Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acúmulo de milhas

Viagens de Francisco Falcão ao exterior são criticadas no STJ

Ao tomar posse na presidência do STJ, o ministro Francisco Falcão acusou seus colegas de cometerem abusos nas viagens para o exterior. E declarou guerra ao que ele chamou de turismo pago pelo tribunal. Depois de assumir o cargo, porém, Falcão parece ter mudado de ideia, como publicou o site Glamurama.

Só este ano ele já viajou para Paris, Londres, Roma e Japão. Ele agora está na China para um temporada de 15 dias, junto com o colega Herman Benjamin. Sua assessoria respondeu que todas as viagens foram oficiais, feitas a convite dos respectivos governos e sem comitiva, para reduzir custos.

Segundo ministros da corte, Falcão convida embaixadores para audiências no tribunal e aproveita para falar de seu interesse em visitar o respectivo país e pergunta se o governo deles não costuma convidar presidentes de cortes brasileiras para estreitar o relacionamento dos Judiciários. 

Revista Consultor Jurídico, 22 de outubro de 2015, 18h15

Comentários de leitores

11 comentários

Fim do mundo!

Neli (Procurador do Município)

O dinheiro público não é sagrado, é divino, porque é amealhado de todos os contribuintes.Assim, é um acinte, um absurdo servidores públicos usarem sem nenhum rigor , o dinheiro público.

Apenas uma observação ao Gustavo P (Outros)

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

Na magistratura Federal pode até não haver, agora aqui em SC (por exemplo) todos os magistrados estaduais ganham licença-premio, inclusive podendo converte-lá em verba indenizatória.

Tal possibilidade (assim como algumas outras gratificações) acabam aumentando o vencimento médio dos desembargadores para cerca de R$ 50.000,00 reais por mês.

Correção ao Vladimir de Amorim silveira

Gustavo P (Outros)

A magistratura não tem licença prêmio nenhuma, nem quinquênios e nem venda de férias há milhares de anos.

Sugiro criticar o MPF, que ainda tem essas coisas até hoje, e ninguém fala nada.

A menos que o ilustre não saiba que o MP não faz parte do poder judiciário.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/10/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.