentar

Comentários encerrados em 6/11/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.