Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vincular ou desvincular

Relatora, Rosa Weber vota a favor de emenda que concede autonomia à DPU

O Supremo Tribunal Federal começou nesta quinta-feira (8/10) a discutir a constitucionalidade da Emenda Constitucional 74/2013, que garantiu autonomia administrativa e funcional às defensorias Pública da União e Pública do Distrito Federal. A ministra Rosa Weber, relatora do processo, foi a única a votar e defendeu a validade da emenda. O julgamento foi interrompido por um pedido de vista do ministro Edson Fachin e não tem data para ser retomado.

Ministra Rosa Weber foi a única a votar antes do pedido de vista de Edson Fachin

A ação foi proposta pela Advocacia-Geral da União, sob a alegação de que a Câmara dos Deputados e o Senado invadiram a competência da Presidência da República ao legislar sobre a autonomia de um órgão que foi vinculado ao Poder Executivo.

A emenda alterou o artigo 134 da Constituição e concedeu autonomia administrativa, financeira e funcional às defensorias públicas da União e do Distrito Federal. Com a mudança, os órgãos podem incluir sua proposta orçamentária no Orçamento da União.

Em seu voto, Rosa Weber entendeu que a Constituição ampara a mudança que deu autonomia à Defensoria Pública, pelo fato de o órgão prestar assistência jurídica aos cidadãos que não têm recursos para recorrer à Justiça. Além disso, afirmou a ministra, as atividades da defensoria não têm relação com as atividades do Executivo.

Um dos principais argumentos da AGU era que a emenda padecia de vício de iniciativa. De acordo com a inicial, somente o presidente da República poderia levar ao Congresso uma PEC para tratar de regime de servidores públicos federais. A AGU cita precedentes do Supremo.

Em sustentação oral, o advogado Pedro Lenza, que representou a Associação Nacional dos Defensores Públicos (Anadep), afirmou que esse argumento só se aplica às emendas a constituições estaduais. Os precedentes citados pela AGU, segundo Lenza, eram todos nesse sentido. A sustentação oral se baseou em artigo do autor publicado pela ConJur.

A ministra Rosa concordou com Lenza. E lembrou que o único precedente da história do tribunal que apoiaria o argumento da AGU é a liminar que impediu a criação de cinco tribunais regionais federais, proferida pelo ministro Joaquim Barbosa.

Durante o julgamento, o defensor público-geral federal, Haman Tabosa, destacou o trabalho da DPU, que questiona na Justiça as políticas públicas do Executivo e questões ligadas à Previdência Social. Ele afirmou que, por isso, a defensoria não pode ficar subordinada ao Executivo.

"Ele [defensor] não pode estar subserviente ao Poder Executivo, que pega o telefone e pergunta porque foi feito isso. Então, é disso que o assistido precisa. O assistido precisa de um defensor público autônomo e independente”, argumentou Tabosa.

O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, defendeu a derrubada da emenda, por entender que o Congresso deu autonomia à DPU à revelia do Poder Executivo, ao qual a defensoria foi subordinada. Adams também destacou que a Defensoria Pública da União obteve avanços nos últimos anos, mesmo subordinada ao Executivo. "O Congresso Nacional tem usado e abusado do mecanismo da emenda constitucional, voltado para interferência nos poderes", disse Adams. Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 8 de outubro de 2015, 18h21

Comentários de leitores

7 comentários

AWM (Outros)

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

Primeiramente eu acredito que não só eu tenho que estudar muito ainda, todos nós devemos, afinal a vida é um eterno aprendizado.

No mais, se você ler bem o meu comentário, poderá ver que eu também citei outras instituições que tem previsão expressa na Constituição, como a Policia Federal (art. 144, I) por exemplo, e ai poderia incluir a AGU (art. 131), que também tem status constitucional e ao meu ver não pode ser retirada do corpo do Executivo por uma Emenda Constitucional de iniciativa do Legislativo.

No caso especifico do MP não há como fazer essa comparação, pois a Constituição de 88 em sua redação originária já lhe conferiu autonomia administrativa e financeira (art. 127, § 2º).

Por fim, quanto ao fato de eu ser estagiário, isso é (ou pelo menos deveria ser) irrelevante, pois oque importa (ou deveria importar) é o conteúdo e não quem o veicula.

Olha o Pintar aí gente!

AWM (Outros)

Alguma novidade Pintar!.? Nãoooooo! O velho recalque de sempre!

Situação do pobre nunca esteve pior

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O conto do vigário é narrado assim. O Executivo é maléfico. Os defensores públicos são a figura da divindade. Se o ser maléfico (Executivo) influir na Defensoria, essa será prejudicada em sua missão. Mas se as divindades (defensores) puderem fazer o que querem, aí a Defensoria pode cumprir suas finalidade. Muito lindo, não fosse o fato de que tudo não passa de uma estratégia para cargos e vencimentos. Aliás, o retrato atual da Justiça em favor do pobre, em que pese o que foi gasto pagando vencimentos de defensores nos últimos anos, mostra bem o quão falaciosa é essa luta por "autonomia". O pobre nunca esteve em piores condições.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/10/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.