Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Política de ordem

Biazzo representa renovação na gestão da OAB-SP

Por 

No dia 18 de novembro de 2015, os advogados e as advogadas paulistas irão às urnas para eleger os candidatos que almejam gerir o próximo triênio da Seção São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil, das diretorias do Conselho Seccional, da Caixa de Assistência dos Advogados (Caasp) e das Subseções Paulistas.

Desde o ano de 2003, participo do processo eleitoral da classe dos advogados. No ano de 2006, no lançamento de uma chapa de oposição que concorrera às eleições da OAB-SP – naquele ano a entidade já estava sendo gerida pelo grupo de Luiz Flávio Borges D’Urso -, conheci pessoalmente o advogado João Biazzo.

À época fomos apresentados por meu pai – Luiz Antônio Sampaio Gouveia, conhecido carinhosamente pelos amigos e colegas de profissão por Pitô -, o qual referenciava a pessoa de João Biazzo a mim, como um dos futuros da OAB/SP.

Hoje, por circunstâncias da vida e de ideologia de classe, democrática e social, estou com o grupo que apoia João Biazzo a candidato para presidente da Seção São Paulo da OAB-SP – vice-presidente: Dirceu Valle -, estando eu – Rodrigo de Abreu Sodré Sampaio Gouveia – concorrendo a Vice-Presidente da Caasp – presidente: Leandro Basso. Formamos a Chapa 15, Inova OAB.

Tenho comigo, que não há dúvida de que as gestões anteriores e a atual gestão da OAB-SP realizaram bons trabalhos, mas se queremos progredir, é preciso inovar, especialmente, no que toca à alternância de gestão – prefiro o termo gestão a poder, pois, não raras vezes o poder cega o ser.

Tanto é que o nosso grupo tem como uma das inúmeras propostas o fim da reeleição e a renovação parcial dos Conselheiros Secionais da OAB-SP, ainda que a materialização da ideia venha a ser objeto de constantes espaços de lutas para obter uma alteração legislativa. O nosso grupo quer a autonomia financeira das Subseções do Interior, sem que os atos decisórios fiquem centralizados com a Seção São Paulo.

Vamos criar uma procuradoria de prerrogativas com advogados e advogadas treinados e remunerados para atuar exclusivamente nos embates vivenciados pela advocacia com o Poder Judiciário, de modo a neutralizar qualquer dissabor e ou antipatia que um representante de prerrogativas, sobretudo, do Interior, fica e está sujeito a vivenciar ao defender um advogado ou uma advogada, quando no exercício da defesa das prerrogativas, pois, o advogado ou a advogada de prerrogativas, que enfrenta fielmente um embate com o Poder Judiciário, representando um (a) colega que foi desrespeitado no seu exercício profissional, também, por exemplo, tem processo a ser julgado pelo magistrado que é sujeito da atuação das prerrogativas, não podendo ser colocado em risco a atuação processual e os direitos do cliente, de quem atua nas prerrogativas, por farpas de um embate que tem como sujeito ativo o colega desrespeitado no seu exercício profissional.

Instituiremos uma nova forma de ouvidoria – um canal de comunicação - entre as Subseções do Interior e a Seção São Paulo, para reaproximar todos os advogados e advogadas da OAB-SP. Estamos dispostos a trabalhar com empenho e seriedade para mudar e progredir, a despeito de podermos ser rotulados de sonhadores. Mas creio que não somos os únicos que sonham com a melhoria da advocacia e dos anseios sociais.

Exercer a advocacia é mais do que ter sangue A, O ou B. Exercer a advocacia é ser advogado ou advogada de corpo e de alma. Exercer a advocacia é servir ao próximo imbuído de trabalho, de fé e de justiça.

A OAB-SP precisa voltar a ser o porto seguro da advocacia paulista, cuja história comprova que aqueles que lutaram pelo bem comum e social do Brasil, notadamente, em épocas de regimes autoritários, lá encontraram guarida, representatividade institucional e liberdade. A entidade precisa voltar a ser a OAB de todos os advogados e advogadas.

A OAB-SP precisa voltar a ser a entidade que semeia ser o advogado e a advogada indispensáveis à administração da justiça, não apenas para resguardar um literal dispositivo constitucional, mas para fazer valer e homenagear a função social que exerce a advocacia em prol do avanço do Brasil.

Saímos das universidades com o sonho de mudar o mundo, de bem servir a sociedade, de prosperar para viver com dignidade. Somos um grupo de idealistas, de pensadores e de militantes. O sonho pode se tornar realidade e se multiplicar na vida de cada advogado e advogada.

Buscamos a valorização da advocacia, o apoio à advocacia, a transparência, a independência e a redemocratização da nossa OAB-SP. O candidato João Biazzo é um advogado jovem, porém, experiente, competente e que há muito já luta pela advocacia, sendo a sua simplicidade a segurança de que todos os advogados e as advogadas serão ouvidos pela OAB/SP.

A panfletagem que está sendo feita pelo nosso grupo junto à advocacia tem revelado que a aceitação do nosso grupo é muito grande, que a insatisfação é geral, que a advocacia precisa ser resgatada.

A panfletagem que está sendo feita pelo nosso grupo junto à advocacia tem revelado que os advogados e advogadas paulistas estão cientes de que o nosso grupo é a verdadeira oposição e que as outras chapas que concorrem conosco são formadas por dissidentes da atual gestão – que está na OAB-SP, desde o ano de 2003.

A panfletagem que está sendo feita pelo nosso grupo junto à advocacia tem revelado que hoje em dia está fora de moda realizar grandes festas regadas a comes e bebes para angariar votos e que o nosso grupo está no caminho certo, que apesar de muitos poucos recursos financeiros, faz a campanha capitalizada por uma ideologia renovadora que brota do fundo dos nossos corações.

Percebemos tudo isto, em cada olhar, em cada aperto de mão e de abraço, em cada voz indignada que é emanada por um advogado ou por uma advogada que pede mudança e avanço.

Inova OAB.

 é advogado do Sampaio Gouveia advogados associados.

Revista Consultor Jurídico, 17 de novembro de 2015, 15h10

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 25/11/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.