Consultor Jurídico

Duração razoável

Justiça precisa de criatividade para superar excesso de litígios, diz Lewandowski

A Justiça precisa de criatividade para superar o excesso de litígios que a sociedade brasileira apresenta aos tribunais e assegurar o direito constitucional à razoável duração do processo, afirmou o presidente do Conselho Nacional de Justiça e do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, ao citar os dez anos de vigência do direito fundamental estabelecido na Emenda Constitucional 45/2004.

Ricardo Lewandowski explicou que as medidas alternativas incentivam a sociedade a resolver os próprios problemas

A afirmação foi feita durante a abertura do 9º Encontro Nacional do Poder Judiciário, nesta terça-feira (24), em Brasília. “O caminho que se abre para desatar esse verdadeiro nó górdio da litigiosidade crescente é o encaminhamento de soluções processuais, organizacionais, gerenciais inovadoras, abrangentes, concatenadas que ultrapassem a visão tradicional, ortodoxa, que se cultiva da prestação jurisdicional”, disse o ministro.

Segundo Lewandowski, as práticas consensuais, como a mediação e a conciliação, são um caminho para superar a litigiosidade excessiva. O ministro explicou também que as medidas alternativas incentivam a sociedade a resolver os próprios problemas, “sem simplesmente transferi-los para o Estado”.

“Dentre as práticas inovadoras a que temos dedicado especial atenção, destacam-se os esforços empreendidos nas soluções consensuais dos conflitos. Nesse caso, também se está diante de uma relevante mudança cultural, pois ao se evitar a judicialização desnecessária dos litígios, sobretudo quando envolvem direitos disponíveis ou de natureza patrimonial, contribui para a tão necessária pacificação da sociedade”, disse.

Ministra também quer estipular duração máxima de tramitação para ações relacionadas à violência contra a mulher

Tramitação limitada
Em sua fala durante plenária sobre a Estratégia Nacional do Poder Judiciário, a ministra do Superior Tribunal de Justiça Laurita Vaz afirmou que a Justiça Federal buscará limitar o tempo de tramitação de processos em cada uma das instâncias em, no máximo, quatro anos. Segundo a magistrada, o compromisso será proposto como meta a ser perseguida em 2016.

No caso dos juizados especiais federais, a ideia, segundo a ministra, é que sejam proferidas decisões em todos os processos que estejam em tramitação há, pelo menos, três anos. Laurita defendeu, ainda, a criação de uma meta específica voltada para o julgamento de crimes contra a mulher e crimes sexuais contra vulneráveis.

Mudança de competência
Ao participar do evento, o presidente do Superior Tribunal Militar, ministro William de Oliveira Barros, informou que um grupo de trabalho composto por membros do CNJ, do STJ e do STM discute a ampliação das competências da Justiça Militar da União. Segundo ele, uma das ideias em estudo é que os processos administrativos relativos a militares passem a ser julgados pela Justiça Militar da União, e não mais pela Justiça Federal. A estimativa é de que existem, hoje, cerca de 88 mil ações em tramitação referentes aos regimes jurídicos das Forças Armadas.

Para presidente do STM, transferência de competência vai contribuir para a uniformização da jurisprudência em caso de demandas repetitivas
Reprodução

“A Justiça Militar da União, por sua origem, detém conhecimento pormenorizado das peculiaridades que cercam as Forças Armadas e um conhecimento significativo por parte de seus julgadores. Atribuir-lhe, pois, o julgamento das ações relativas ao direito administrativo e ao direito disciplinar militar pode ser entendido como uma decorrência natural da sua especialização”, afirmou o ministro.

De acordo com o presidente do STM, estas características poderão contribuir para a uniformização da jurisprudência em caso de demandas repetitivas, reduzindo o ajuizamento de ações nos âmbitos administrativo e disciplinar e desonerando a Justiça Federal de primeira instância, hoje responsável pelos processos. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2015, 20h44

Comentários de leitores

1 comentário

Doutrinação ideológica

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A função da Justiça não é ser criativa, mas sim aplicar a lei ao caso concreto. O caos judiciário que vivemos hoje, com milhões de processos, é resultado da própria incompetência do Judiciário, que resolve mal as lides. O violador da lei, quase sempre o Estado ou o poder econômico, ganham mesmo não sendo detentores de direito algum, ou quando perdem acabam pagando pouco. O resultado são milhões de novas ações, na medida em que aquele que violou o direito e foi condenado continua a violar o direito da mesma forma. A "criatividade" mencionada pelo Ministro é apenas uma doutrinação ideológica, uma lavagem mental direcionada às massas visando justificar a negativa do direito nos julgamentos.

Comentários encerrados em 03/12/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.