Consultor Jurídico

Cobrança eficiente

Fazenda prevê recuperar bilhões com protesto extrajudicial eletrônico de CDAs

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional vai cobrar, a partir de novembro, débitos de até R$ 1 milhão por meio de protesto extrajudicial eletrônico de Certidões de Dívida Ativa (CDA). A expectativa é recuperar R$ 4,65 bilhões.

A PGFN criou, em 2013, o sistema de protesto extrajudicial eletrônico de Certidões de Dívida Ativa da União para reaver créditos não ajuizados em razão do baixo valor (até R$ 20 mil). A iniciativa nasceu de um termo de cooperação técnica firmado com o Instituto de Estudos de Protesto de Títulos do Brasil (IEPTB).

No primeiro ano, 45.610 Certidões de Dívida Ativa foram levadas a protesto pela PGFN. No ano seguinte, com o aumento do limite de R$ 20 mil para R$ 50 mil, a quantidade de CDAs protestadas chegou a 402.302. Em 2015, um total de 787.541 títulos foi encaminhado aos tabelionatos para protesto extrajudicial.

Desde o início do sistema, a Fazenda Nacional já recuperou R$ 646 milhões em débitos por meio dessa cobrança extrajudicial, o que representa 18,3% do total de créditos protestados.

Com o sucesso da cobrança extrajudicial, a PGFN decidiu revogar em setembro a portaria que estabelecia o limite máximo de R$ 50 mil para efetuar cobranças extrajudiciais. Com isso, a Procuradoria pretende enviar para protesto, em novembro, CDAs com valor de até R$ 1 milhão e, a partir de dezembro, débitos de maior valor de grandes devedores que estiverem exigíveis.

A PGFN estima reaver ao menos R$ 2,75 bilhões com o protesto de valores de até R$ 100 mil, caso mantenha o percentual de 18,3% de recuperação. Nos débitos com valor entre R$ 100 mil e R$ 1 milhão, a Procuradoria espera arrecadar até R$ 1,9 bilhão, se tiver sucesso em pelo menos 10% das cobranças. O total de débitos que serão levados a protesto nesse momento somam R$ 34,3 bilhões.

O protesto extrajudicial de certidão de dívida ativa da União consolidou-se como um mecanismo de cobrança eficiente que contribui para a redução da litigiosidade no Poder judiciário.

A PGFN está concluindo os estudos para apresentar ao Congresso Nacional uma proposta de reforma da lei de execução fiscal que promete evitar o ajuizamento em massa de execuções fiscais sem viabilidade econômica e acelerar a cobrança, inclusive por meios alternativos, das execuções fiscais dos grandes devedores, que correspondem atualmente a 0,93% dos devedores e a 65% do valor em cobrança.

O protesto de Certidão de Dívida da União encontra amparo legal no artigo 1º da Lei 9.492/97, no artigo 46 da Lei 11.457/07 e no artigo 25 da Lei 12.767/2012, a qual prevê entre os títulos passíveis de protesto extrajudicial as CDAs da União, estados, Distrito Federal, municípios e suas respectivas autarquias e fundações públicas.

No âmbito da PGFN, o instituto foi regulamentado pela Portaria PGFN 321, de 6 de abril de 2006, e pela Portaria PGFN 429/2014, que limita o protesto para dívidas de até R$ 50 mil, e mais recentemente pela Portaria PGFN 693, de 30 de setembro de 2015, que revoga o limite inicialmente previsto pela portaria de 2014. Com informações da Assessoria de Imprensa do Ministério da Fazenda.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de outubro de 2015, 14h37

Comentários de leitores

1 comentário

Pioneirismo da PGF

BFAJURIS (Procurador Federal)

Tal medida foi implementada efetivamente primeiro pela PGF e teve um sucesso significativo com a dívida ativa das Autarquias e Fundações Públicas Federais. O sucesso também no âmbito da Dívida Ativa da União mostra a necessidade de uma alternativa ao ineficiente sistema da execução fiscal judicial.

Comentários encerrados em 27/10/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.