Consultor Jurídico

Comentários de leitores

7 comentários

Tribunal sem contencioso

Carlos Linneu (Auditor Fiscal)

Um tribunal em que o corpo de jurados é formado de promotores. O monstro proposto. O denunciante elabora o auto de infração, corre e se posta do outro lado do balcão.

Julgar é coisa do judiciário

Ton (Auditor Fiscal)

Quando são muitos os carrapatos é melhor matar a vaca.

Já pensou na força de trabalho que a Receita Federal ganhará com a liberação de seus auditores para voltar a integrar suas atividades fins: Arrecadação, Controle Aduaneiro, Fiscalização, etc ?

Que se crie as varas especializadas no Judiciário.

Extinga-se

Manuel Joaquim (Contabilista)

... o CARF, já que deixaria de ser um orgão julgador para ser um mero chancelador ou revisor de eventuais barbaridades perpetradas por auditores despreparados, digamos.
E extinga-se tambem o Senado, que só tem servido para homologar tudo que o Poder Executivo lhe enfia goela abaixo!

Medo do cidadão

Elvys Barankievicz (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Aqueles que exercem o poder sempre se aborrecem em ter que enfrentar, em paridade de armas, os que sofrem as consequências dos exercício deste mesmo poder. Por isso a solução para os poderosos é alijar o cidadão, e seus representantes, de qualquer de suas prerrogativas nos processos decisórios. Eles querem, simplesmente, que o cidadão aceite, calado, sem opor argumentos ou objeções, o que quer que eles decidam. É um mal de países sem tradição democrática!
Assim, basta eliminar os conselheiros dos contribuintes e deixar o CARF todinho para a Fazenda (que pode reconduzir ou não o conselheiro, mas somente se for fiscalista!). É ridículo! Será o CONAMA o próximo a perder representantes do administrado? E é vergonhoso que SENADORES (!!!) queiram limar o cidadão de qualquer órgão, ainda mais afirmando que os conselheiros dos contribuintes tendiam a favorecer os contribuintes; os senadores se esqueceram que a estatística da Zelotes apontou que a Fazenda vencia 96% dos julgamentos. Onde está o favorecimento? Mais parece um desprezo total... Numa das gravações (falo dos grampos), um dos conselheiros afirmou que o CARF referendava autuações absurdas devido à sua veia fiscalista. A realidade, iluminados senadores, é que a voz do cidadão precisa ser mais ouvida, não só no CARF, mas em todas as esferas do poder. Estes senadores é que não deveriam ser reconduzidos (pelo voto) a seus cargos porque, afinal, pensam que o cidadão atrapalha.

Carf

MMDC (Outros)

Ora, então é melhor extinguir o Tribunal. Economiza dinheiro e evita uma segunda instância chanceladora de decisões. Vergonha!

Hipocrisia alarmante.

Julio Campos. (Advogado Autônomo - Internacional)

É claro, afinal, somente advogados são suscetíveis à corrupção. Nunca tivemos nenhum precedente de funcionários públicos, principalmente auditores fiscais de qualquer esfera, seduzidos por um montante monetário em troca de uma não autuação ou uma decisão favorável ao contribuinte. A ironia é gigantesca, pra quem não entender.

Complicado

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

O que o CARF precisa é de pessoas concursadas para exercer a função de "juiz" deste Tribunal. Pois os auditores fiscais também são parte da relação, pois eles quem autuam as empresas que recorrem ao tribunal administrativo.

Comentar

Comentários encerrados em 4/12/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.