Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Livre inciativa

Ao liberar Uber no RJ, juiz diz que serviço supre deficiência da regulação estatal

Por 

Em análise de pedido de mandado de segurança, a 1ª Vara Pública da Fazenda da Cidade do Rio de Janeiro determinou nesta quinta-feira (1º/10) que as autoridades da cidade não promovam qualquer tipo de barreira para que um motorista trabalhe utilizando o aplicativo Uber.

O juiz Bruno Vinícius da Rós Bodart estabeleceu multa diária de R$ 50 mil caso o presidente do Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro, o secretário municipal de Transportes da capital e órgãos e agentes que sejam subordinados a eles imponham qualquer empecilho para a atividade profissional do autor da ação.

Bodart fez fortes críticas ao estado em sua decisão, ressaltando que a interferência seria justificada para garantir segurança e bons preços no setor, fatores que para ele estão longe da realidade. Segundo o juiz, a regulação estatal “nunca livrou o consumidor de deparar-se com condutores que desrespeitam as leis de trânsito ou pouco cordiais, com veículos em péssimo estado de conservação e com a prática das chamadas ‘corridas no tiro’”.

Além disso, opinou que a aparição da Uber e de outros aplicativos tem trazido benefícios à população: “A evolução da tecnologia tem beneficiado e protegido os usuários do serviço de forma muito mais intensa que os poderes públicos foram capazes ao longo do tempo”.

O juiz lembra que muito antes da Uber já existia a profissão de motoristas que não são taxistas. Cita, como exemplo, profissionais que levavam convidados para festas e casamentos.

Odioso retorno
Com citação do economista liberal Milton Friedman na decisão, Bodart afirma que a Constituição estabelece a livre iniciativa como fundamento da ordem econômica e que o Estado só pode exercer regulação para proteger um interesse fundamental — e cabe a ele provar que tais interesses foram feridos.

“Entendimento contrário equivale a um odioso retorno ao período anterior ao constitucionalismo, em que o Estado absoluto era detentor do monopólio sobre todas as atividades econômicas e profissões, efetuando, de acordo com a sua soberana vontade, concessões graciosas a determinados escolhidos”, escreveu o julgador.

Para ele, “há indícios significativos” de que o Estado não está observando o benefício da população e que as tentativas de barrar o aplicativo são comandadas por “grupos de interesse afortunados” que ganham “rendas extraordinárias na exploração do serviço”.

No entendimento do juiz, não é necessário proibir a Uber para resguardar os taxistas, já que eles podem conviver de forma "harmônica". Além disso, as taxas cobradas dos taxistas se justificam, pois se trata de uma classe que recebe benefícios fiscais para comprar carros e podem usar faixas exclusivas nas ruas, o que lhes permite prestar um serviço mais ágil aos clientes.

Entendimento errado
As autoridades do Rio de Janeiro vinham aplicando multas e apreensões a quem usa a Uber, baseados na Lei Estadual 4.291/04, que afirma que os veículos que prestarem serviço de transporte remunerado devem ter autorização. Porém, Bodart afirma que está explícito no texto da lei que ela se refere ao serviço de ônibus. 

Clique aqui para ler a decisão. 

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 1 de outubro de 2015, 18h56

Comentários de leitores

6 comentários

Não sou ninguém importante, porém preciso trabalhar!

Sergio transportes (Prestador de Serviço)

Parabéns sr juiz...eu ja não acreditava mais na justiça brasileira mas, com profissionais como o sr, eu recebi um sopro de esperança. Precisamos de pessoas como o sr para aplicar a lei, ja que ela existe e, nem o prefeito, de uma das maiores cidades do brasil respeita...os artigos da constituição, que não são apenas um, até então, se dependesse deste "lobby", não valerían de nada, mas o senhor e a Ministra do Superior Tribunal de Justiça Fátima Nancy Andrighi, estão tentando mostrar a eles, (os políticos e os marginais que operam este serviço), que a lei existe, e tem que ser respeitada!!!
Existem inumeras situaçãoes de transporte remunerado de passageiros, que nunca poderiam ser executadas pelos taxistas. Um exemplo...transporte de um executivo japonês, em um carro blindado.Este serviço é remunerado é claro, mas onde no brasil, alguem vai encontrar um taxi blindado , com um motorista que fale no minimo inglês?...eu morei nos estados unidos por seis anos e trouxe esta profissão pro brasil e faço este tipo de serviço em belo horizonte, trabalho com um veiculo blindado, falo três idiomas. sou considerado um clandestino, mesmo fazendo um trabalho que os taxistas não fazem.. Na época da copa, eu fiquei sem trabalhar, por medo de ser preso acreditem!!! " um motorista bilingue sem trabalhar em um evento internacional, por simples medo de ser preso e processado por exercício ilegal da profissão, além de uma multa de mais de R$1200,00, e custas de reboque e diarias em um pátio de no minimo 15 dias.
Sou um trabalhador que acorda as 4 da manhã para trabalhar e o meu dia se estende até as 10 da noite sempre, para não dizer todos os dias. não é justo eu ficar correndo de taxistas e da polícia, o sr não acha?
Eu tambem tenho familia em casa para sustentar

Erga omnes?

Leopoldo Luz (Advogado Autônomo - Civil)

Vale para quem não tem Uber?
Qualquer um pode botar um luminoso "taxi" e começar a trabalhar? Sem acento, claro, porque "from the U.S.".

Decisão louvável

ABSipos (Advogado Autônomo)

Tive o prazer de ler a íntegra da decisão e a considero tecnicamente perfeita, bem como em total consonância com a função social do próprio Judiciário.

Recomendo a todos a leitura, a fundamentação jurídica é primorosa e o MMo. não poupa críticas ao poder público e interesses mesquinhos que vão de encontro ao interesse da população em face de um grupo privilegiado que detém as licenças dos táxis.

Apesar disso, a crítica passa longe de um juízo de valor, pois é embasada no bom direito.

Congratulações ao Juiz de Direito Bruno Vinícius da Ros Bodart pela primorosa decisão.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/10/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.