Consultor Jurídico

Excesso de linguagem

Juíza de Roraima ofendida em carta por advogado gaúcho ganha dano moral

Retornar ao texto

Comentários de leitores

4 comentários

Seria bom ler antes de comentar

jsm (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Seria bom que as pessoas efetuassem uma leitura antes de sair comentando. É lamentável qualquer postura de Juiz que desrespeite o advogado. Assim como o contrário. Há duas partes. Inevitavelmente alguma delas, as vezes ambas ficam insatisfeitas com a decisão. Ocorre que para isso há recursos. Não pode a parte simplesmente enviar cartas pessoas ao Magistrado dizendo que o Magistrado "cede as pressões da imprensa" quando decide manter uma prisão. Alias... se solta tá errado. Se prende também.

Errado o colega

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Quer ofender? Ofende no Recurso. Ontem protocolei uma Apelação com dizeres um pouco fortes, mas com todo respeito gramatical e em outros palavras. Também a juíza rejeita uma preliminar com um argumento absurdo, sem nenhum fundamento legal e ainda diz que só estava analizando "por amor ao debate". Então só resta ao Tribunal reformar a Setença "pelo amor de Deus".

Tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Não foram disponibilizadas as cartas supostamente ofensivas, da mesma forma que também não se nota qualquer ofensa pelo que foi relatado na reportagem. No entanto, a meu ver, não se mostra aceitável que alguém descontente com decisões judiciais envie cartas ao magistrado. Isso não é crime, mas é uma conduta descortês, que muito se diferencia de discutir nos autos a decisão. Também sob meu ponto de vista, um juiz não deveria ir reclamar no Judiciário uma vez que é dever do magistrado ouvir os reclames da sociedade. A má decisão, e a crítica fundamentadamente veiculada, são algo que os magistrados devem tolerar, pois são muito bem pagos para isso. No final da história, tal como no incidente do bombom do delegado, a imagem do Judiciário saiu arranhada pois a decisão soa como corporativista, mostrando incessibilidade.

Pau que dá em chico...

Flávio Marques (Advogado Autônomo)

...NUNCA dá em Francisco! É medíocre alguns membros do judiciário, pois queria ver se fosse o oposto. Quantas e quantas sentenças que juiz ataca advogado, cliente e, quando se pleiteia a punição administrativa, logo travestem-se da pífia independência judicial. Muitos juízes gostam de criticar, mas quando são criticados, ficam "nervosinhos"... e fazem o que querem amparados no medíocre corporativismo!

Comentar

Comentários encerrados em 23/10/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.