Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nova regra

CNJ aprova prazo máximo de 10 dias para devolução de voto-vista

Por 

O Conselho Nacional de Justiça aprovou, nesta terça-feira (27/10), o prazo de 10 dias para a devolução, após pedido de vista em sessão colegiada, dos processos jurisdicionais e administrativos no Poder Judiciário.  O prazo é prorrogável pelo mesmo período, se justificado, e será incluído em pauta para julgamento na sessão seguinte ao fim do período, segundo a Resolução 202/2015.

Caso o autor do pedido de vista não libere o processo, o presidente do órgão responsável vai fazer o pedido para voltar a incluí-lo em pauta. “Se aquele que fez o pedido de vista ainda não se sentir habilitado a votar, o presidente convocará substituto para proferir voto”, diz a resolução. Os órgãos do Poder Judiciário terão um prazo de 120 dias para adaptar seus regimentos internos ao disposto na resolução do CNJ.

O CNJ cita a necessidade de uniformização dos prazos relativos a devolução dos pedidos de vista por causa das “indesejáveis lacunas e disparidades” sobre o tema que podem provocar atraso “infundado ou imotivado” das decisões.  

No fim de 2014, o Superior Tribunal de Justiça aprovou uma emenda regimental para dar aos ministros até 60 dias para devolver pedidos de vista. Esse prazo pode ser estendido por mais 30 dias.

O prazo anterior era de dez dias, assim como está na nova resolução do CNJ. Mas, como não havia consequência para quem não o respeitava, os ministros não costumavam segui-lo. O resultado, conforme mostrou o ministro Luis Felipe Salomão à Corte Especial, é que em seis anos o tribunal acumulou 6.080 pedidos de vista, quase um por ano. E os levados demoravam em média 1.020 dias.

O presidente nacional da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, comemorou a decisão do CNJ.  "Os cidadãos terão maior celeridade nos julgamentos. Era inadmissível a situação na qual o julgador era senhor do processo judicial, retardando a distribuição da Justiça.  É um ganho para a classe dos advogados e, principalmente, para o cidadão”, afirmou. A OAB Nacional foi autora do pedido inicial de estabelecimento de prazo.

*Texto editado às 18h40 do dia 27 de outubro para correção de informações.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 27 de outubro de 2015, 17h51

Comentários de leitores

4 comentários

CNJ aprova prazo máximo de 10 dias para devolução de voto-vi

Mvjordans (Contabilista)

Parabéns ao CNJ, falam que justiça tarda mas não falha, esse ditado pode estar acontecendo. Agora o Sr.Gilmar Mendes o sentador está frito, é o que mais vai fazer hora extra no STF. em tempo,
tem um processo com repercussão geral com vista do ilustríssimo desde 2001 ( Decreto-lei 70/66 ) e hora que ele já antecipou o voto.
Benza a deus !

É razoável sim

Galo Furioso (Investigador)

As partes tem interesse direto no deslinde da causa; o julgador, não.

Prazo deve ser para todos

Alexander Soares Luvizetto (Advogado Autônomo - Empresarial)

Ótimo. É importante que o cumprimento de prazos seja uma das metas do Judiciário, pois está demonstrado há anos que mais de 90% do trâmite processual se gasta na tramitação cartorária e nos prazos de conclusão, mas a forma que se encontra de lidar com a demora processual tem sido sempre a redução de garantias e a cobrança cada vez maior de partes e procuradores.
Parece razoável que a parte tenha quinze dias para recorrer e o julgador possa ficar com autos um ano concluso ou em vistas?!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/11/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.