Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Novo CPC

Mudar juízo de admissibilidade pode trazer mais rapidez ao processo, diz Luiz Fux

Por 

A mudança do juízo de admissibilidade dos recursos destinados aos tribunais superiores, pelo segundo grau de jurisdição, pode trazer mais rapidez ao processo. É o que avalia o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, que presidiu a comissão de juristas que elaborou o anteprojeto que embasou a reforma do Código de Processo Civil. Previsto para entrar em vigor daqui a cinco meses, o novo CPC extinguiu o procedimento e com isso acendeu uma luz vermelha no Superior Tribunal de Justiça, que, preocupado com o aumento na demanda, já requereu ao Congresso para restabelecer a regra antiga.

Fux (foto) falou no Seminário O Novo CPC na Visão da Comissão de Juristas. O evento, que conta com o apoio da ConJur, acontece nesta segunda-feira (19/10), no Rio de Janeiro. À reportagem o ministro disse que os tribunais estão preocupados com o fim do filtro na segunda instância. Pelo CPC atual, são os presidentes dos tribunais de segundo grau ou seus vices que decidem quais recursos podem subir ao STJ ou STF. Com o novo CPC, a remessa será automática e caberá aos próprios tribunais superiores avaliar se o recurso é ou não admissível.

Na avaliação do ministro, o receio quanto ao aumento da demanda talvez não se justifique, pois, na prática, quando o tribunal de origem nega seguimento ao recurso, as partes conseguem chegar aos tribunais superiores por meio da interposição de agravos. “As estatísticas demonstram que, normalmente, quando o recurso não é admitido lá embaixo, as partes recorrem. Então, eliminando esse trajeto entre a instância inicial e o tribunal, com a análise da admissibilidade direto lá [no tribunal superior], talvez ganhemos tempo", destacou.

Bruno Dantas, ministro do Tribunal de Contas da União que também integrou a comissão de juristas, afirmou que o deslocamento do filtro dos tribunais estaduais e federais para os superiores  não se constitui um erro técnico. “Embora não tenha sido uma proposta da comissão de juristas, mas que foi incluída na Câmara dos Deputados, como estudioso do processo, eu não vejo erro técnico nessa sistemática”, afirmou.

Dantas ressaltou que o que está em debate é a funcionalidade dos tribunais e que os ministros do STJ têm toda a legitimidade para demonstrar que o novo modelo pode ser inviável. Segundo explicou, o fato de novo CPC ainda não ter entrado em vigor não impede mudanças no texto.

“O código já é uma lei, portanto pode ser alterado mesmo que ainda não esteja em vigor. O STJ já apresentou um projeto, que está em discussão na Câmara dos Deputados. O ministro Fux e eu já fomos chamados para participar desse debate. Se for o caso, vamos propor que o Legislativo altere”, afirmou.

Crise numérica
Segundo o STJ, no ano passado, 48% dos recursos especiais interpostos contra decisões dos tribunais tiveram a admissibilidade negada na origem. Dos que subiram, a grande maioria foi justamente por meio de agravos.

Em números absolutos, segundo a corte, foram registrados 452,7 mil recursos para questionar decisões de segundo grau. Desse total, 78 mil foram admitidos e outros 184 mil subiram por causa dos agravos. O projeto de lei que visa restabelecer a regra anterior do juízo de admissibilidade está na Câmara e é relatado pelo deputado Carlos Manato (SD-ES). 

* Texto alterado às 8h18 do dia 20 de outubro de 2015 para correções. 

 é correspondente da ConJur no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 19 de outubro de 2015, 15h30

Comentários de leitores

10 comentários

A solução

Marco (Advogado Autônomo - Criminal)

Os Ministros sempre reclamam da inépcia dos advogados, do excesso de recursos, da necessidade de criação de filtros e restrição dos recursos (alguns dizem que são muitos) e da possibilidade (iminente) de se inviabilizar o funcionamento dos tribunais superiores pelo excesso de processos.
A melhor solução mesmo seria extinguir o Superior Tribunal de Justiça. Assim os assessores dos presidentes dos tribunais de justiça e dos tribunais regionais não teriam mais tanto trabalho em fazer relatórios sobre o causa, nem serão mais obrigados a cortar e colocar decisões padronizadas e que não querem dizer nada. O país economizará recursos humanos e financeiros, podendo direcioná-los para coisas mais úteis. Acaba também o mundo do faz de contas, da hipocrisia. Não serão mais necessários que se discuta sobre os recursos extraordinários em cursos de especialização, pós-graduação, mestrado ou doutorado. Talvez essas pessoas possam se dedicar à algo com alguma utilidade. E não será necessário custear esses assessores tampouco. Os jornalistas não poderão mais dizer que existem recursos infindáveis. E os tribunais regionais e federais podem continuar julgando como se fossem feudos, sem serem admoestados por ninguém. Os jurisdicionados não serão mais enganados com a frase de que em Brasília a lei será respeitada. O fim da hipocrisia. Que tal?

Juízo de Admissibilidade

Adelino de Souza (Advogado Autônomo - Civil)

O mesmo "temor" foi alardeado pela segunda instância,
quando o exame da admissibilidade do agravo de instrumento saiu da primeira instância. Hoje TODOS concordam que foi acerto.
Não tenho dúvida que ocorrerá mesmo resultado com o exame da admissibilidade pela terceira instância, saindo da segunda instância.

Juizo de admssibilidade

CPS-Celso (Advogado Associado a Escritório - Trabalhista)

Na verdade o juízo de admissibilidade não é feito pelo Desembargador Presidente ou Ministros, mas por técnicos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/10/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.